Colégio Sesi Internacional - display portal
Primeiro Prêmio Faciap de Jornalismo

 O 1º Prêmio Faciap de Jornalismo tem o objetivo de premiar jornalistas e veículos de comunicação paranaenses que publicaram reportagens no período de 20 de novembro de 2019 a 20 de novembro de 2020. 

A iniciativa do concurso partiu da Federação das Associações Comerciais do Paraná (Faciap). Contou com o apoio institucional do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (Sindijor) e o patrocínio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE.

O tema escolhido para esse primeiro prêmio foi “Inovação no mundo empresarial”. As reportagens inscritas foram analisadas em cinco categorias: Impresso (jornal e revista); Televisão, Rádio, Internet e uma categoria destinada aos profissionais que trabalham para o Sistema Faciap.

Além disso puderam concorrer subtemas. Eram eles: gestão estratégica, empreendedorismo, criatividade e soluções inovadoras frente à pandemia; novos modelos de negócios (startups, e-commerce); marketing digital; compliance e Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD.

Como resultado, ao todo 74 reportagens concorreram ao prêmio de R$ 25 mil. 22 reportagens na categoria Impresso, 20 em Rádio, 6 em Televisão, 12 em Internet e 14 na categoria Sistema Faciap.

Igualmente, os trabalhos ficaram com a Comissão Julgadora, composta por experientes jornalistas e professores de jornalismo paranaenses.

Com isso, o primeiro lugar de cada categoria irá receber R$ 5 mil, além de troféus e certificados que serão entregues a todos os vencedores de segundo e terceiro lugar também.

Reportagem da 100fronteiras está entre as finalistas da Faciap

Sendo assim, a 100fronteiras, por meio da jornalista Patrícia Buche, produziu uma reportagem sobre o “Ecossistema de Inovação em Foz do Iguaçu’’.

O objetivo era apresentar a realidade da cidade para a inovação e também entender o ecossistema de inovação de outras cidades do Brasil.

Para isso, entre os entrevistados pela jornalista estão o presidente do Porto Digital, do Recife, Pierre Lucena, e o vice-presidente da ACATE (Associação Catarinense de Tecnologia), de Florianópolis, Arthur Nunes.

Estrutura-Parque-Tecnologico-Itaipu
PTI. (Foto: Kiko Sierich/PTI)

Em Foz do Iguaçu o personagem central da reportagem foi o Parque Tecnológico de Itaipu (PTI) que por meio da Incubadora Santos Dumont apoia diversos projetos inovadores.

“Quando surgiu a oportunidade de se inscrever nesse Prêmio de Jornalismo da Faciap, vi que o tema tinha tudo a ver com o cenário atual de Foz do Iguaçu. Pois devido à pandemia e com o surgimento do Programa Acelera Foz, empreendedores passaram a ter uma grande oportunidade de inovarem. Além disso, uma cidade do porte de Foz do Iguaçu merece ter uma diversificação na economia e por que não na área da tecnologia? Há muito potencial a ser explorado aqui”, destaca a jornalista da 100fronteiras, Patrícia Buche.

Com isso a reportagem mostrou a importância de transformar Foz em um ecossistema de inovação e destacou alguns caminhos a serem trilhados.

Nesse caso, por meio da experiência do diretor de Negócios e Inovação do Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Rodrigo Régis e do conhecimento e gestão do Diretor-superintendente do Parque Tecnológico Itaipu (PTI), General Eduardo Garrido.

“Quando desenvolvi a reportagem sabia do potencial que ela tinha para concorrer ao Prêmio. No entanto, estava disputando com outras 21 reportagens da categoria impressa e por isso estar entre as três finalistas é uma grande conquista. É a primeira vez que como jornalista concorro a um prêmio na área”, comemora Patrícia.

Oeste do Paraná se destaca

Além da 100fronteiras, em Foz do Iguaçu a TV Rede Massa também está entre as finalistas com a jornalista Mariana Kojunski que concorre com a reportagem “Pandemia e a atualização do empreendedor”.

“Costumo falar que jornalismo não é profissão e sim, paixão. Sempre gostei de contar boas histórias, que inspiram e fazem refletir. É um orgulho quando o que fazemos no nosso dia a dia, com tanto carinho, é reconhecido desta maneira. A matéria inscrita no concurso foi produzida ainda quando estávamos entendo como seria esse novo momento, na verdade foi uma forma de mostrar para as pessoas como elas poderiam transformar a nova rotina. A produção fala sobre os cursos que passaram a ser oferecidos de forma online para capacitar cada vez mais as pessoas, principalmente o empreendedor. Ela apresenta a proposta que ao mesmo tempo é preciso se adaptar à nova rotina, é possível crescer, aprender e se preparar para o mundo pós-pandemia. Ficamos muito felizes com o resultado, afinal de contas a reportagem foi um produção diária, não algo pensando em um concurso. O que mostra que mesmo na rotina corrida, não deixamos de produzir com qualidade, que o trabalho em equipe é fundamental”, destaca.

Mariana trabalhou como jornalista na 100fronteiras e destaca que pode mergulhar no jornalismo impresso, e através das palavras que se encontravam na revista pode contar histórias juntamente com o leitor.

Sobre a premiação, Mariana destaca que além das que traz da faculdade, como melhor reportagem impressa e para tv, no ano passado, também pela Rede Massa – TV Naipi, conquistou o primeiro lugar na premiação Fecomércio-PR. “A cada passo que damos na profissão é uma aprendizado que conquistamos. A Rede Massa-TV Naipi sempre nos dá a oportunidade de fazer diferente, de sonhar, de buscar pelo melhor. Sempre buscamos ser a diferença para quem nos assiste, por isso toda a produção é feita com muito carinho, porque sabemos que do outro lado da telinha tem alguém que nos acompanha, não só porque confia na gente, mas sim porque gosta e acredita no nosso trabalho”.

Quem também está entre as finalistas é a jornalista Rejane Martins Pires, da Revista Aldeia de Cascavel, com o tema “Biopark – Por que você ainda não está lá?”

É sempre uma alegria estar entre finalistas de um prêmio de jornalismo, pois é o reconhecimento de um júri especializado. Este é o 28º prêmio da Revista Aldeia. Ao longo de 13 anos de circulação, tivemos premiações de jornalismo e fotografia nos prêmios Amop, Unimed, Ocepar, Fecomércio e agora Faciap. Este tipo de premiação nos estimula a produzir reportagens mais elaboradas e diferenciadas e, consequentemente, continuar esta grande missão de impactar pessoas pela boa palavra”, destaca a jornalista.

Classificação final e entrega dos prêmios da Faciap

Em suma, por conta da pandemia, a entrega dos prêmios que era para ser essa semana teve que ser adiada para janeiro.

No entanto a data ainda será definida pela Comissão Organizadora.

 A classificação de cada reportagem será revelada no dia da entrega. Confira a seguir os finalistas (em ordem alfabética):

  • Anderson Flávio Gonçalves, do Jornal Gazeta do Povo, com a reportagem “Vida nova nos bairros”
  • Andréa Torrente, do jornal Gazeta do Povo, com a reportagem “Por que o investimento verde, raridade no Brasil, é o futuro da aplicação?”
  • Ari Ignácio de Lima, da TV Sudoeste, com a reportagem “Estudo e trabalho a distância com a pandemia”.
  • Camila Munhoz Maciel Stawinski, da Associação Com. de Maringá (Acim), com a reportagem “Um ambiente sadio para as gerações Y e Z.
  • Fernanda Bonomo Bertola, da Acim, com a reportagem “Volta aos escritórios mistura trabalho remoto e presencial”.
  • Francielly Azevedo, Rádio CBN-Curitiba, com a reportagem “Inovações do Comércio na Pandemia”.
  • Giovanna Palaoro, da Rádio Paraná Educativa, com a reportagem “A Indústria contra o Coronavirus”.
  • Katna Baran – Agrofolha/Curitiba, com a reportagem “No PR, mulher eleva em 30% produção de cafés especiais”.
  • Lorena Malucelli Pelanda – Rádio BandNews, com a reportagem “O consumo durante as festas de fim de ano em meio Pandemia”.
  • Mariana Kojunski – TV Naipi, Foz do Iguaçu, com a reportagem “Pandemia e a atualização do empreendedor”.
  • Patrícia Buche – Revista 100Fronteiras, com a reportagem “Ecossistema de Inovação em Foz do Iguaçu”.
  • Rebeca Branco – TV RIC-Oeste, com a reportagem: “Ideias Inovadoras na Indústria com a pandemia”.
  • Rejane Martins Pires – Revista Aldeia, Cascavel-PR, “Biopark – Por que você ainda não está lá?”
  • Rosângela Cristini Gris – Acim, Maringá, com a reportagem “Sem tempo para a crise”.
  • Sharon Jeanini Abdalla, Gazeta do Povo, com a reportagem “Nova solução de conforto acústico é criada a partir de fungos por startup e designers”

leia a matéria finalista da 100fronteiras

Comentários

2 Comentários

Deixe a sua opinião