• O que é a dependência química?

A dependência química está relacionada ao comportamento compulsivo que um indivíduo possui ao usar drogas. Tal compulsão faz o uso sobrepor-se às outras atividades de sua vida, dificultando a interrupção do consumo e mantendo-o em episódios recorrentes de recaída

  • Como ela acontece no cérebro?

Na medida em que o indivíduo usa a droga, e esta o gera prazer, gradualmente criam-se circuitos neurais e alterações na bioquímica cerebral. Mas o que isso quer dizer? Quer dizer que o cérebro já compreendeu que quando a vontade de usar vêm, ela deve ser imediatamente saciada. Em suma, quanto mais solidificados os circuitos estão, mais o indivíduo manifestará o comportamento compulsivo, e mais difícil será afastá-lo do uso.

  • Quais fatores podem contribuir para que um indivíduo se torne dependente químico?

Primeiramente deve-se ter consciência que o dependente químico vivenciou uma série de experiências ao longo de sua vida, que implicaram no uso da droga. As experiências englobam os fatores psicossociais, culturais e genéticos.

Ambientes familiares: ambientes familiares disfuncionais podem contribuir para que o indivíduo se torne dependente. Para desenvolver-se de maneira sadia, o ser humano possui necessidades emocionais e afetivas básicas. No entanto, quando o funcionamento familiar é problemático, há uma grande probabilidade de que isso se reflita negativamente na vida do sujeito.

Influências relacionais: outra questão importante diz respeito às influências relacionais, ou seja, pessoas do convívio social que induzem ao hábito do uso. A escolha do grupo social é um reflexo da realidade subjetiva da pessoa, que a aproxima por identificação. É possível que a relação do usuário com outros dependentes traga a sensação de pertencimento e proteção, mas, na realidade, o que as aproxima verdadeiramente são suas feridas.

Experiências traumáticas: as experiências traumáticas são potenciais gatilhos para o uso de drogas, uma vez que a droga pode servir de fuga das lembranças e sensações dolorosas. Essas sensações impulsionam o indivíduo a refugiar-se em algo, para inconscientemente anestesiar sua dor e tornando-o, por fim, quimicamente viciado. O uso da droga, em si, é apenas o produto final de muitos acontecimentos anteriores.

Aumento da produtividade: em alguns casos, a droga pode ser utilizada como um estímulo para aumentar a produtividade da pessoa. Dessa forma, ela é associada à ideia de bom desempenho nas atividades. Esse uso é mais comum em pessoas consideradas “workaholics”, em outras palavras, viciadas em trabalho. O indivíduo que faz o uso de droga com essa perspectiva geralmente acredita que o seu desempenho profissional, sem o uso, será inferior.

Aspecto temperamental: o aspecto biológico do temperamento também é algo que deve ser avaliado, visto que a afetividade, o humor e a motivação interagem na maneira do indivíduo interpretar e lidar com as situações e emoções em sua vida. Além do temperamento, devemos nos atentar à qualidade cognitiva e comportamental atual.

  • Como lidar com o dependente químico?

Considerando a complexidade dos assuntos anteriormente discutidos, entende-se que não é um único motivo que leva ao uso da droga, mas sim o conjunto de ocorrências. É muito provável que o uso seja uma estratégia para anestesiar sentimentos de incompletude e insatisfação, por conta de alguma necessidade emocional não atendida.

Muitas pessoas atribuem a falta de juízo ou de espiritualidade à dependência química, mas isso representa a falta de conhecimento e o estigma social existente com esta população. O primeiro passo para se ajudar o dependente é respeitar a sua história e a sua dor, apenas com empatia pode-se acessar posteriormente questões mais profundas.

*Bruno T. Bizzotto, Psicólogo Clínico e Escritor.
Cursa especialização em Terapia Cognitivo-Comportamental (PUC-RS), Terapia do Esquema (IPTC) e Análise do Comportamento Aplicada (Rhema).

Instagram: psi.brunobizzotto
Whatapp: (45) 991141500
E-mail: Bruno.bizzotto@outlook.com

Foto: Arquivo pessoal.
Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva de seus autores, não representando a opinião do veículo.

Psicólogo Clínico e Escritor
Cursa especialização em Terapia Cognitivo-Comportamental (PUC-RS), Terapia do Esquema (IPTC) e Análise do Comportamento Aplicada (Rhema).

Participe da conversa

2 Comentários

  1. Nossa muito legal e esclarecedor o seu texto Bruno.
    Parabéns mesmo, porque as vezes a gente lê sobre isso é fica mais confusa ainda sobre os reais motivos que levam uma pessoa a se envolver com drogas.
    Eu já tive pessoa da minha família envolvida com droga e não conseguia entender o porquê.
    Lendo seu texto da pra se ter uma noção.
    Beijos de luz meu lindo

    1. Olá, Ledir. Tudo bem? Realmente é um tema muito pertinente para se discutir, devido à sua complexidade.
      Fico feliz em ter contribuído de alguma forma para o seu entendimento.
      Fico à disposição para quaisquer dúvidas.

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião