Foto: Lilian Grellmann/100fronteiras

Após o Ministério Público acionar a Justiça para obrigar o governo estadual a decretar novas medidas de isolamento social e fechamento de comércios não essenciais para conter o avanço da pandemia de Covid-19 no Paraná, o Governador Ratinho Júnior se reuniu com o Secretário da Saúde Beto Preto e demais lideranças para anunciar as novas medidas.

Elas serão aplicadas em sete regionais de saúde que incluem Cornélio Procópio, Cianorte, Toledo, Cascavel, Foz do Iguaçu, Curitiba e região e devem ser adotadas pelas regionais de saúde dessas cidades por 14 dias a partir desta quarta-feira (1º). As medidas vão impactar quase 6,3 milhões de pessoas, em 134 cidades do Paraná.

A medida foi necessária após o estado chegar ao pior dia de pandemia, sendo que nessas últimas 24 horas o Paraná registrou 36 novas mortes e 1.536 novos casos. Além disso, a taxa de transmissão do vírus no estado está em 1,3, ou seja, a cada dez pessoas que tem Covid-19, outras 13 pessoas podem ser contaminadas com o vírus, em média.

Os dados atualizados também mostram que atualmente são 636 óbitos e 22.623 casos confirmados em várias cidades do estado, conforme o boletim de hoje (terça-feira).

Principais medidas

O Governador anunciou as principais medidas para essas cidades, que incluem:

  • suspensão dos serviços não essenciais (shoppings, galerias, comércio de rua, feiras, salões de beleza, academias, bares, casas noturnas) por 14 dias;
  • reuniões comerciais ou privadas devem ser feitas de forma virtual;
  • suspensão dos procedimentos cirúrgicos eletivos por 14 dias;
  • o transporte público poderá atender somente os funcionários dos serviços considerados essenciais, e os veículos só poderão circular conforme a quantidade de assentos;
  • também fica proibida a circulação de pessoas em vias públicas das 22h às 5h;
  • o funcionamento dos mercados ficará restrito de segunda a sábado, das 7h às 21h. O fluxo ficará limitado a 30% da capacidade total, devendo ser controlado com a distribuição de senhas. O acesso será limitado a uma pessoa da família e está proibida a entrada de menores de 12 anos;
  • fica suspenso o funcionamento de serviços de conveniência em postos de combustíveis – exceto nas rodovias;
  • restaurantes e lanchonetes poderão atender somente no sistema drive-thru, delivery ou take away (retirada no balcão);
  • a abertura de parques, praças e demais áreas coletivas ao ar livre fica a critério de cada prefeitura;
  • a fiscalização será realizada pela Polícia Militar em parceria com as Guardas Municipais, sob pena de multa em caso de descumprimento;
  • haverá barreira sanitária de controle de acesso e monitoramento de pessoas nas regiões de lockdown;
  • multa para quem não cumprir os requisitos do decreto.

De modo geral, essas determinações envolvem principalmente o setor de comércio e a redução do número de passageiros nos ônibus do transporte coletivo. “Esse decreto é mais severo. Ele pensa de forma regional para resolver problemas mais agudos, por isso ele tem uma força maior de ser uma determinação. Agora não é mais uma solução pontual da cidade e sim regional”, destacou Ratinho Júnior.