Visit Iguassu organiza missão para atrair turistas da China

252

A missão é realizada até o dia 20 deste mês. Comitiva ressalta potencial do turismo brasileiro para atração de chineses que viajam a negócios e lazer

A cada ano mais chineses vêm ao Brasil atrás de experiências culturais e ecoturismo. O interesse deles é crescente e comprovado pelas estatísticas do Ministério do Turismo. Em 2017, 61 mil estiveram no país; no ano passado foram 66 mil e a previsão é de que até 2022 esse número deva ultrapassar 90 mil. De olho nesse mercado, que movimenta US$ 250 bilhões anualmente na economia mundial, está acontecendo a missão de negócios do Brasil na China. A viagem, realizada pelo segundo ano consecutivo, é uma grande oportunidade para divulgar o potencial turístico brasileiro no continente asiático e para promover a abertura do mercado chinês.

Até o dia 20 deste mês, Embratur, Visit Iguassu, Rio Convention & Visitors Bureau e Rio Galeão estarão presentes em workshops nas cidades de Beijing e Chengdu. Nessas cidades, a comitiva irá encontrar agentes e operadores de turismo e apresentar destinos brasileiros, infraestrutura, atrativos para incentivar o incremento de fluxo desse mercado no Brasil. As organizações brasileiras também estarão presentes no estande do Brasil na ITB China, de 15 a 17 de maio, em Shanghai. A ação também contará com a participação da Secretaria Municipal de Turismo de Foz do Iguaçu, Parque das Aves e operadores brasileiros para apresentar os produtos nacionais e fechar negócios com os operadores chineses.

Por que a China?

Iguassu é um destino de destaque no mercado chinês e atualmente é um dos mais procurados da América Latina, isso porque o chinês é um turista interessado em conhecer novas culturas e explorar a natureza. Foz do Iguaçu é o terceiro destino brasileiro mais visitado pelos chineses que viajam a negócios ou a lazer, atrás apenas do Rio de Janeiro e São Paulo. Em 2017, 14.968 chineses estiveram nas Cataratas do Iguaçu; já em 2018, o atrativo recebeu um total de 18.371 visitantes da China, isso representa um crescimento de 22%. As estatísticas do Parque Nacional do Iguaçu também revelam que no primeiro trimestre deste ano, houve um acréscimo de 12% de turistas chineses, em comparação ao mesmo período do ano passado.

Com a missão, o Destino Iguassu pretende reforçar sua presença no mercado de viagens da China, com cerca de 135 milhões de viajantes. Há muito a crescer, especialmente, pelo fato do turista chinês ter como principais motivações o turismo cultural e o ecoturismo, dois fortes segmentos do Destino. Na opinião do diretor-executivo do Visit Iguassu, Basileu Tavares, esse tipo de ação proporciona grandes oportunidades de relacionamento com o mercado, bem como de alinhamento de propostas de ações a serem realizadas na China. Além disso, permite que seja realizado um trabalho de análise do comportamento, permitindo planejar melhor as estratégias de promoção no exterior e, assim, tornar o Destino Iguassu mais competitivo no cenário global. “Estamos muito animados em organizar novamente essa missão internacional, um trabalho que começou em 2018 e ganha ainda mais força em 2019, pois ele representa mais um passo em direção ao mercado chinês. Em outra ponta, temos trabalhado intensamente para diminuir a distância física, que impõe limitações, com ações para ampliar nossa conectividade e assim poder receber cada vez mais esses visitantes”, completa o diretor-executivo.

Campanha digital

Aliada à Missão China, o Instituto lança, em parceria com o RioGaleão e a Embratur, uma campanha digital inédita do Brasil no país asiático. “A ação consiste em divulgar o Brasil em diversos canais digitais, como redes sociais e sites de busca da China”, explica Basileu Tavares.

“Intensificamos a estratégia de 2018 pelos resultados significativos que ela nos apresentou. Foram 1.900 pacotes comercializados para o Brasil no ano passado. Com um detalhe importante, Foz do Iguaçu e Rio de Janeiro como os destinos mais visitados”, complementa o diretor-executivo.

O plano de ações desenvolvido no mercado chinês é específico, pois ele se diferencia de todos os outros mercados do mundo. Na China, por exemplo, Facebook e Instagram são redes sociais proibidas. “O Visit Iguassu leva em consideração todas essas especifidades e por isso sai na frente. Nossa estratégia no mercado chinês é pioneira no Brasil”, ressalta Basileu.

A campanha digital lançou peças e conteúdos do Brasil em diversas páginas e perfis relacionados a Ctrip, maior agência de viagens da China. Além disso, o Visit Iguasu mantém um site sobre o Destino Iguassu traduzido na língua chinesa e um perfil em uma das principais redes sociais do país asiático, o WeChat.

 




Deixe um comentário