banner-foz-itaipu-foz

Que a medicina vem passando por grandes transformações isso todo mundo sabe. No entanto as pessoas também precisam transformar seus comportamentos e começar a prestar atenção na importância da prevenção contra doenças.

Atualmente a medicina moderna busca focar no tratamento da pessoa, não da doença. Em outras palavras, estudos laboratoriais trabalham com o DNA humano para identificar as propensões a doenças e assim trabalhar na prevenção delas no tempo certo. Essa tecnologia abrange quatro grandes áreas:

– Preditiva: que identifica o risco e a resposta ao tratamento.

– Preventiva: que permite a intervenção precoce, prevenindo a doença.

– Personalizada: ligada ao perfil genético da pessoa e da enfermidade.

– Participativa: o paciente fica por dentro das decisões sobre a prevenção e o tratamento.

De acordo com uma matéria publicada no Viva Bem pelo site UOL, “novos tratamentos já agem de forma mais precisa e personalizada, como os imuno-oncológicos e as terapias-alvo, mas entre as maiores contribuições das pesquisas em genética destaca-se o surgimento da Medicina Personalizada (MP), uma abordagem médica que usa informações moleculares para identificar, prevenir, diagnosticar e tratar doenças”.

17 MIL

AVCs seriam evitados por ano nos EUA se fossem realizados testes genéticos para aplicar a dose correta de anticoagulante varfarina.

US$ 604 MILHÕES

Seriam poupados anualmente se pacientes com câncer colorretal metastático fizessem teste para o gene KRAS antes do tratamento.

34%

Seria o índice de redução do uso de quimioterapia se portadores de câncer de mama fizessem um teste genético antes de iniciar o tratamento nos EUA.

35%

É a média dos pacientes que, sem diagnóstico para a sua doença, conseguem uma resposta após testes genéticos.

35 MILHÕES

De amostras de DNA de voluntários podem ser armazenadas no biobanco da All of US, iniciativa de Medicina de Precisão dos EUA.

10 TERABYTES

De dados são gerados por dia com os sequenciamentos de DNA do England Genomics, iniciativa do Reino Unido.

Fonte: Personalized Medicine Coalition

Aqui na região já existe esse tipo de tratamento. O Dr. Humberto Ferreira, médico especialista em Clínica Médica com pós-graduação em Medicina Estética e Ortomolecular, trabalha na prevenção das doenças focando no paciente. “Ao fazermos isso, não quer dizer que o modo ‘tradicional’ de medicina esteja errado, ele só está sendo mal aplicado, pois quem nos procura não é a doença, e sim o doente, que é um ser humano, sensível a tudo e a todos. Logo, tratar o ser humano como um todo deveria ser, desde os primórdios, a verdadeira medicina”, explica.

Em sua clínica, em Ciudad del Este, o médico realiza os testes genéticos para diversos fins, como para avaliação das características e propriedades da pele; para avaliar o desempenho esportivo; para avaliar a propensão ao acúmulo de gordura, ganho de massa muscular e resposta ao exercício; e para avaliar o metabolismo e direcionar na elaboração de dietas.

Ele ainda destaca que a medicina está sempre modernizando-se e que a integrativa é uma das principais áreas em crescimento. “É a integração de várias áreas da saúde em prol de otimizar o ser humano, desde tratamentos alopáticos, passando pelas desintoxicações e chegando no equilíbrio metabólico e hormonal, garantindo ao indivíduo saúde e qualidade de vida e acrescentando principalmente dias aos seus anos.”

Já para os cuidados da pele também existem atualmente muitos recursos que visam à prevenção. A biomédica esteta Tassiane Ortega informa que está sempre atenta aos relatos dos pacientes, dessa forma montando um tratamento totalmente personalizado para eles.

“É importante ressaltar que um tratamento obtém resultados mais satisfatórios quando vistos de maneira global, promovendo a saúde e evidenciando a beleza de cada um, sem padronizar protocolos. A maioria dos tratamentos na estética atualmente segue a tendência mundial de prevenir o envelhecimento, como os bioestimuladores de colágeno, que não têm o objetivo de modificar a face do paciente, mas sim de prolongar ou restaurar a jovialidade de uma forma natural”, ressalta a doutora.

“Como profissional da área da saúde, vejo que devemos nos preocupar com o paciente integralmente; apesar da minha habilitação ser em estética, é essencial que ao realizar o atendimento eu possa identificar os problemas e direcionar os pacientes aos profissionais corretos, para que haja prevenção de problemas futuros.” – Tassiane Ortega

No entanto, apesar de estar cada vez mais em alta, na prática a medicina personalizada ainda é pouco utilizada, seja por falta de informação das pessoas ou por limitação aos tratamentos nos quais ela é utilizada, como é o caso da oncologia, na qual a medicina preventiva é mais focada nos casos de câncer de mama, pulmão e de pele. Esses tratamentos também não estão disponíveis para o SUS, o que restringe muito quem pode utilizar-se dessa tecnologia.

“A revolução verdadeira vai acontecer quando o indivíduo buscar o médico não para ‘remediar’, e sim para prevenir o aparecimento de doenças. Logo, não somente quando doente ou para descobrir se está doente, e sim para manter-se saudável por muito mais tempo”, destaca o Dr. Humberto.

Enquanto isso, sonhamos com um mundo livre de doenças e com pessoas mais saudáveis, conscientes e felizes.

 

Patrícia Buche

Formada em Jornalismo na UDC e pós-graduada em Relações Internacionais Contemporâneas na Unila, atualmente é jornalista da 100fronteiras e recentemente conquistou pela 100fronteiras o primeiro lugar no 1º Prêmio Faciap de Jornalismo.

Diálogos 100fronteiras

Deixe a sua opinião