O engenheiro de aplicação da General Eletric (GE), Aurélio Gentilini, esteve na última semana no Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR) realizando uma série de testes utilizando a tecnologia RTDS (“Real Time Digital Simulator”) – uma plataforma digital de simulação de sistemas elétricos em tempo real.

As simulações realizadas servem como uma espécie de “homologação” dos equipamentos elétricos da GE para clientes brasileiros. Neste caso, foram realizados testes de localização de faltas, em uma barra de 230 kV, de uma subestação da Companhia Energética de Minas Gerais S.A (CEMIG).

“Esses testes, utilizando o RTDS, tem como objetivo comprovar para a Cemig que nosso equipamento (um relé de proteção B90) atende os requisitos da Companhia, garantindo o funcionamento em qualquer situação”, explicou Aurélio.

Na prática, significa que em caso de algum tipo de falha na subestação da Cemig – como um curto circuito, por exemplo –, a manutenção aconteça de forma pontual na área “e não precise apagar o Estado inteiro. O que a gente chama de seletividade”, completou o engenheiro.

Ainda de acordo com Aurélio, a escolha pelo RTDS – localizado no Centro de Competência Automação e Simulação de Sistema elétricos (AS.DT) do Parque Tecnológico – é baseada na estrutura robusta da plataforma, adaptação ao idioma local e equipe profissional altamente capacitada para prestação de suporte necessário.

Tecnologia RTDS

Formada por seis racks que medem juntos quatro metros de comprimento por dois de altura, O RTDS é um computador industrial com elevado poder de processamento, capaz de reproduzir as condições reais de operação de sistemas e equipamentos elétricos.

Em resumo, o RTDS possibilita testes em equipamentos físicos de sistemas elétricos antes de serem colocados em funcionamento. Desta forma, há possibilidade de verificar as condições de operação, identificar possíveis falhas e corrigi-las.

O RTDS com a capacidade existente no PTI é uma exceção no Brasil e gera resultados precisos e confiáveis. Apenas algumas universidades e empresas do País contam com um equipamento semelhante, mesmo assim em versões reduzida. O aparelho foi adquirido para atender as demandas de Itaipu, porém, quando não demandado pela usina, é disponibilizado para a comunidade acadêmica e empresas privadas. Desde 2010 a equipe do AS.DT realiza ensaios, testes e simulações utilizando a plataforma RTDS para empresas do setor elétrico.

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião