O medo do pet é uma emoção normal que protege contra o perigo.

O medo, de leve a moderado, de barulhos altos e inesperados é comum em animais, e a habituação aos foguetes é esperada, mas a fobia, o medo excessivo, pode deflagrar uma resposta de ansiedade leve em alguns animais, podendo chegar à histeria em outros.

Nestes, os sinais são evidentes como taquicardia, tremor, salivação, diarreia, auto traumatismo, dilatação das pupilas, respiração, tentativa de fuga, vocalização, respiração ofegante, entre outros.

Vários fatores podem estar envolvidos nesses comportamentos, como a sensibilidade auditiva de alguns animais, a exposição inadequada a barulhos durante o desenvolvimento inicial da vida do filhote, uma experiência traumática ou aversiva com os fogos de artifício, e o comportamento aprendido relacionado à reação do tutor.

Neste caso, quando o tutor tenta confortar o animal levemente ansioso, isso pode ser mal interpretado pelo cão e encorajar padrões comportamentais de ansiedade.

Por outro lado, se o tutor pune o animal ansioso, o medo pode aumentar.

A melhor forma de lidar com esse problema é evitar expor o animal àqueles eventos. Se isso não for possível, forneça uma área que seja à prova de sons, para que ele se refugie durante a queima de fogos.

Crie um som de fundo (músicas em aparelho sonoro) para mascarar o barulho alto dos estouros. Procure evitar deixar o animal sozinho durante os eventos previstos, e não deixe nunca o animal fora de casa, pois ele poderá automutilar-se.

Evite fechar o animal em ambientes muito pequenos, porque tentativas de fuga poderão lesioná-lo.

O trabalho com treinadores qualificados (dog handler) pode ajudar com técnicas de modificação comportamental e dessensibilização.

Também o uso de drogas que reduzem a ansiedade pode ser uma alternativa pontual. Nesse caso, o médico-veterinário deve avaliar o paciente para a prescrição correta da medicação ideal.

Paulo Henrique da Silva

Graduado em Medicina Veterinária pela Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1991). Mestre em Ciência Animal pela Universidade do Oeste Paulista (2013), Especialista em Clínica Médica e Cirúrgica em Cães e Gatos pela Universidade Federal do Paraná – Campus Palotina(2008) e em Marketing e Propaganda pela Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Cascavel (1999). Professor Celetista no Centro Universitário Dinâmica das Cataratas nas disciplinas de Patologia Clínica Veterinária e Anestesiologia Veterinária (2012-2016). Pós-graduando em Gestão Empresarial pela FGV. Atualmente trabalha como Clínico e Cirurgião Geral na PetBrazil Clínica Veterinária em Foz do Iguaçu-PR. Desenvolve atividades de Responsabilidade Técnica e manejo de cães de detecção em vários estados do Brasil. Tem experiência na rotina de atendimento de cães e gatos há 28 anos ininterruptos.

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião