Além de incorporar à rotina as recomendações de higiene, como lavar as mãos com frequência e utilizar álcool em gel, quem enfrentou a doença precisa agora lidar com as sequelas deixadas pela infecção.

A queda de cabelo atinge aproximadamente 30% das pessoas que tiveram diagnóstico de infecção por coronavírus e pode atingir homens e mulheres.

Essa queda de cabelo é chamada de eflúvio telógeno. O organismo reage ao vírus, ao estresse causado por toda a situação, e isso acaba influenciando no ciclo capilar.

É importante começar o tratamento o quanto antes, já que os pacientes têm uma perda aguda e intensa dos fios. 

É totalmente reversível em pacientes que não apresentavam nenhum problema capilar, porém pode afetar significativamente quem já sofria algum dano. 

O ciclo de vida de cada fio é marcado por fases de crescimento, repouso e queda. Por isso, uma pessoa saudável pode perder entre 50 e 100 fios de cabelo todos os dias, sem risco de desenvolver calvície.

Com os tratamentos para alopecia é possível:

  • estimular o crescimento dos fios;
  • fortalecer os fios de cabelo, deixando-os mais espessos;
  • promover a hidratação profunda para revitalização dos fios;
  • diminuir a queda dos fios de cabelo; e
  • amenizar e/ou reverter a alopecia.

Entre os tratamentos existentes, eles podem ser administrados via oral ou aplicados no local.

Na clínica, desenvolvemos o protocolo New Hair!

São realizados laser Lavieen, microagulhamento, laserterapia, carboxiterapia, alta frequência, intradermoterapia e suplementação oral.

Independentemente se for sequela pós-covid-19 ou não, esse tipo de tratamento vai melhorar as condições do seu cabelo.

Biomédica Esteta | ᴄʀʙᴍ 0892 | Membro da SBBME

Diálogos 100fronteiras

Deixe a sua opinião