Fotos: Buguno Almeida e Bertoncelli Fotografias

Chega um momento na vida em que todo mundo, ou pelo menos quase todo mundo, irá querer ter em casa um animal de estimação. Alguns já nascem com eles, outros resolvem ter quando passam a morar sozinhos, por isso os pets acabam sendo uma ótima companhia. Mas para evitar que isso venha a se tornar um problema, é preciso levar em consideração o local onde você mora e, principalmente, a raça do animal que deseja adotar ou comprar.

De acordo com o médico-veterinário especialista em pets Paulo Henrique da Silva, a pesquisa pela escolha da raça é a primeira coisa que a pessoa deve fazer. “Cada raça é muito específica. O shihtzu, por exemplo, é um animal de colo, pequeno e que gosta de dormir, então ele é ideal para apartamentos, pois pode ficar sozinho em casa e não corre o risco de fazer bagunça. Já animais como poodle e pinscher, mesmo sendo pequenos, possuem comportamento diferente, pois são animais de caça e por isso não se adaptam em ambientes totalmente fechados”, explica.

Essa informação é importante, pois muitas vezes as pessoas escolhem os animais pelo porte ou aparência, mas não sabem como é o comportamento biológico e fisiológico do bichinho e assim acabam tendo dor de cabeça, pois o pet não se adapta ao ambiente e, por ficar estressado, acaba destruindo móveis e objetos de casa, causando prejuízos. “E quando você compra esse pet, você compra um problema, porque ao invés de adaptar o animal à sua vida você acaba virando refém dele”, destaca o veterinário.

Qual desses pets é melhor: cão ou gato? 

Ambos os animais são recomendáveis para apartamento ou casa que não tem jardim, porém é preciso levar em consideração que eles apresentam muitas diferenças.

De acordo com Paulo, os gatos são mais reservados e qualquer espaço pequeno já serve para eles. Para cuidar também não tem segredo, basta manter uma caixa de areia sempre limpa. Mas como eles soltam muito pelo, é preciso sempre escová-los e evitar que subam nos móveis como sofá e mesa.

Outro detalhe é com relação às unhas, pois os gatos sentem necessidade de afiá-las e o fazem muitas vezes nos móveis. Caso isso venha a ocorrer, é importante que o dono procure enriquecer o ambiente da casa com brinquedos e objetos que os distraiam da mobília.

Já os cachorros interagem mais com os humanos, por isso estão em constante movimento e agitação. Ao escolher uma raça de caça, você precisa levar em consideração que esses cães necessitam fazer atividades físicas. Se ficarem muito tempo parados e trancados sozinhos, irão estressar-se e começarão a estragar os móveis. Por isso, se for adotar um cachorro de caça, é necessário ter consciência de que deverá passear com ele seguidamente.

Outra questão é que os cães não gostam de ficar em ambientes totalmente fechados, como é o caso das casinhas, isso porque esquenta muito quente, e o animal se adapta melhor a ambientes abertos e arejados. “É preciso entender que algumas atitudes dos animais são da biologia deles, não dá para mudar, então não adianta forçar o animal a se encaixar em um ambiente forçado”, alerta o veterinário.

De qualquer forma sempre há objetos que ajudam a melhorar o bem-estar do animal dentro de casas e apartamentos e proporcionam segurança para os donos com relação à conservação da mobília. Exemplos disso são as caminhas, tanto em tecido como em madeira, que a Ideal Móveis & Design possui e que servem para acomodar os bichinhos, garantindo conforto, segurança e sofisticação.

Formada em Jornalismo na UDC e pós-graduada em Relações Internacionais Contemporâneas na Unila, atualmente é jornalista da 100fronteiras e recentemente conquistou pela 100fronteiras o primeiro lugar no 1º Prêmio Faciap de Jornalismo.

Comentários

Deixe a sua opinião