A reabertura da Ponte da Amizade foi um marco que com certeza nós cidadãos iguaçuenses e paraguaios jamais esqueceremos, pois além de ser esperado por muitos, gera preocupação por conta da pandemia que estamos vivendo e alegria pela volta do comércio e movimentação do turismo de compras que gira a economia de ambos os países.

Logo que foi permitida a reabertura muito se foi comemorado, mas será que o empresário tem a mesma expectativa e sentimentos dos visitantes? Para entender isso convidamos alguns parceiros da 100fronteiras para estarem compartilhando conosco essa visão.

Bruna Wan – Shopping Lion

“Super feliz, porque com a ponte fechada tanto Foz como Ciudad del Este não são as mesmas. Estamos muito felizes, prontos para receber os clientes com novidades, promoção, produtos novos, agora que está chegando o Natal. Estamos bem felizes com a abertura, acredito que vai dar uma movimentada bem bacana, as pessoas estão retomando a vida.”

Mauricio Olive – Gerente de Marketing da SAX

“Também estamos bem animados, as expectativas são sempre as melhores, principalmente com o retorno dos nossos clientes do Brasil, que eles possam desfrutar do que a Sax tem para oferecer, já que a maior parte das pessoas preferem não viajar ao exterior para realizar compras e aqui no Paraguai além de ser mais próximo, é mais fácil pois encontram as melhores marcas do mundo aqui. Estamos seguindo todos os procedimentos sanitários, lavagem de mãos e álcool em gel, distanciamento social e maior cuidado com a segurança sanitária.”

Cleiton Salvador Conceição – Le Pure Café

“Estamos super bem e ansiosos também com essa reabertura. Acreditamos que depois de sete meses foi aberta novamente a “porta da esperança”. Com essa reabertura estamos esperançosos que a economia vai melhorar um pouco mais.”

Ronald Rolon –  médico

“Após seis meses de fronteira fechada tivemos a boa notícia da reabertura, que com certeza vai beneficiar as duas cidades. Já vimos que não podemos viver separados e dependemos uma da outra. O retorno à normalidade vai levar um tempo ainda, até a saída da vacina, mas pelo menos já podemos conviver com nossos vizinhos.”

O mais interessante em observar os empresários e moradores de CDE que praticamente todos tem a consciência de que as vendas no primeiro momento vão ser um processo lento e o desafio mesmo será cumprir o protocolo sanitário.

De acordo com o portal La Clave do Paraguai, os registros de migração, localizados na zona primária da Alfândega, registraran cerca de 3.500 veículos que entraram no país, com uma média de dois a três passageiros.

“Temos o compromisso do Ministério da Saúde apoiado em conjunto com o Ministério do Trabalho como se sabe, eles fazem o controle nas lojas. Já foram distribuídos lavatórios em diversos pontos da cidade, além da doação de 10 mil máscaras pela Câmara de Comércio que vamos distribuir e entregar quantas vezes forem necessárias”. Linda Taijen, presidente do Conselho de Desenvolvimento do Leste (Codeleste).

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião