Moradores da região dos rios Monjolo e Jupira recebem oficina de cartografia

750

Sábado é a vez de bairros como Vila Paraguaia, Parque Monjolo e Jardim Polo Centro

 

Iniciada no último dia 14 de novembro, a terceira fase do processo de construção participativa da Política Municipal de Educação Ambiental (PMEA) em Foz do Iguaçu será finalizada na semana que vem. Os próximos a participar da oficina de cartografia social serão os moradores das bacias hidrográficas dos rios Monjolo e Jupira. Já fizeram parte desta etapa aproximadamente 60 representantes das bacias do Almada, Tamanduá, Carimã, M’Boicy, Pé Feio e Ouro Verde.

Conduzida por pessoas e entidades do Coletivo Educador Municipal de Foz do Iguaçu (CEMFI), a iniciativa vai atender a bacia do rio Monjolo neste sábado (1º de dezembro). A oficina será das 14h às 16h30, no salão da Comunidade Nossa Senhora de Fátima, da Paróquia Bom Jesus do Migrante. Estão convidados representantes dos bairros Vila Paraguaia, Jardim Festugato, Jardim Central, Parque Monjolo e Jardim Polo Centro.

Na atividade, como explica a professora Ana Cristina Ferreira, colaboradora do Observatório Educador Ambiental Moema Viezzer, “a intenção é reunir lideranças e moradores das 36 microbacias do município para entender de que forma as ações locais geram um impacto no planeta Terra como um todo. O convite é para troca de saberes sobre o lugar onde vivemos, o que mais gostamos, quais são os problemas e quais são os sonhos para o bairro”.

Encerrando a sequência de seis oficinas, na próxima terça-feira (04), das 19h às 21h30, será a vez dos moradores da região do rio Jupira receberem a atividade no Campus Foz do Iguaçu do Instituto Federal do Paraná (IFPR). Serão contemplados os bairros Vila A, Vila B, Vila Pérola, Vila Portes, Vila Brasília, Jardim Jupira, Jardim América e Jardim Cristina.

As oficinas começaram na Biblioteca Comunitária do bairro Cidade Nova, contemplando os bairros referentes à bacia do rio Almada. Integram a região: Três Lagoas, Conjunto Residencial Aporã, Vila C, Cidade Nova I e II, Jardim Belvedere I e II, Jardim Porto Belo e Jardim Califórnia. Na sequência, em 20 de novembro, a atividade ocorreu na Escola Municipal Augusto Werner, com moradores da região dos rios Tamanduá e Carimã, que correspondem aos bairros: Cognópolis, Arroio Dourado, Vila Carimã, Jardim São Roque, Jardim Novo Horizonte, Remanso Grande, Vila Aparecidinha, Lote Grande e Jardim Copacabana.

Logo depois, foi a vez da bacia do rio M’Boicy receber a oficina de cartografia social, realizada no Centro da Juventude (CEJU) Jardim Naipi no último dia 24. Segundo a moradora Zulmira Ferreira Daluz, a ocasião “foi um momento de troca de de saberes, de experiências, uma oportunidade de nos reconhecermos na comunidade e no entorno da bacia. Valeu muito a pena”. Estão incluídos nesta região os bairros: Portal da Foz, Parque Presidente, Morumbi, Jardim Panorama, Jardim São Paulo, Jardim Guarapuava, Jardim Copacabana, Jardim Iguaçu, Jardim Naipi e M’Boicy.

Posteriormente, participaram moradores do entorno das bacias hidrográficas dos rios Pé Feio e Ouro Verde, que abrangem os bairros: Jardim Eldorado, Vila Adriana, Jardim Eliza, Loteamento Bourbon, Vila Shalon, Parque Ouro Verde, Jardim Morenita, Loteamento Buba, Jardim Ana Rouver, Jardim Residencial Cataratas, Jardim das Flores, Loteamento Sociedade Comunitária de Habitação Coletiva de Foz do Iguaçu (SOHAB), Conjunto Remador e Vila Yolanda. A oficina foi realizado na última terça-feira (27), no Colégio Agrícola Estadual Manoel Moreira Pena (CEEP).

PMEA

Durante o processo de construção Política Municipal de Educação Ambiental, que teve início este ano, também foram entrevistados 72 moradores da região das 36 microbacias, a fim de conhecer como a questão socioambiental é percebida por eles. Sob coordenação da Bioadapt, em parceria com a Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), esta primeira fase foi concluída na segunda quinzena de setembro, com a entrega do relatório contendo a sistematização e a análise das informações coletadas.

No dia 7 de agosto, como segunda etapa do trabalho, foi lançado um questionário on-line, cuja meta é contar com o maior número possível de representantes da comunidade iguaçuense. As perguntas podem ser acessadas no link https://goo.gl/forms/A9pASjGxcwwtAl7p1.

Finalizado o processo, os resultados das três metodologias aplicadas irão subsidiar a PMEA, que também vem ao encontro de demandas apresentadas por documentos como a Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA), o Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA) e a Política Estadual de Educação Ambiental do Paraná.

Contato

Informações sobre a oficina de cartografia social podem ser obtidas pelos telefones (45) 99811-6196 e (45) 99977-1178.\

 

Reportagem: Derliz Moreno/CEMFI

Fotografia: Roseli Bernardete Dahlem Pacheco/CEMFI




Deixe um comentário