Colégio Sesi Internacional - display portal

World News Day

 
Esta história, publicada pela primeira vez por El Sol de México, foi compartilhada como parte do Dia Mundial das Notícias de 2021, uma campanha global para destacar o papel crítico do jornalismo baseado em fatos no fornecimento de notícias e informações confiáveis ​​a serviço da humanidade. #JournalismMatters. 

Embora durante anos o ser humano tenha promovido a reciclagem como uma ação que propõe uma solução para os impactos negativos no planeta causados ​​pelos resíduos, essa premissa pode ser diferente da realidade.

A reciclagem pode ser vista como um dever do cidadão para neutralizar nossa pegada no planeta. Embora isso não seja uma mentira, organizações ambientais como o Greenpeace afirmam que é, como se diz coloquialmente, cobrir o sol com a peneira.

This story also appeared in El Sol de México

Em seu relatório Reciclar: a falácia da indústria no combate à poluição do plástico, a ONG ressaltou que a solução não é apenas reciclar, pois, além disso, a sociedade como um todo deve reduzir a produção e o consumo de plásticos a partir de um único uso. Também acusa grandes indústrias de fugir de suas responsabilidades e lucrar com a reciclagem.

“As empresas nos dizem que reciclar é a melhor forma de contribuirmos com a preservação do meio ambiente, mas na realidade não nos contam todas as informações que sabem sobre isso”, explica a entidade.

Em 2018, o Fórum Econômico Mundial e a Fundação Ellen MacArthur declararam no relatório The New Plastics Economy que as empresas poderiam recuperar entre US $ 80 bilhões e US $ 120 bilhões reciclando, em vez de descartar os plásticos que produzem.

“Sob o argumento de que assim contribuem para o cuidado do meio ambiente, as empresas iniciaram grandes campanhas em prol da reciclagem e decidiram fazer um negócio de sua responsabilidade”, disse o Greenpeace, insistindo que a verdadeira solução é parar de produzir plásticos e desenvolver tecnologias para gerar materiais menos poluentes.

De acordo com a organização, ao longo da história menos de 10 por cento do plástico produzido mundialmente foi reciclado, o que obviamente não atende à atual emergência do plástico, já que se estima que até 12,7 milhões de toneladas de plástico entram no oceano a cada ano, o “equivalente a um caminhão cheio de resíduos desse material que é despejado no litoral a cada minuto”.

Créditos: Alejandro Aguilar

Além disso, o relatório destaca a pouca infraestrutura para processos adequados que o México possui, em particular. Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente e Recursos Naturais, até 2016 existiam no México 30 unidades de separação de resíduos em 13 estados da República, quatro britagens, 13 compactações, 13 compostagem e cinco biodigestões. Tudo isso, segundo o Greenpeace, é “insuficiente” para o nível de lixo gerado diariamente.

Da mesma forma, o documento garante o que talvez não seja tão óbvio: nem todo plástico é reciclável, pois em alguns casos são necessários processos químicos caros e mais poluentes para seu reaproveitamento, como é o caso dos recipientes coloridos ou serigrafados, tubos de pasta de dente, isqueiros descartáveis ​​ou sacos para fritar, entre outros.

Qual é, então, uma solução real?

Na recente Cúpula Mundial dos Oceanos, realizada em março de 2018, foi enfatizado que os oceanos não têm tempo para esperar por soluções de longo prazo, portanto, a eliminação de plásticos descartáveis ​​parece uma solução mais eficaz.

“Infelizmente, em vez de procurar eliminar seu uso, a inovação da indústria está focada em novas maneiras de coletar e reciclar o plástico para dar a ele uma nova utilidade. Segundo eles, ‘se o plástico é reciclado, não é mais descartável’”, disse o Greenpeace.

O relatório apontou que o plástico é o resíduo sólido que mais cresceu, passando de 1,38 milhão de toneladas em 2001 para 4,58 milhões em 2012, ou seja, registrou um aumento de 232,4%.

Em vez de reciclar, as empresas poderiam começar a reduzir a produção de embalagens plásticas, propõe o relatório. Além disso, preconiza a inovação de modelos de negócios que não sejam plásticos na produção e distribuição de seus produtos, bem como a escolha de rótulos e apresentações que não tornem o plástico um material inútil para a reciclagem.

MÉXICO, D.F., 16AGOSTO2015.- Personal de la delegación Cuauhtémoc como parte de la Feria ambiental que realizan realizó el “Plastianguis” en la Alameja de Santa Maria la Ribera el cual busca fomentar la cultura del reciclaje. FOTO: ENRIQUE ORDÓÑEZ /CUARTOSCURO.COM

Tudo isso teria impacto na economia das grandes corporações, uma vez que envolve a contratação de pessoal para esse setor, mas indica que o exposto se tornou o argumento perfeito para não ceder à transição.

Enquanto isso, segundo dados do Greenpeace, o equivalente a uma tonelada de lixo cai no mar a cada minuto, o que “mata cem mil mamíferos e um milhão de aves marinhas anualmente” devido à ingestão de plásticos. “Outros morrem de emaranhamento, sufocação, estrangulamento ou desnutrição por causa desses resíduos”, disse ele.

Isso adiciona mais uma consequência à lista: o declínio do turismo. A presença de lixo no mar pode desestimular o turismo, o que por sua vez resulta em perda de renda e empregos, segundo a ONU.

Sem legislação

Em 2016, o Instituto Nacional de Estatística e Geografia (Inegi) informou que dos 2.458 municípios e prefeitos do país, apenas 77 (3,13%) possuíam centros de coleta seletiva (1.060 centros), que capturavam apenas 0,03% dos 40 milhões de toneladas de resíduos sólidos recuperáveis​​(plásticos, metais, vidro, papel entre outros), para os quais se concluiu que a capacidade de reciclagem do país é de apenas 6,07%, que se concentra principalmente na Cidade do México.

Existem atualmente 25 entidades que legislaram para proibir os plásticos de uso único. Na maioria dos casos, a Lei já foi aprovada; Porém, dadas as restrições, lojas e restaurantes têm procurado encontrar materiais que substituam os descartáveis ​​de forma mais amigável com o planeta, embora isso muitas vezes seja contraproducente.

Por exemplo, o Greenpeace observa que os plásticos de base biológica são parcialmente feitos de material vegetal, como milho ou cana-de-açúcar, mas o resto de sua composição ainda é de base fóssil. Situação semelhante ocorre com os materiais biodegradáveis, que requerem condições específicas de calor e umidade para se degradar, inexistentes na natureza, para que não desapareçam automaticamente. Da mesma forma, os plásticos compostáveis ​​não podem ser compostados em casa, pois são projetados para se decompor em certas condições que ocorrem exclusivamente em instalações de compostagem industriais.

Mas cuidado, não pare de reciclar

Embora apenas 10 por cento da produção total de plásticos no mundo tenha sido reciclada, enquanto as proibições aos plásticos descartáveis ​​não forem uma realidade e as grandes empresas não inovarem na produção de artigos, a reciclagem continua sendo uma opção para neutralizar o meio ambiente impacto da epidemia do plástico.

O fato de separar adequadamente os resíduos permitirá que sejam concebidos como subprodutos do consumo que podem retornar a novas cadeias produtivas.

Muitos deles têm grande valor comercial no mercado de reciclagem: como garrafas de água e outras bebidas (tereftalato de polietileno ou PET), garrafas plásticas opacas (polietileno de alta densidade ou PEAD), papel, papelão, vidro, recipientes multilaminados (tetrapak) e latas.

Créditos: Crisanta Espinosa

Agora sim, então o que fazer com o desperdício? A chave é, segundo Patagonia, uma marca que ensina a consertar a roupa de casa, nos cinco Rs: rejeitar, reduzir, reaproveitar, reciclar e reintegrar, justamente na ordem que o movimento do desperdício zero ditou.

“Você rejeita o que você não precisa, reduz o consumo do que você não pode reaproveitar, reaproveita o que você não pode rejeitar ou reduzir, recicla o que você não pode rejeitar, reduz ou reutiliza e, finalmente, você reintegra o que você pode fazer como composto (orgânico resíduos)”, disse a Patagonia em um comunicado.

Com o exposto, o que se propõe é a adoção de uma economia circular, ou seja, substituir o processo linear de extração, uso e disposição dos recursos por outro que preserve as riquezas materiais.

Esse modelo foi definido pela Ellen MacArthur Foundation como um “sistema regenerativo e restaurador que busca manter produtos, componentes e materiais em seu mais alto valor, por meio do uso eficaz dos recursos e da preservação do capital natural”.

A economia circular visa a valorização e reciclagem de matérias-primas, a utilização de energias renováveis ​​e sugere como opção o aluguer de bens em vez da sua compra, tudo para reduzir o impacto ambiental.

Faça você mesmo

Existem outras opções que também envolvem um processo de reciclagem, como por exemplo o já famoso Do It Yourself (DIY), também conhecido como “faça você mesmo”.

Segundo a Patagonia, o DIY é uma forma de contrariar o consumismo e reduzir o desperdício.“Basicamente, DIY se traduz em ‘faça você mesmo ou você mesmo’. Uma definição simples do conceito é a criação, modificação ou reparo de objetos sem o auxílio de um especialista ou através da produção industrial”, garantiu.

Como explica a Patagonia, essa alternativa tem suas origens no movimento punk dos anos 70 do século passado, e se baseava na confecção autônoma da roupa, na autogestão e na intervenção de publicações e imagens.

Créditos: Roberto Hernández

O DIY abrange muitos aspectos: desde pequenos reparos em casa, até a autopublicação de revistas ou gazetas, ou a montagem de novos aparelhos eletrônicos com componentes de aparelhos antigos, entre outras alternativas.

“O ‘Faça Você Mesmo’ envolve o exercício de criatividade e destreza manual para criar novos objetos a partir de outros, cuja vida útil já se encerrou”, afirma a marca.

Por fim, afirmou que a técnica do “faça você mesmo” é uma opção para levar uma vida “em sintonia com o cuidado com o meio ambiente”. Além disso, “ajuda você a exercitar sua imaginação, sua criatividade, clarear sua mente e é uma excelente maneira de se sentir útil.”

Comentários

1 Comentário

Deixe a sua opinião

  1. Matéria bem interessante, mas seria ainda mais se os dados fossem referentes a nossa realidade, brasileira! Inclusive algo regional, aqui de Foz seria incrível! Por quais processos passam o lixo reciclado coletado em nossa cidade?