Quando saiu do escritório, decidiu criar a sua própria marca, a Fuenttes Knupp Arquitetura, evidenciando com clareza sua identidade arquitetônica. Depois de muito estudo, criou o seu próprio estilo arquitetônico, desenvolvendo seu diferencial. Hoje ele atua mais com a arquitetura contemporânea, utilizando-se de linhas retas, poucas texturas e revestimentos, projetando ambientes marcantes, com tonalidades neutras (branco, cinza e preto), obtendo assim características do estilo da arquitetura industrial. Além disso, Jorge Luis busca integrar os ambientes internos aos externos, proporcionando mais bem-estar nos lares.

arquitetura contemporânea

“Os meus projetos costumam ter uma maior conectividade do ambiente interno com o externo, características adquiridas a partir da arquitetura sensorial, que visa estimular os cinco sentidos do usuário através de grandes aberturas, varandas, claraboias e revestimentos, tornando os ambientes ainda mais acolhedores e confortáveis, pois acredito na importância do bem-estar pessoal e espiritual através desta integração”, explica.

arquitetura contemporânea
Um dos projetos de arquitetura contemporânea do arquiteto Jorge.

Por ter um estilo próprio, seu processo criativo se inicia na fachada, por acreditar que a arquitetura não pode passar despercebida. “Minha arquitetura tem uma personalidade própria, chamando a atenção e enchendo os olhos de quem a vê. Não gosto de fazer projetos simplesmente por fazer. Para isso, busco entender o que o cliente realmente necessita, projetando assim algo único, inovador e exclusivo, que o represente e se destaque perante os demais.”

Assim, ele desenvolve projetos tanto residenciais como comerciais, além de projetos de interiores e iluminação, atuando em Foz do Iguaçu, Cascavel e Toledo, e realizando um atendimento exclusivo com os clientes do Paraguai e Argentina. “Meu foco nunca foi atuar em um lugar só, sempre optei por romper barreiras, levando a minha arquitetura às mais variadas regiões.”

arquitetura contemporânea

Um novo olhar sobre a arquitetura

A pandemia foi um grande divisor de águas. Para isso, o arquiteto destaca a importância de projetar ambientes que evidenciem o bem-estar de seus clientes, muito mais do que espaços bonitos e modernos, locais que tenham funcionalidade e se integram ao mundo externo.

Arquiteto Jorge
Arquiteto Jorge Knupp.

“Antes as casas eram grandes dormitórios, porque as pessoas passavam o dia fora e iam para casa apenas para dormir. Mas hoje em dia é diferente, tanto que o número de reformas aumentou com a pandemia, pois perceberam a grande influência do ambiente com o psicológico, buscando uma maior incidência de luz natural nos ambientes internos e aumentando a conectividade com a natureza. Então acredito que daqui para frente passará a se pensar mais na arquitetura sensorial voltada a influenciar no humor, comportamento e finalmente no bem-estar do usuário. Soluções básicas, mas necessárias”.  

Jorge Luis Knupp

Serviço:

Cais Coworking Toledo – Rua Celeste Muraro, nº 148 – Bairro Tocantins

Telefone/Whats: 99932-8756

Formada em Jornalismo na UDC e pós-graduada em Relações Internacionais Contemporâneas na Unila, atualmente é jornalista da 100fronteiras e recentemente conquistou pela 100fronteiras o primeiro lugar no 1º Prêmio Faciap de Jornalismo.

Diálogos 100fronteiras

1 Comentário

Deixe a sua opinião