Doar sangue é um ato de solidariedade humana. Uma atitude que pode salvar a vida de até quatro pessoas.

Não há prejuízo nem risco para saúde em doar sangue. Após uma doação, o organismo repõe o volume de sangue rapidamente, em 24 horas. Até adolescentes podem  fazer doação, se cumprirem os requisitos básicos e tiverem  autorização dos pais ou responsáveis.

A doação não engorda nem emagrece e nem apresenta risco de contágio de doenças, pois todo o material utilizado é descartável, não havendo contato com sangue de outra pessoa. Todavia, portadores de Hepatite B, Hepatite C, Doença de Chagas, Sífilis, AIDS (HIV), HTLV são impedidos de doar.

Doação de sangue
Imagem reproduzida da Internet.

Doar é um processo rápido e simples. A primeira doação necessita em torno de  duas horas. As seguintes, não mais de 60 a 75 minutos.

Pode doar sangue qualquer pessoa em boas condições de saúde, que tenha entre 16 e 69 anos e que tenha um peso mínimo de 50 quilos. Além disso, o doador deve estar  descansado e ter dormido por pelo menos 6 horas no último dia.

Também deve estar bem alimentado, não ter ingerido alimentos gordurosos nas 4 horas anteriores, nem ter ingerido bebidas alcoólicas nas últimas 12 horas.

O intervalo entre as doações deve ser de pelo menos 60 dias para os homens e 90 dias para as mulheres. Não se deve ultrapassar 4 doações no período de um ano. E o doador precisa se identificar corretamente mediante documento de identidade original.

Dia 14 de junho é o Dia Mundial do Doador de Sangue. O objetivo é homenagear a todos os doadores de sangue e conscientizar os não-doadores sobre a importância deste ato que salva tantas vidas.

O dia escolhido é em homenagem ao nascimento de Karl Landsteiner (14 de junho de 1868), o imunologista austríaco que descobriu o fator Rh e várias outras diferenças e características entre os diversos tipos sanguíneos, o que permite o transplante deste órgão líquido de uma pessoa para outra.

Receber sangue não é comer sangue, por isso não há reais contra-indicações    bíblicas. Trata-se de um implante de tecido líquido, da mesma forma que existem transplantes de outros órgãos (como coração, fígado, rim e medula).  

Antoninho Ricardo Sabbi

Membro emérito da Sociedade Brasileira de Cancerologia e Mastologia. CRMPR-7093.

Comentários

Deixe a sua opinião