Colégio Sesi Internacional - display portal

A hérnia de disco intervertebral é uma complicação muito corriqueira na espécie humana.

Todavia, ela não é a única a ser acometida por esse mal.

Os cães, todavia, podem também, serem contaminados por essa doença.

O que causa hérnia nos cães?

Essa doença, tem suas causas na compressão do canal medular por problemas nos discos intervertebrais, uma espécie de almofada existente entre as vértebras da coluna espinhal. 

Para isso, pode-se ocorrer naturalmente em algumas raças como os dachshunds (os “cofaps”, como são conhecidos).

Nesses animais que têm a coluna mais alongada, a hérnia de disco é um problema comum. Todavia alguns animais podem desenvolver a hérnia de disco em decorrência de exercícios severos ou traumas.

Os primeiros sinais da hérnia de disco intervertebral estão associados a dor.

Os pacientes se tornam menos ativos, evitam exercícios e sentem dor quando são tocados no ponto da hérnia. 

Médico veterinário Paulo Henrique da Silva

Em alguns casos mais graves, o paciente pode perder os movimentos de membros e até de todo o corpo se a hérnia ocorrer nas vértebras do pescoço.

No entanto, o local mais comum de aparecimento desse problema é a região lombar. 

Quais raças podem sofrer de hérnia?

Qualquer raça de cão pode sofrer com esse mal, mas há um fator predisponente muito importante: a obesidade.

É muito importante então que cães de raças mais predispostas, como os dachshunds, tenham um controle de peso rígido.

Uma boa nutrição, com uma ração de boa qualidade, também ajuda a manter as estruturas ósseas e as cartilagens mais fortes.

Exercícios físicos moderados e rotineiros ajudam a fortificar as articulações e os ligamentos, diminuindo os riscos. 

O tratamento pode ser medicamentoso, com controle da dor e repouso absoluto por duas a três semanas.

Mas, dependendo do grau de compressão da medula espinhal, o paciente talvez tenha de ser operado para a descompressão do canal medular.

Nessas ocasiões, o risco aumenta.

Visa-se a complicação na contenção correta.

Sendo assim fica mais complexo para se te um pós-operatório de maneira ideal.

Mesmo assim, os tratamentos veterinários disponíveis podem melhorar sensivelmente a qualidade de vida dos nossos queridos amigos.

Paulo Henrique da Silva

Graduado em Medicina Veterinária pela Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1991). Mestre em Ciência Animal pela Universidade do Oeste Paulista (2013), Especialista em Clínica Médica e Cirúrgica em Cães e Gatos pela Universidade Federal do Paraná – Campus Palotina(2008) e em Marketing e Propaganda pela Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Cascavel (1999). Professor Celetista no Centro Universitário Dinâmica das Cataratas nas disciplinas de Patologia Clínica Veterinária e Anestesiologia Veterinária (2012-2016). Pós-graduando em Gestão Empresarial pela FGV. Atualmente trabalha como Clínico e Cirurgião Geral na PetBrazil Clínica Veterinária em Foz do Iguaçu-PR. Desenvolve atividades de Responsabilidade Técnica e manejo de cães de detecção em vários estados do Brasil. Tem experiência na rotina de atendimento de cães e gatos há 28 anos ininterruptos.

Comentários

Deixe a sua opinião