Vindo de Brasília para substituir o coronel Marcelo Pontes, o novo comandante do 34º Batalhão de Infantaria Mecanizada promete seguir com os trabalhos de integração do batalhão com a comunidade.

É tradição a troca de comando do 34º BIMec a cada dois anos, e após cumprir sua missão em Foz do Iguaçu, o coronel Pontes se despediu da cidade em uma cerimônia reservada apenas para os militares, no dia 22 de janeiro. Na ocasião estavam presentes o comandante da 5ª Divisão de Exército, general de divisão Carlos José Russo Assumpção Penteado, que presidiu a cerimônia, acompanhado do general de exército Joaquim Silva e Luna, diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, e do general de brigada Cláudio Henrique da Silva Plácido, comandante da 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada.

Passagem de comando batalhão foz
Cerimônia da passagem de comando. (Foto: Assessoria Batalhão)

No lugar do coronel Pontes assumiu o tenente-coronel Georgingtown Haullinson Farias, que veio de Brasília com a importante missão de assumir o batalhão da fronteira. “Agora em fevereiro, eu completo 28 anos de serviço no Exército. Me formei na Academia Militar das Agulhas Negras, em 1997, e até o ano passado estava servindo no Estado Maior do Exército em Brasília, que é um órgão de direção geral da nossa instituição e que de maneira geral dita os rumos da força. Agora estou chegando a Foz para assumir o comando do nosso 34º Batalhão, e as expectativas são grandes. A gente sabe da ligação que existe do batalhão com a cidade e vice-versa, e o meu principal objetivo é dar prosseguimento nesse trabalho.”

O comandante Haullinson destaca que é a primeira vez que comanda um batalhão como tenente-coronel e que já havia comandado outra instituição militar, mas no posto de major. Para ele, é uma grande honra estar à frente do 34º BIMec. “Esse batalhão, por estar localizado numa tríplice fronteira, tem uma importância estratégica muito grande para o país e o Exército Brasileiro. Estamos próximos à Argentina e Paraguai e também à Itaipu Binacional, que tem uma função estratégica muito importante para o país. Tudo isso requer cuidados especiais, e o batalhão já está preparado para isso. Já servi em unidades com características semelhantes, então tenho experiência nessa área. Já servi em duas organizações militares do Comando Militar da Amazônia e, apesar de não ter servido aqui, a proximidade com a fronteira não é novidade, e o mais importante é que a tropa está acostumada com isso”, ressalta.

Missão a cumprir no 34º Batalhão em Foz do Iguaçu

Para o tenente-coronel Haullinson, não é por acaso que a cidade de Foz está como um dos maiores destinos de turismo do Brasil. Ele já esteve quatro vezes na cidade como turista e confessa que se encantou com a energia do local. Agora retorna de maneira profissional, e isso o deixa muito contente.

Consciente do excelente trabalho realizado pelo comandante Pontes, o comandante Haullinson conta que seguirá com os projetos que estavam em andamento no batalhão. “O Exército planeja com antecedência suas atividades. Algumas operações já estavam planejadas, e vamos dar seguimento, mas pela importância da fronteira aqui a gente não para, estamos sempre em atividade. De uma hora pra outra vocês verão militares e viaturas percorrendo a cidade, porque faz parte já da nossa atividade.”

Tenente-coronel Georgingtown Haullinson Farias

Sobre dar prosseguimento à integração do batalhão com as demais instituições e com a cidade, o comandante Haullinson frisa que esse trabalho é de extrema importância para o batalhão.

“A gente costuma dizer que não se faz nada sozinho, temos que trabalhar em equipe, em um ambiente interagências, e aqui essa integração com as agências é muito boa, vamos manter isso. No ano passado, com a pandemia, isso foi mais evidente, e o nosso principal objetivo é cumprir nossa missão e apoiar a cidade no que for possível”.

Patrícia Buche

Formada em Jornalismo na UDC e pós-graduada em Relações Internacionais Contemporâneas na Unila, atualmente é jornalista da 100fronteiras.

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião