Olá, hermano! Tudo bien? Patrón, qué desea?

E você já escutou uma conversa como esta? Ou já viu um cartaz como o da foto? Entre trocas de le(I)nguas e expressões, moradores de fronte(I)ra, sabemos bem sobre esta “nossa” lengua.

O portunhol é nomeado, caracterizado desde muitas perspectivas. Nomear o portunhol é importante, me parece, porque ele forma parte de nossa identidade fronteiriça, ao final: como você se comunica com “los hermanos”?

Assim, para mim, o portunhol pode ser definido desde nossa identidade de fronteira como a língua das relações, das comunicações e dos afetos. Ela nos identifica no espaço de fronteira, quando queremos nos comunicar ou até quando queremos falar dos afetos.

Ela é questionada enquanto língua, pois é livre, sem normas, sem gramática e nem padrões. Na verdade, o portunhol diz sobre uma identidade de fronte(I)ra, mas também de migrações e de laços de afeto. Eu sou argentina, moro no Brasil há vinte anos e sou fronteriza, posso falar que o portunhol me define, pois vivo entre as línguas e entre as culturas que transitam na fronteira.

Douglas Diegues, poeta, escritor, disse que o “portunhol é um solzinho escondido dentro da gente”; essa definição o deixa mais pertinho da língua dos afetos, pois ao final quando pensamos em portunhol não pensamos apenas na troca de palavras ou em algumas expressões, pensamos nas amizades, nos amores, nas relações, no que está próximo ou distante.

O portunhol não é representado por palavras, senão pelas dinâmicas da fronteira, deste nosso lugar que nos identifica e nos faz sentir únicos para brincar com as línguas. Quando cheguei a Foz do Iguaçu gostava de perguntar para as pessoas como se identificam ou se sabiam falar espanhol ou guarani, muitos me responderam que os identificava um lugar único permeado pelas águas e que só sabiam falar “un poquito” e o portunhol é nosso!

As diversas l(E)ínguas desta fronteira são ouvidas no supermercado, na escola, na universidade, nas ruas, nas festas, no turismo, e essa é a dinâmica de nuestras lenguas en nuestra frontera. Você já inventou alguma palavra misturando as línguas? Conte para a gente!

Jorgelina Tallei

É Doutora em Educação (FaE) pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Possui Licenciatura em Letras pela Universidad Nacional de Rosario (2003), Mestrado em Letras - Língua Espanhola e Literatura Espanhola e Hispano-Americana pela Universidade de São Paulo (2010) e Mestrado Profissionalizante na Área de Novas Tecnologias, pelo Instituto Universitario de Posgrado (Espanha). Atualmente é Professora de Língua Espanhola como língua adicional na Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA) no Ciclo Comum de Estudos. Tem interesse nas áreas de ensino de espanhol, fronteira e interculturalidade e línguas em contato.

Comentários

Deixe a sua opinião