Com a volta ao “normal” do nosso dia a dia, e próximo do final do ano, muitas pessoas decidem por viajar, mas algumas dúvidas surgem principalmente para os moradores da fronteira: as obras do aeroporto já foram concluídas? É seguro viajar de avião?

Para essas e outras dúvidas conversamos com a assessoria da Infraero, responsável pela administração do aeroporto, que esclareceu. Confira.

“As obras no Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu seguem em ritmo acelerado. No momento, a ampliação da pista de pouso e decolagem – que passará de 2.195m para 2.795m, está com 55% dos trabalhos realizados. Ao final, a nova estrutura proporcionará um incremento das cidades atendidas sem escalas a partir de Foz, com a possibilidade de voos para a América Central e Estados Unidos. O valor do contrato é de R$ 53,9 milhões e os recursos são oriundos de um convênio firmado entre a Itaipu e a Infraero.”

A Infraero informou que o planejamento que segue para a finalização da obra é no primeiro semestre de 2021. Nela está sendo feita também a expansão do pátio de aeronaves, com 56% já concluído. Isso auxiliará no aumento da capacidade em 57% de mais quatro posições de estacionamento de aeronaves comerciais.

Existem outras melhorias que estão sendo realizadas em parceria com a Itaipu, sendo a duplicação da via de acesso ao aeroporto e a implantação de ciclovia, que já estão com 80% de execução.

“Com investimento de R$ 6,14 milhões, as obras vão aprimorar a fluidez nas chegadas e saídas de veículos no terminal fronteiriço e garantir segurança aos ciclistas. Esses trabalhos devem ser finalizados neste semestre. Essas melhorias se somarão à ampliação do terminal de passageiros, inaugurada em fevereiro deste ano, e que recebeu R$ 42,4 milhões em investimentos.”

Movimentação de passageiros no Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu

Somente no mês de setembro o terminal realizou 307 operações de voos comerciais regulares e 23.972 passageiros – totalizando embarques e desembarques.

Covid-19 em Foz e a prevenção

Destacamos que a Infraero conta com uma campanha de orientação aos passageiros e funcionários da sua rede de aeroportos no combate ao coronavírus (Covid-19). Intitulada Cuide ainda + de você e dos outros, o objetivo da campanha é preparar os terminais para a circulação de pessoas, garantindo a segurança de todos. No Aeroporto de Foz, além das telas informativas e dos avisos sonoros, passageiros encontram adesivos instrutivos no momento do check-in, embarque, desembarque, nas áreas de raio-x, nas esteiras de retirada de bagagens; ao usar escadas, elevadores e longarinas; ou mesmo na entrada em estabelecimentos comerciais e praça de alimentação.

Uma dúvida que muitos passageiros têm em viagens por aeronaves são na questão da segurança, na intenção de evitar o contágio do novo coronavírus. Mas de acordo com uma pesquisa realizada pela IATA (Associação Internacional de Transportes Aéreos), a probabilidade de transmissão de Covid-19 no transporte aéreo é de baixo risco.

A pesquisa mostra que de 1,2 bilhões de passageiros que viajaram apenas 44 casos foram registrados cuja a transmissão foi associada a uma viagem de avião. “Reconhecemos que esse número pode estar subestimado, mas mesmo se 90% dos casos não fossem relatados, seria um caso para cada 2,7 milhões de viajantes. Achamos esses números extremamente reconfortantes. Além disso, a grande maioria dos casos publicados ocorreu antes da obrigatoriedade do uso de coberturas faciais a bordo”, disse o Dr. David Powell, Conselheiro Médico da IATA.

As características do design da aeronave incluem uma camada adicional de proteção, contribuindo para a baixa incidência de transmissão durante o voo, que incluem:

• Interações face a face limitadas, pois os passageiros se sentam olhando para frente e se movem lateralmente muito pouco;

 • O encosto atua como uma barreira física evitando o movimento do ar de uma fileira para outra;

• Minimização do fluxo de ar para frente e para trás, com fluxo segmentado direcionado do teto para o chão;

• Alta taxa de ar fresco que entra na cabine. O ar é trocado 20-30 vezes por hora a bordo da maioria das aeronaves, que se compara muito favoravelmente com o espaço médio de um escritório (média de 2-3 vezes por hora) ou de escolas (média de 10-15 vezes por hora);

• Uso de filtros HEPA com mais de 99,9% de taxa de eficiência na remoção de bactérias/vírus, garantindo que o ar que entra na cabine não seja uma via de penetração de micróbios.

Lembramos que a prevenção da não disseminação em larga escala da Covid-19 parte de cada um com o uso da máscara, o respeito ao distanciamento, evitar sair de casa com sintomas parecidos com a Covid-19, enfim, ações responsáveis que auxiliam em muito na utilização de transportes e locais públicos.

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião