Todos os anos a Unesco escolhe um tema para marcar o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, comemorado em 3 de maio.

Neste ano, o foco é “Jornalismo sob cerco digital: a era digital e o impacto na liberdade de expressão, na segurança dos jornalistas, no acesso à informação e na privacidade”. Com o apoio de diversas entidades, entre elas a Ajor, a Unesco no Brasil convida a sociedade civil e todos aqueles que acreditam no valor da democracia a se juntarem em um movimento nessa data.

Dia Mundial da Liberdade de Imprensa de 2022
Dia Mundial da Liberdade de Imprensa de 2022.

O objetivo é chamar atenção para o valor e papel essenciais de uma imprensa livre e independente. Com o tema deste ano em destaque, veículos, sites de jornalismo digital, universidades profissionais podem contribuir com ideias e iniciativas para que, em benefício de toda a sociedade, buscando garantir um ambiente de trabalho seguro em todas as suas etapas para toda a imprensa.

No movimento proposto pela Unesco, cada parceiro irá receber um press kit digital com banners e cards para estimular postagens simultâneas. As peças permitirão que cada participante inclua seu logotipo, reforçando a campanha colaborativa.

Há também uma lista com sugestões de ação, para quem tiver interesse, como a realização de debates, coberturas específicas, editoriais, entrevistas, podcasts, webinários e eventos que reflitam a importância da data e o papel da imprensa para a democracia.

Além da mobilização brasileira, a Conferência anual do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, promovida pela Unesco, acontece neste ano no Uruguai, de 2 a 5 de maio em Punta del Este, com uma programação paralela também em Montevidéu. A secretaria executiva da Ajor estará presente no evento. Para saber mais, acesse aqui. 

“O Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, celebrado no dia 3 de maio, nos lembra da importância de respeitarmos o direito fundamental à liberdade de expressão, pilar essencial  da democracia.

Precisamos  apoiar e defender os profissionais da mídia, para não serem alvos de restrição ou cerceamento de suas atividades, e de garantirmos que tanto os meios de comunicação, como os cidadãos, possam se expressar livremente, sem sofrerem ameaças, ataques ou qualquer tipo de violência ao apurar os fatos e relatar histórias”, afirma Marlova Noleto, Diretora e Representante da Unesco no Brasil.

Jornalismo sob cerco digital

A informação é um bem público, e a imprensa livre e independente é o seu guardião. No entanto, o jornalismo profissional nunca esteve tão ameaçado. Cada vez mais profissionais e organizações de notícias sofrem com todo o tipo de violações. Agora, entretanto, o cerco é digital.

Aos ataques, ameaças, prisões e atentados, juntam-se a violência virtual (principalmente contra as mulheres), a vigilância e o hackeamento de dados de jornalistas por parte de atores estatais e não estatais. O cenário se completa com a falta de transparência e de responsabilização das empresas de tecnologia, o que contribui para a proliferação de desinformação e discurso de ódio.

Sobre a data  

O Dia Mundial da Liberdade de Imprensa é comemorado no dia 3 de maio. A data foi instituída pela Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) em 1993. No mesmo dia é também celebrada a assinatura da Declaração de Windhoek, capital da Namíbia, que foi sede de um seminário realizado por jornalistas africanos em 1991.

A data celebra a luta pelo direito à liberdade aos profissionais de imprensa de divulgar, investigar e trazer ao conhecimento público informações de forma imparcial e independente. Também é comemorado neste dia o aniversário de um ano de fundação da Ajor (Associação de Jornalismo Digital).

Comentários

Deixe a sua opinião