Colégio Sesi Internacional - display portal

A Tríplice Fronteira, que compreende as cidades de Foz do Iguaçu (Brasil), Puerto Iguazú (Argentina) e Ciudad del Este (Paraguai), comporta uma infinidade de atrativos turísticos e de lazer. Aqui, na Tríplice Fronteira do sul, turistas do mundo todo desembarcam para contemplar as belezas inigualáveis das Cataratas do Iguaçu, uma obra divina sem comparação. Também aproveitam para conhecer a maior Usina Hidrelétrica do mundo em geração de energia, uma obra construída pelo homem. Sem contar nos demais atrativos turísticos e de lazer, tanto de natureza e aventura, quanto de experiências tecnológicas surpreendentes. Além disso, possui uma variada gastronomia que atrai o paladar. 

Cellshop Duty Free Foz
Cellshop Duty Free em Foz do Iguaçu. Uma loja que integra as belezas naturais de Foz ao turismo de compras. (Foto: Luis Centurión)

Da mesma forma, quem cruza a fronteira com destino à Argentina encontra as Cataratas do Iguazú que proporcionam uma vista íntima da famosa Garganta do Diabo. Ali os turistas também aproveitam para curtir a famosa gastronomia e claro, degustar excelentes vinhos. 

Já quem cruza a fronteira mais movimentada do país com destino ao Paraguai se depara com uma imensidão de produtos importados a preços acessíveis. E se no Paraguai o turismo de compras é forte, aqui em Foz do Iguaçu cada vez mais ele vem ganhando espaço, graças ao regime de lojas francas terrestres, os chamados duty free

“Sempre quando falamos de turismo, falamos da região, porque as três cidades se complementam. Foz com as belezas naturais, excelente gastronomia e agora o turismo de compras com a criação das lojas francas terrestres que veio para completar a região; Argentina também com belezas naturais, compras e turismo gastronômico, principalmente no segmento de vinhos, e o Paraguai pela infinidade de produtos importados, consolidado como um dos maiores destinos de turismo de compras do mundo. A região já é consolidada como um destino de lazer e as lojas francas vem para somar e consagrar a região como um destino de compras também. Os duty free completam o mix do destino.”

empresário Jorbel Jacson Griebeler, fundador da Loja de Departamentos Cellshop e do maior Free Shop do Brasil, a Cellshop Duty Free, localizada no Shopping Catuaí Palladium em Foz.
Jorbel Griebeler Cellshop Duty Free Foz
Jorbel Griebeler. (Foto: Luis Centurión)

No entanto, ainda existem poucas lojas francas em Foz do Iguaçu e a intenção é que cada vez mais os empresários entendam a importância de investir em duty free, proporcionando uma maior variedade de opções de lazer e compras e atraindo cada vez mais o turista para a Tríplice Fronteira, assim contribuindo para manter a economia girando na cidade. 

Cellshop Duty Free Foz
Detalhes da decoração interna da Cellshop Duty Free em Foz. (Foto: Luis Centurión)

“Realmente o número de turistas que viajam para a região, além de fazer as visitas contemplativas, como é o caso de Cataratas, Itaipu, Parque das Aves, e tantos outros roteiros que temos aqui, estão alinhados às compras e hoje para nossa alegria temos além do Paraguai, os duty free, que estão sem dúvida nenhuma com preços bastantes atrativos, e faz com que o turista que vem para Foz vá até as lojas francas adquirir seus bens. Então o turismo sempre esteve alinhado à compra, pois quem viaja sempre quer comprar alguma coisa. E aqui temos artigos importados de todos os lugares do mundo e isso faz com que a curiosidade do turista que deseja vir para Foz se aguce. Portanto para essa retomada estamos bastante confiantes e com a expectativa que Foz do Iguaçu deverá ter um número muito grande de turistas a partir de setembro e com um início de 2022 cheio de glórias.”

destaca confiante o presidente do Sindhotéis de Foz, Neuso Rafagnin.
Neuso Rafagnin - presidente do Sindhoteis de Foz
Neuso Rafagnin.

Formada em Jornalismo na UDC e pós-graduada em Relações Internacionais Contemporâneas na Unila, atualmente é jornalista da 100fronteiras e recentemente conquistou pela 100fronteiras o primeiro lugar no 1º Prêmio Faciap de Jornalismo.

Comentários

Deixe a sua opinião