Publicação do jornal The New York Times fala sobre o potencial turístico do bioma brasileiro e cita trilhas como a do Parque das Aves como atividade para se conectar com a natureza A Mata Atlântica foi selecionada pelo jornal “The New York Times”, uma das publicações mais importantes do mundo, em um especial anual com 52 lugares para visitar em 2020. O objetivo é indicar locais para “inspirar, encantar e motivar a explorar o mundo”. O bioma foi o único destino brasileiro escolhido pelo jornal norte-americano justamente por ser um dos mais ricos ecossistemas do planeta, oferecendo diversas possibilidades de conexão com a natureza. E ele também abriga mais de 3.400 cidades, entre elas Foz do Iguaçu, casa do maior remanescente de Mata Atlântica de interior do Brasil, onde o Parque das Aves está localizado. A seleção dos destinos é feita a partir de uma pesquisa inicial com os colaboradores da publicação e também correspondentes estrangeiros que sugerem lugares “novos e atraentes”, além de profissionais do setor de viagens. Jurema Fernandes, diretora administrativa do Parque das Aves, lembra que a publicação sugere atividades na região, como trilhas e escaladas, para aumentar a conscientização das pessoas sobre a importância da floresta e os riscos que corre, criando mais interesse em sua preservação. “O que o ‘The New York Times’ sugere é que o visitante pode encontrar essa conexão com a natureza em trilhas como a do Parque das Aves. Além de se encantar com sua beleza, ele pode aprender mais sobre a conservação de espécies da Mata Atlântica”, diz. Cerca de 45% das espécies de aves do Brasil ocorrem na Mata Atlântica, e 213 ocorrem apenas nessa região. Além de ser um dos ecossistemas mais ricos em biodiversidade do mundo, é também o domínio que possui um grande número de espécies ameaçadas de extinção.

Proteção ambiental

Com as questões ambientais ganhando cada vez mais destaque na mídia internacional, o jornal destaca a importância de proteger a Mata Atlântica. O bioma é um dos mais biodiversos do planeta, com mais de 15 mil espécies de plantas, 298 de mamíferos, 350 de peixes, 200 de répteis e 370 de anfíbios (fonte: SOS Mata Atlântica), porém hoje resta pouco mais de 8% da floresta original, sendo que dois terços da população brasileira vive e depende da região da Mata Atlântica. “É muito importante que todos conheçam a Mata Atlântica, mas principalmente quem vive nela, ou seja, a maioria da população brasileira. No Parque das Aves trabalhamos para que nossos quase 1 milhão de visitantes por ano aprendam um pouco sobre ela e suas espécies, e saiam do Parque inspirados para mudar algo em suas rotinas que beneficie as florestas”, reforça Jurema. O Parque das Aves é um Centro de Conservação Integrada de Aves da Mata Atlântica, o único focado nesse bioma no mundo. Seus esforços são guiados principalmente para a conservação das 120 espécies e subespécies de aves da Mata Atlântica em algum grau de ameaça de extinção.

Incentivos para estrangeiros 

A publicação lembrou ainda a facilidade para cidadãos dos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão visitarem a região, já que desde junho de 2019, o Brasil não cobra mais vistos para visitantes desses países por um período de até 90 dias.

Sobre o Parque das Aves

Com 25 anos de atuação e 260 colaboradores, o Parque das Aves é a única instituição do mundo focada na conservação de aves da Mata Atlântica. Possui 16 hectares de mata restaurada, 1.300 aves de 130 espécies diferentes, com três viveiros de imersão e um borboletário. O objetivo do Parque das Aves é atuar investindo significativamente para criar um impacto positivo para as aves da Mata Atlântica, principalmente as 120 espécies e subespécies em risco de extinção. O Parque das Aves recebe mais de 930 mil visitantes por ano, sendo um dos atrativos mais visitados de Foz do Iguaçu.

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião