app-pti
Foto: Assessoria.

A fim de colocar em prática uma antiga ideia, o Núcleo de Inovação Ciência e Tecnologia (NICT) da Gastroclínica Cascavel, no Paraná, inscreveu-se na segunda edição do Desafio Inova Oeste, promovido pelo Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), e o resultado dessa parceria foi a criação de uma plataforma de gestão de núcleos de ostomizados.

O sistema é em formato de aplicativo para smartphone.

Os núcleos de ostomizados são locais físicos compostos por profissionais voluntários ou profissionais de órgãos públicos, que juntos têm o propósito de orientar e apoiar pacientes ostomizados.

Geralmente o espaço é composto pela equipe de enfermagem, assistente social, fonoaudiólogos, psicólogos, médicos e demais profissionais que abraçam a temática.

Junto com a Gastroclínica Cascavel, à frente deste projeto, está o Núcleo Regional dos Ostomizados do Oeste do Paraná, referência nacional em modelo de gestão.

O aplicativo Ostomiza foi criado com o objetivo de automatizar a gestão de núcleos de ostomizados, por meio de um sistema criado em formato de aplicativo de celular.

Seu público-alvo são os núcleos que cuidam de pacientes que passaram pelo processo de ostomia ── intervenção cirúrgica que permite criar uma comunicação entre um órgão interno do corpo humano e o exterior.

Este procedimento tem salvado vidas e melhorado a saúde de milhares de brasileiros.

Todo brasileiro tem o direito de receber os materiais do ostoma, após a cirurgia, fornecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas isso não garante que as pessoas vão receber o material ideal, ou muito menos informações sobre como manipulá-los.

Assim, surge o Ostomiza, um aplicativo voltado aos administradores dos núcleos de ostomizados, que dispõe de informações técnicas, jurídicas, entre outras, sobre o assunto. A ideia é que o modelo do Núcleo do Paraná seja replicado por todo o país.

Com o apoio técnico do PTI-BR, o aplicativo foi desenvolvido para facilitar e apoiar municípios que estão construindo seus núcleos e buscam um norte a seguir na fase de implementação.

Ao montar o núcleo, o gestor adquire o Ostomiza, e recebe ali todas as informações de como deve funcionar o espaço: recursos humanos, estratégias de marketing, administração do núcleo e demais questões sobre o trato com os pacientes.

Todas as informações são baseadas na experiência do case de sucesso de Cascavel, o Núcleo Regional dos Ostomizados do Oeste do Paraná.

A partir da existência física do núcleo, este adquire o Ostomiza para aprender a efetivamente colocar o espaço em funcionamento.

O Ostomiza não é diretamente ligado ao usuário final, ou seja, o paciente ostomizado, mas sim, seus núcleos: prefeituras, hospitais, e demais instituições interessadas.

Após a aquisição do aplicativo por parte do núcleo, os usuários serão vinculados a ele e poderão baixá-lo para sua utilização.

Portando um smartphone, é possível acessar informações sobre o assunto, dicas com cuidados adequados no período pós-cirúrgico, contato de profissionais da saúde, orientações com foco na melhoria da qualidade de vida do paciente e familiares no que condiz à reintegração social, econômica e o exercício de seus direitos, além de uma galeria de vídeos que demonstram como executar a manutenção do ostoma.

Para o diretor de negócios e inovação do PTI, Rodrigo Regis, é de extrema importância o desenvolvimento de projetos inovadores com o foco na qualidade de vida da sociedade.

“A inovação deve ser focada no usuário e em clientes finais, levando sempre a possibilidades de novas experiências. E neste caso, quanto maior o impacto positivo para a qualidade de vida do cliente, maior a possibilidade de escalabilidade e sucesso dessa solução”.

A gerente de projetos do NICT da Gastroclínica, Aline Ducatti, comenta sobre o foco do projeto.

“Nossa meta com o Ostomiza é fornecer um sistema de gestão ágil e específico para esta área de atendimento da saúde, além de gerar receitas oriundas da comercialização da solução, possibilitando a manutenção da qualificação das pessoas que realizam as atividades de atendimento a ostomizados, e fazer com que diversas famílias tenham suas vidas melhoradas e seu retorno às atividades diárias normais, buscando reintegrar essas pessoas à sociedade”.

Com a participação do Parque Tecnológico, os profissionais à frente do app receberam treinamentos, mentorias, auxílio em planos de negócios e de marketing, além de todo apoio no desenvolvimento do aplicativo.

Atualmente o Ostomiza está nas etapas finais de validação e ajustes de formatação.

O aplicativo será disponibilizado para sistemas Android e iOs, mediante aquisição dos núcleos.

Comentários

Deixe a sua opinião