Criadas em 1975, em decorrência das obras da hidrelétrica da Itaipu Binacional, as vilas A, B e C surgiram para abrigar os trabalhadores que vieram de todas as partes do Brasil a Foz do Iguaçu para trabalhar na construção da usina. De lá para cá, a Vila A cresceu, desenvolveu-se e atualmente conta com diversas obras de infraestrutura e lazer, que estão transformando a região em um potencial econômico e sustentável.

Principais obras na Vila A:

  • Pista de caminhada e ciclovia em torno do Charrua

Atualmente está em fase de construção o projeto de ciclovia e calçadas em uma quadra da Vila A, que contorna a área verde delimitada pelas avenidas Paraná, Araucária e Garibaldi e pela rodovia BR-277. O projeto prevê a inclusão de calçadas em paver, ciclovia, cercamento, drenagem, iluminação em LED, estacionamento, quadra poliesportiva e novo acesso a veículos para o terreno da Feira Municipal de Foz do Iguaçu. Ao todo são cerca de 4,8 km de extensão.

Segundo as informações repassadas pela assessoria de comunicação social da Itaipu, a ciclovia é uma importante adição aos trechos com execução prevista em curto prazo, já que complementa dois anéis cicloviários importantes, um pela Av. Juscelino Kubitschek, Av. Araucária, Av. Andradina e Av. Tarquinio Joslin dos Santos, e outro com a Av. Silvio Américo Sasdelli.

Atualmente parte da pista de caminhada e ciclovia em torno do CTG Charrua já está pronto. (Foto: Itaipu Binacional)

A implantação desse projeto também prevê o aproveitamento de vazios urbanos da Região Norte para minimizar as descontinuidades viárias e configurar-se como uma alternativa para o crescimento urbano por meio do adensamento da ocupação do território, em alternativa à expansão urbana que vem sendo observada em direção às áreas rurais.

A ciclovia é do tipo bidirecional, com pavimento em CBUQ e largura livre de 2,5 m. De acordo com a assessoria, a faixa livre utilizada para caminhada tem largura livre de dois metros.

Atualmente 58% da obra já está concluída, e o investimento total será de R$ 8,4 milhões.

  • Mercado Municipal, na antiga Cobal

Outra parte das obras na Vila A, é o novo Mercado Municipal, chamado de MERCOBAL, que terá 70 boxes moduláveis para atender cerca de 50 empreendimentos, incluindo hortifrutigranjeiros, açougue, peixaria, laticínios e frios, empório, bebidas, mercearia, lojas temáticas, étnicas, quiosques e restaurantes.

Vista externa do Mercado Municipal. (Foto: Divulgação)

Serão 4.700 m2 de área construída em dois hectares de terreno, com amplo estacionamento e pátios para atrações culturais. A elaboração do projeto foi feita pelo PTI e é uma iniciativa que terá impacto positivo para o desenvolvimento social, econômico e turístico da região, e que demanda a garantia de acessos seguros e de qualidade.

Vista do setor de hortifruti do Mercado Municipal. (Foto: Divulgação)

A execução das obras foi retomada em julho, e o custo total é R$ 14,5 milhões.

  • Projeto de revitalização do Gramadão

Um dos principais pontos de encontro e lazer na Vila A é o Gramadão, e ele também passará por uma reforma. As intervenções a serem realizadas têm por objetivo melhorar o espaço para os visitantes e também visam a aproveitar algumas potencialidades já existentes.

O nove espaço contará com recreação para as crianças e espaço para trailers de comida. (Foto: Divulgação)

Um dos cenários mais atraentes do Gramadão é a vista do pôr do sol. E para aproveitar melhor essa vista serão criadas arquibancadas. Além disso, de acordo com a assessoria da Itaipu, está previsto incremento significativo na arborização, criando áreas sombreadas no período da tarde.

Haverá ainda a extensão da área de lazer para a Rua Guará, que fica entre o Centro Executivo e o Corpo de Bombeiros. Atualmente esse espaço é usado apenas como passagem, mas a ideia é criar um calçadão, com espaços para 40 trailers de comida e locais para as pessoas se sentarem e confraternizarem, além de um parquinho infantil com brinquedos e pavimentação emborrachada. Com isso, haverá uma nova área de acesso ao Gramadão pela Avenida Paraná.

(Foto: Divulgação)

Atualmente o projeto foi concluído e a licitação será nos próximos dias. A previsão é que a obra custe R$ 5 milhões.

  • Ciclovia na Av. Tancredo Neves

Para completar o projeto de obras na Vila A, há também a construção de calçadas em paver, ciclovia, drenagem e iluminação em LED nos 6.800 metros da Av. Tancredo Neves, face oeste, com adequação de trevos e interligação com as ciclovias municipais.

A primeira fase já está concluída, e a segunda está em 45% de execução. Ainda haverá a terceira fase. O valor total das obras está em torno de R$ 13 milhões.

Todas as obras são financiadas pela Itaipu, com auxílio das equipes da Polícia Rodoviária Federal, Foztrans, Copel, Corpo de Bombeiros, Guarda Municipal, Sanepar e Prefeitura de Foz do Iguaçu.

Representatividade para a cidade

A assessoria da Itaipu destaca que os projetos irão alavancar o setor econômico, sustentável e de lazer da cidade. “As ciclovias e pistas de caminhada contribuem com o ordenamento urbano, proteção à vida e fomento à saúde da população, além de ser modal de transporte seguro aos trabalhadores, com impacto mínimo na emissão de poluentes. Especialmente no entorno do Arroio Jupirá da Vila A, área de nascentes e rica em vegetação secundária, o cercamento contribuirá para a conservação da área, mitigando a ocupação irregular e o lançamento de lixo no local. Já a construção do MERCOBAL perfaz iniciativa de resgate da história da cidade, cujo local era cenário de encontro de barrageiros e suas famílias à época da construção de Itaipu. A operação do MERCOBAL trará grande variedade de insumos e serviços, fomento ao turismo e cultura, em área remodelada para atender toda a população da cidade.”

Formada em Jornalismo na UDC e pós-graduada em Relações Internacionais Contemporâneas na Unila, atualmente é jornalista da 100fronteiras.

Participe da conversa

1 Comentário

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião