Hoje, dia 13 de julho é o Dia Mundial do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), a data foi estabelecida para aumentar a conscientização sobre o problema que, segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), acomete 3% da população global.

De acordo com Andriane Schmiedel Fucks, Neuropsicopedagoga e diretora pedagógica da Somare, o transtorno começa a ficar evidente por meio de um trio de sintomas de base alterada, que são: alterações da atenção; impulsividade; e velocidade da atividade física e mental.

Esse transtorno, apesar de comum, ainda é envolto por preconceitos e dúvidas. De acordo com uma pesquisa publicada na Revista Brasileira de Psiquiatria, muitas pessoas que vivem com TDAH não possuem diagnóstico adequado e nem tampouco contam com suporte psicoterapêutico ou psiquiátrico.

Andriane respondeu as principais dúvidas em relação ao TDAH, veja.

TDAH
Imagem reproduzida da Internet.

Quais são os sinais do TDAH e como perceber?

Com as bases descritas acima alteradas a criança com TDAH apresentará algumas características como: déficit do comportamento inibitório e das funções executivas (como comportamentos relacionados à falta de controle), déficit de motivação para realização de tarefas, falta de um comportamento controlado por regras, prejuízo do senso crítico antes da realização do seu comportamento, busca pela recompensa imediata, dificuldade na tomada de decisão, autorregulação, dificuldade na memória de trabalho, intencionalidade e planejamento.

O TDAH é genético ou é possível passar a ter depois de adulto? O que pode causar?

O TDAH é hereditário e transmitido de uma geração a outra por vários genes. Podemos considerar também sua causa por meio de adversidades na gestação que aumentam o risco de TDAH: másaúdematerna, ameaça de abortamento, eclâmpsia (aumento da pressão arterial, convulsão e outros sintomas), pós-maturidade (fetos que nascem após a data estimada do parto), partos de longa ou muito curta duração, sofrimento fetal, hemorragia pré-parto, baixo peso ao nascimento e outras. As manifestações do TDAH sempre
têm início na infância, podendo persistir na adolescência e na vida adulta.

Como e com qual profissional fazer o tratamento? Quais os tratamentos mais comuns?

O diagnóstico e o tratamento são essenciais para o melhor desenvolvimento da criança e ele se divide em: informação/conhecimento, intervenção terapêutica e terapêutica medicamentosa.

A Somare preparou uma cartilha explicativa com todas as informações sobre o TDAH, acesse clicando aqui.



Comentários

Deixe a sua opinião