Em quatro cruzamentos já foram instalados os semáforos inteligentes. Há também 75 pontos com câmeras de monitoramento que permitem, entre outras funções, reconhecimento facial e de placas de veículos. Luminárias inteligentes como mecanismos de telegestão (gestão remoto ou a distância), quatro pontos de ônibus inteligentes e o Centro de Controle e Operações. Tudo faz parte da primeira fase do projeto Vila A Inteligente.

Recentemente foi finalizada essa fase 1 do projeto, que é de implementação tecnológica. De acordo com a assessoria do Parque Tecnológico Itaipu, responsável pelo projeto, essa etapa consistiu na criação de fato do ambiente de experimentação. Isso foi possível por meio do Decreto nº 28.244, de junho de 2020, que estabelece esse ambiente e institui a figura de um comitê gestor responsável por deliberar sobre aspectos de funcionamento do espaço pela implementação de algumas tecnologias no bairro.

Essa fase tinha como intuito estabelecer o ambiente Sandbox, que permite a atração de empresas de base tecnológica para testarem e validarem suas tecnologias, bem como proceder com a atração de comitivas de gestores públicos, investidores, entre outros, para que possam conhecer e até mesmo criar negócios a partir do conhecimento das tecnologias instaladas nesse ambiente.

Projeto Vila A Inteligente

Finalizada a etapa inicial, o projeto está agora na fase de planejamento para a fase 2, de implementação tecnológica, com o objetivo de propiciar soluções na linha de cidades inteligentes na Vila A, com viés de experimentação/validação tecnológica e com a perspectiva de geração de negócios futuros.

Além disso, o projeto Vila A Inteligente entra agora com uma ação de identidade visual que será instalada nas próximas semanas. Essa identidade visual diz respeito à instalação de placas, adesivos e criação de uma landing page com conteúdo educativo e explicativo sobre todas as tecnologias instaladas no bairro Itaipu A e, também, o conceito Sandbox

Como essas tecnologias impactam a vida dos moradores

Desde que as tecnologias foram instaladas, quem passa pela Vila A pode notar algumas mudanças, principalmente no trânsito.

De acordo com a assessoria do PTI, os semáforos inteligentes visam à melhora do fluxo do trânsito naquela região, uma vez que ajustam o tempo conforme a quantidade de carros, impedindo que o sinal fique aberto em vias nas quais não há veículos, por exemplo.

Já as câmeras associadas ao sistema de reconhecimento facial/placas, uma vez integradas às bases de dados dos órgãos policiais, podem auxiliar as forças de segurança pública no combate a crimes e violência.

Projeto Vila A Inteligente

O sistema de telegestão das luminárias inteligentes permite o uso racional dos recursos, com um consumo de energia de forma mais eficiente, diminuindo gastos e possibilitando uma melhor gestão dos recursos públicos.

E os pontos de ônibus possibilitam a transmissão de informações úteis sobre esse tipo de serviço aos cidadãos, como o horário estimado dos coletivos que passam por aquele ponto.

“O objetivo principal do Programa Vila A Inteligente é contribuir com qualidade de vida do cidadão, implementando/desenvolvendo tecnologias, gerando negócios e melhorando o acesso e disponibilidade dos serviços públicos. Nessa linha de raciocínio, temos como foco prover soluções tecnológicas que atendam demandas da sociedade e dos serviços públicos que melhorem a qualidade de vida do cidadão, além de estimular a inovação com a criação de uma área com regulamentação flexibilizada (Sandbox), impulsionar novas tecnologias, modelos de negócios e produtos para cidades inteligentes, incentivando a competitividade do mercado e desenvolvendo a cadeia de fornecedores em smart cities, favorecer o empreendedorismo e a geração de emprego e renda, contribuindo com startups e empresas de base tecnológica e também fazer com que Foz do Iguaçu possa figurar como uma das referências nacionais na temática de cidades inteligentes”, destaca a assessoria.

Projeto Vila A Inteligente

O que significa o conceito Sandbox

Apesar de serem claros os benefícios dessas tecnologias, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre o que de fato significa o conceito Sandbox.

O PTI esclarece que há inúmeros fatores para a implementação do Sandbox Vila A. Entre eles, e o principal, seria o Programa Acelera Foz, que busca potencializar ações integradas e atrair investimentos para dinamização do ecossistema de inovação para fortalecimento e diversificação da economia de Foz do Iguaçu e região. 

Sem contar o protagonismo que o PTI vem assumindo como uma referência na linha de cidades inteligentes. Diante da expertise técnica no tema, o PTI já havia constituído em 2019 um ambiente de experimentação de tecnologias aos moldes do Sandbox Vila A: o Living Lab. Em parceria com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e com a Itaipu Binacional, o local foi criado como um laboratório aberto para demonstração, aplicação do uso e avaliação de soluções tecnológicas para cidades inteligentes em um ambiente real, embora controlado, nas dependências do parque.

A iniciativa foi implantada justamente em função de a ABDI ter detectado no PTI um ecossistema propício para um ambiente como esse, além de identificado competência técnica para tal, uma vez que o PTI já possui alguns projetos na linha de smart cities (em especial o MoVE, plataforma de mobilidade veicular utilizada para gestão e compartilhamento de veículos elétricos da Itaipu Binacional, que já foi motivo de replicação em cidades como Brasília e Curitiba).

E também o potencial de Foz do Iguaçu como local estratégico para construção de um hub de cidades inteligentes, com atração de empresas de base tecnológica, investidores, gestores públicos interessados, que foram fatores determinantes para que o Sandbox Vila A fosse instituído. “O resultado da integração de múltiplas instituições faz com que tenhamos o cenário ideal para sermos pioneiros no tema e termos implementado o primeiro bairro público experimental do país”, explana a assessoria.

Resultados do Vila A Inteligente

Com todos esses benefícios elencados sobre a importância do Sandbox Vila A, é válido destacar que com esseambiente vivo de experimentações é possível analisar o desempenho das tecnologias e avaliar como será seu funcionamento em ambiente real, conhecendo melhor suas vantagens e desvantagens, reduzindo os riscos de possíveis falhas e conduzindo melhorias incrementais nas soluções. Essas avaliações não serão realizadas somente do ponto de vista técnico, mas também considerando a percepção dos usuários (população, empresas, governo etc.).

Projeto Vila A Inteligente

Além disso, com essas experimentações, o Sandbox Vila A se tornará uma grande vitrine para o mundo no que se refere a tecnologias para smart cities, permitindo que informações sobre essas soluções possam ser avaliadas por compradores (ex.: governo e grandes empresas) e utilizadores (ex.: população e funcionários).

Esse ambiente será inovador e buscará integrar ofertantes e demandantes de tecnologias, facilitando a realização de negócios. E ainda fornecendo estrutura para o desenvolvimento de novas tecnologias, dando condições para criação de startups e, com isso, o acesso à captação de recursos externos por meio do hub de inovação. Outro objetivo é demonstrar aos usuários finais o comportamento, benefícios e diferenciais dos produtos e serviços testados.   

Na linha de fomento de negócios, esse será um ambiente muito importante, posicionando-se como uma “One Stop Shop” para smart cities. Nesse conceito, possíveis compradores podem adquirir tecnologias de grandes empresas, startups ou pequenas iniciativas, sendo que esses atores poderão contar com o networking, rede de colaboração técnica e relacionamento de negócios do PTI.  Dessa maneira, o aumento de empresas de base tecnológica, empregos e renda contribuirá para o desenvolvimento da cidade, gerando benefícios à sociedade, com o aprimoramento de serviços para os moradores, por exemplo.

“O Programa Vila A Inteligente segue o planejamento estabelecido com os ajustes que se fazem necessários à medida que surgem fatos novos. O Vila A Inteligente é a oportunidade que nós, do PTI-BR, encontramos para impactar de forma positiva a qualidade de vida da população de Foz do Iguaçu e região, tornando-nos referência para o Brasil. Unimos tecnologias, inovação e empreendedorismo para gerar empregos, impulsionar a economia e desenvolver a cidade”.

General Eduardo Garrido, diretor-superintendente do pTI
General Eduardo Garrido - PTI
General Eduardo Garrido.

Fotos: Kiko Sierich/PTI

Formada em Jornalismo na UDC e pós-graduada em Relações Internacionais Contemporâneas na Unila, atualmente é jornalista da 100fronteiras e recentemente conquistou pela 100fronteiras o primeiro lugar no 1º Prêmio Faciap de Jornalismo.

Diálogos 100fronteiras

3 Comentários

Deixe a sua opinião

  1. Gostei muito mais tem que ver Av. Gramado com Av Engenhe hildemar Leite França um sinal urgente muito acidente