Rio Iguaçu pede socorro

1536

Fotos: Divulgação e Jean Pavão

 

Levantamento inédito realizado pela Fundação SOS Mata Atlântica mostra que a região de Foz do Iguaçu é a mais poluída.

 

Fala-se tanto sobre as belezas naturais de Foz do Iguaçu que transformam a cidade em um destino procurado por turistas que desejam estar em contato direto com a natureza. Mas como já foi abordado em outras reportagens na 100fronteiras, mesmo possuindo um bem natural tão precioso, ainda assim a ação humana coloca em risco esses recursos naturais. Atualmente quem está ameaçado é o Rio Iguaçu – um dos mais importantes do Paraná e que deságua nas Cataratas do Iguaçu.

Isso foi constatado pela Fundação SOS Mata Atlântica, que mantém grupos de monitoramento na área de cabeceira da bacia do Rio Iguaçu, na região metropolitana de Curitiba (PR). Os indicadores confirmam a percepção da sociedade e comunidades do estado do Paraná, segundo as quais o Iguaçu nasce morto e renasce no trecho das Cataratas, no interior do Parque Nacional. Porém essa análise constatou a ameaça de mudança no enquadramento do rio, que subiu da classe 2 para a classe 4 – pior qualidade de água prevista na legislação brasileira. Diante disso, a fundação organizou, com apoio de parceiros, a Expedição Rio Iguaçu.

O estudo foi realizado no período de 9 a 21 de outubro de 2018, pela Fundação SOS Mata Atlântica, por meio do projeto Observando os Rios, que percorreu 2.053 km ao longo do rio. Foi analisada em campo a qualidade da água em 21 pontos, sendo dois em afluentes do Iguaçu, nos rios Floriano e Silva Jardim. “Coletamos amostras de água nesses mesmos pontos de coleta para as análises microbiológicas e bacteriológicas em laboratório. Foram medidos parâmetros físicos, químicos, biológicos e de percepção, totalizando 19 indicadores do IQA [Índice de Qualidade da Água], de acordo com normas internacionais e brasileira, para aferição da condição de qualidade da água bruta superficial”, destaca a coordenadora do programa, Malu Ribeiro.

 

Projeto Observando os Rios 

3.600 voluntários

250 grupos de monitoramento da qualidade da água, distribuídos em 308 pontos de coleta

230 rios

17 estados da Mata Atlântica e Distrito Federal

Causas x Consequências

De acordo com o levantamento do Índice de Qualidade da Água do Rio Iguaçu, que tem como objetivo apontar a condição ambiental desse importante rio da Mata Atlântica, a água está muito contaminada, com grandes concentrações de poluentes provenientes da condição precária de saneamento básico dos municípios ribeirinhos que resulta em grandes concentrações de remanescentes de esgoto. Ou seja, essas são as causas principais da poluição do rio juntamente com o desmatamento e uso intensivo do solo para atividades agrícolas, com carreamento de sedimentos e fertilizantes para a água. As consequências dessa ação são os problemas de saúde pública e indisponibilidade de uso da água para produção de alimentos, abastecimento humano e lazer.

 

O Rio que chora

Quem vê as quedas d’água quando visita as Cataratas nem percebe o pedido de socorro emitido pelo som das cachoeiras. Isso porque o estudo revelou que a região de Foz do Iguaçu é o trecho mais contaminado, pois concentra toda a carga de poluição que o rio e seus afluentes recebem ao longo da bacia hidrográfica. “Essa condição ambiental é sazonal, ou seja, em períodos de seca, o carreamento de solos com grandes concentrações de fertilizantes e agrotóxicos diminui, e as corredeiras – principalmente as áreas protegidas, com afluentes de boa qualidade – devolvem qualidade ambiental para o rio, mas no tempo de chuvas todos os poluentes existentes na bacia hidrográfica chegam nesse trecho e se concentram na região da foz do rio”, explica Malu.

No entanto, apesar da gravidade da situação atual, pouco se faz pela preservação desse recurso natural. “O que poderá contribuir para reverter essa situação é a participação efetiva nos Comitês de Bacias Hidrográficas do Rio Iguaçu, além de definir metas de enquadramento da classe da água progressivas, impedir a adoção da classe 4, e garantir o acesso à água para usos múltiplos em toda a bacia hidrográfica. Infelizmente o Iguaçu está na UTI. Os rios brasileiros estão pedindo socorro há muito tempo”, finaliza.

“A maior preocupação de contaminação do Rio Iguaçu, no meu ponto de vista, é ambiental, onde uma das principais causas é a contaminação com agrotóxicos. Nas proximidades de Foz do Iguaçu existem regiões vulcânicas, onde as pedras ajudam a agitar a água, e essa movimentação produzida serve para purificar a água e ao mesmo tempo reter o excesso de minerais, o que dificulta parte da contaminação. No entanto, infelizmente com a mata ciliar bastante reduzida, a enxurrada traz esses resíduos pra dentro do rio, o que ocasiona a poluição.” – Francisco Amarilla, guia turístico e ambientalista




Deixe um comentário