Colégio Sesi Internacional - display portal

World News Day

Esta história, publicada pela primeira vez por El Sol de México, foi compartilhada como parte do Dia Mundial das Notícias de 2021, uma campanha global para destacar o papel crítico do jornalismo baseado em fatos no fornecimento de notícias e informações confiáveis ​​a serviço da humanidade. #JournalismMatters

O México tem potencial econômico para arrecadar cerca de US $ 1,2 bilhão por ano “reciclando” 1,2 milhão de toneladas que gera a cada ano de lixo eletrônico, segundo estimativas do Ministério do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Semarnat).

Embora esse número pareça positivo, devido à grande quantidade de recursos citados, o negativo é a enorme geração de lixo eletrônico que o país está produzindo e que vem de computadores, celulares, telas, geladeiras, tablets e outros aparelhos que as pessoas descartam de.

This story also appeared in El Sol de México

Em entrevista ao El Sol de México, Ricardo Ortiz Conde, diretor geral de Gestão Integral de Materiais e Atividades de Risco da Semarnat, comentou que o México é a terceira nação do continente americano que mais gera toneladas de lixo eletrônico por ano, com 1,2 milhão toneladas.

O primeiro lugar é ocupado pelos Estados Unidos, com quase sete milhões de toneladas por ano, enquanto o Brasil está em segundo lugar, com 2,1 milhões de toneladas, segundo Ortiz Conde.

La ZMVM alberga 25 empresas dedicadas al reciclaje, 16% de la capacidad nacional instalada. EFE/SOLO USO EDITORIAL

Os motivos de haver tanto lixo desse tipo são diversos, desde pessoas que descartam ou substituem seus componentes por considerá-los obsoletos, até empresas que não possuem um protocolo de gerenciamento de resíduos adequado.

Todos esses resíduos acabam em grandes aterros ou depósitos de resíduos, embora seja aqui que está a verdadeira mina de ouro.

O outro lado da moeda é que todos esses itens têm uma vida útil “limitada”, de quase cinco anos, e que em muitos casos não têm mais reparos em caso de avaria.

O lixo de uns é o tesouro de outros

Segundo Ives Gómez Salas, coordenador geral de projetos de Poluentes Orgânicos Persistentes (POP) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no México, existem três entidades com maior contaminação de lixo eletrônico: Baja California, Jalisco e a Cidade do México.

Os três estados concentram cerca de 23% de todo o lixo eletrônico gerado no país e, por quase um ano, a agência empreendeu uma série de projetos para reduzir essa poluição, ao mesmo tempo em que explora o potencial econômico do México na reciclagem desses resíduos.

Parte dessa iniciativa consiste em “concentrar” esforços para separar e reciclar itens como televisores, computadores pessoais e de mesa, tocadores e gravadores de som, telefones celulares e fixos.

Segundo Gómez Salas, esses produtos são aqueles que estão em sua maioria no último estágio de vida e têm maior probabilidade de serem descartados pelas pessoas e nos quais se encontram ouro, prata, platina, alumínio e cobre, entre outros metais.

Uma vez que haja uma cultura ou educação correta sobre como separar esses resíduos, disse o gerente, o próximo passo será realizar tarefas de reciclagem entre as micro, pequenas e médias empresas (PMEs) informais e formais que se dedicam a essa atividade.

O objetivo é trabalhar com todos os atores que participam da cadeia de valor do lixo eletrônico, como instituições de pesquisa, ensino, administração civil, empresas e, claro, com autoridades dos diferentes níveis de governo.

Em 2020, PNUD, Semarnat e o governo da Baja California assinaram carta de intenções para desenvolver atividades na entidade e reduzir ou eliminar os bifenilos policlorados das correntes, substância que é liberada de transformadores, capacitores e outros equipamentos eletrônicos. E para promover ações para a gestão ambientalmente correta de resíduos eletrônicos e pesticidas.

Isso para evitar gases poluentes ao meio ambiente e proteger a saúde da população, pois se houver um manuseio incorreto desses líquidos, eles podem se espalhar para outras áreas do país.

VERACRUZ, VERACRUZ. 28AGOSTO2009.- En la zona industrial de la ciudad de Veracruz, se encuentra ubicada la fábrica multinacional de tubos de acero sin costura “Tenaris TAMSA”. Dichos tubos son utilizados principalmente en profundidades bajas del mar para la construcción de ductos para la transportación del crudo, por lo que son exportados a todo el mundo. En la imagen los llamados almacenes donde se lleva a cabo el manejo del material. FOTO: JOSÉ CANDELARIO/CUARTOSCURO.COM

“Fizemos um inventário e também estamos desenvolvendo modelos-piloto em empresas formais de reciclagem, com a ideia de promover boas práticas no gerenciamento que deve ser feito sobre esses resíduos, desde a sua cópia até o seu descarte”. Gómez Salas explicou em entrevista ao El Sol de México.

De todo o lixo eletrônico gerado em todo o país, a Cidade do México origina cerca de 11 por cento, enquanto Jalisco e Baja California respondem por 8 e 5 por cento, respectivamente.

Os milhões não virão apenas da reciclagem

Embora o PNUD trabalhe em estreita colaboração com as PMEs para fortalecer a cadeia de coleta e coleta de materiais eletrônicos, seu funcionamento após a reciclagem depende do manuseio e da produção geral que recebem de seus emissores, ou seja, de grandes empresas, segundo o diretor da instituição.

Assim, para aproveitar o potencial econômico de 1,2 bilhão de dólares ao ano, não basta concentrar esforços de reciclagem: as empresas que geram esses resíduos também têm que fazer a sua parte para atingir essa meta.

“Talvez o mais importante seja o esquema de responsabilidade ampliada do produtor, que atualmente não existe no país e é muito importante para atender melhor a esses resíduos. Com isso, vamos garantir que a responsabilidade de quem produz esses resíduos seja mantida ao longo da vida útil dos materiais e que a periculosidade desses resíduos eletrônicos também seja reconhecida pelos componentes que contêm ”, enfatizou Gómez Salas.

A Lei Geral de Prevenção e Gestão Integral de Resíduos e seu Regulamento Semarnat, indica que as penalidades por não separar adequadamente o lixo ou poluir os espaços públicos com resíduos vão desde a detenção administrativa por 36 horas até o fechamento temporário ou definitivo, total ou parcial do poluente empresa.

As multas incluem também a suspensão ou revogação das correspondentes concessões, licenças, autorizações ou autorizações para as empresas, bem como a reparação de locais contaminados.

Entre as atividades para as quais as empresas também podem ser multadas estão a coleta, armazenamento ou transporte de resíduos perigosos, sem a devida autorização para tanto; despejar, abandonar ou finalmente eliminar resíduos perigosos em locais não autorizados; e descumprimento de medidas de proteção ambiental, no caso de transporte de resíduos perigosos.

“Existem sanções que vão até 200 dias de salário mínimo. Às vezes são resíduos do consumidor, que são aparelhos que já encerraram seu ciclo de vida e as pessoas descartam, mas mesmo assim deve haver um planejamento para o seu manejo e destinação adequados”, comentou o diretor da Semarnat.

MÉXICO, D.F., 02SEPTIEMBRE2012.- Desde el 30 de agosto, la Secretaría del Medio Ambiente del Gobierno del Distrito Federal, realizó el Reciclón del Bosque de San Juan de Aragón, con el fin de dar un adecuado uso de los residuos eléctricos. En alianza con empresas recicladoras, se recibieron varias toneladas de equipos eléctricos, que fuerón llevados por amas de casa y algunas empresas. Según la dependencia, en dos jornadas se han recabado 143 toneladas de residuos electrónicos y electrodomésticos en desuso, principalmente computadoras, impresoras, televisores, faxes, celulares, telefonos de casa, conmutadores y electrodomésticos de todo tipo principalmente aspiradoras, planchas, licuadoras, batidoras y todo tipo de artículos eléctricos de cocina. El material reciclado es incorporado como insumos a nuevas cadenas productivas como el plástico, el vidrio, metales ferrosos y no ferrosos, reduciendo así su explotación de las fuentes tradicionales. FOTO: JUAN PABLO ZAMORA /CUARTOSCURO.COM

Para garantir que as empresas cumpram esses padrões, o PNUD tem se reunido com a Câmara Nacional da Indústria de Eletrônica, Telecomunicações e Tecnologia da Informação (Canieti), entidade que abriga a maioria dos produtores de lixo eletrônico do país.

Segundo informações da organização empresarial, presidida por Carlos Funes Garay, algumas de suas afiliadas são: Microsoft México, IBM, Intel, AT&T, Axtel, Cisco, Epson México, Huawei, Maxcom e Panasonic.

“O calcanhar de Aquiles aqui está precisamente se reunindo e reunindo. Estamos gerando modelos de coleta que adotam boas práticas, que fortalecem a atenção ao gerenciamento desse tipo de resíduo. Essa é a abordagem que está sendo dada justamente a essas empresas”, acrescentou o diretor do PNUD.

Pandemia aumentará o lixo eletrônico

Devido à pandemia e ao uso acelerado de aparelhos eletrônicos, a geração desses resíduos no país crescerá 17% entre 2020 e 2025, segundo Ives Gómez Salas, onde telas LCD e televisores concentrarão em média 66% do total. o lixo gerado.

Outros itens que vão aumentar esse desperdício serão computadores pessoais e telefones celulares, acrescentou.

Dados do Observatório Mundial de Resíduos Eletrônicos indicam que em 2020 o consumo de equipamentos elétricos e eletrônicos no mundo aumentou 2,5 milhões de toneladas, em relação ao ano anterior.
Somente em 2019, de acordo com o relatório, o mundo gerou 53,6 milhões de toneladas desses resíduos, mas apenas 17,4% foram coletados e reciclados de forma “oficial”. Na comparação com os recordes de 2014, há um aumento de 9,2 milhões de toneladas, o que indica que as atividades de reciclagem não acompanham a taxa de crescimento global do lixo eletrônico, diz o relatório.

“O trabalho à distância e a educação online estão em alta. O México registrou um crescimento de 40% nas compras de alguns dispositivos eletrônicos como smartphones, tablets ou computadores durante os primeiros meses de 2021”, disse Ricardo Ortiz Count, da Semarnat.
O gerente reiterou que nesses aparelhos sua vida útil é cada vez mais curta devido à obsolescência programada, fator relacionado ao fato de as empresas projetarem seus produtos eletrônicos com vida útil menor ou as atualizações de software os tornarem inutilizáveis ​​em questão de meses.
Este problema deve ser prioritário ou de interesse nacional, porque se não for resolvido a curto prazo, corre-se o risco de afetar as futuras gerações da sociedade e do meio ambiente.

world news day

Comentários

Deixe a sua opinião