Medianeira, oeste do Paraná, 42 mil habitantes. Como em tantos outros do interior do Brasil, as atividades do campo são a marca desse município. Mas, em menos de duas décadas para cá, a cidade está se tornando referência em uma área pouco comum a rincões distantes das grandes metrópoles. Quando se fala em Medianeira, agora, ela é também sinônimo de tecnologias da informação.

Uma startup, nascida há 16 anos como um projeto de estudantes do campus local da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), está entre as maiores responsáveis por essa mudança de perfil no município paranaense. Trata-se da SWA, hoje um dos cinco principais grupos desenvolvedores de softwares educacionais do Brasil.

Só com a folha de pagamento de funcionários, a SWA injeta na econômica local em torno de R$ 20 milhões anuais no PIB em Medianeira, aponta um dos fundadores e CEO do Grupo SWA, Leandro Scalabrin.

“Há um princípio da economia que é o seguinte: cada R$ 1 injetado gera R$ 5 no PIB . Nossa folha está em 2022 acima dos R$ 4 milhões, então representamos, pelos menos, R$ 20 milhões no PIB da economia do município”, afirma.

Outro fato importante, conforme explica Scalabrin, são recursos que vêm de fora da região, já que as 155 instituições de ensino atendidas pela SWA estão localizadas em 22 unidades da federação. Ou seja, trata-se de um incremento, de fato, à renda local.

“Em torno de 70% do nosso faturamento é oriundo de outras partes do estado e do país, dinheiro que chega e circula aqui”, sublinha.

Scalabrin destaca ainda o trabalho de qualificação proporcionado pela SWA aos profissionais locais. Neste ano, foram investidos R$ 200 mil em um programa de seleção de pessoa bastante diferente do convencional, pelo tempo de duração e por envolver um curso de capacitação que engloba gestão, oratória e comportamento.

Funciona assim: uma turma, de em torno de 40 pessoas, recebe 150 horas de treinamento, bem como demandas de trabalho e acompanhamento, em um processo de 90 dias de duração, com auxílio de R$ 1,3 mil mensais. Ao término, aqueles identificados com o propósito da empresa são efetivados. Neste ano, mais da metade (55%) foi incorporada ao time da SWA.

Os demais saem com o certificado de capacitação que lhes credencia à busca de outras oportunidades de colocação, assinala o Scalabrin.

“Essa iniciativa surgiu a partir daquilo que eu vivenciava, quando procurava emprego: os processos de seleção nem sempre parecem justos, nem para os candidatos, e mesmo para as empresas, que por vezes acabam contratando profissionais que não se encaixam ao perfil da organização”.

Outros resultados dão a dimensão do que se tornou o empreendimento, inicialmente uma empreitada estudantil. O faturamento do Grupo SWA chegou à casa dos R$ 10 milhões por ano, em 2022. Para 2023, expectativa de crescimento entre 30% e 40%. Nas 155 instituições de ensino clientes, de todos os níveis de ensino, são 500 mil estudantes usuários de seus sistemas, e 40 mil professores. Ou seja, um público 13 vezes maior que a própria população de Medianeira.

Mas o principal indicador do legado do Grupo SWA à Medianeira e ao oeste do Paraná está além dos números e cifras: está no reconhecimento da comunidade. Scalabrin conta como veio essa percepção: pela primeira vez nos 71 anos da localidade (de 1951 a 1960, pertencente a Foz do Iguaçu, e de 1961 em diante como município emancipado), materiais institucionais já apontam as atividades de TI como protagonistas, ao lado do agronegócio.

“É uma demonstração de que o desenvolvimento tecnológico pode e está no interior também, não só nas capitais. Isso abre novas perspectivas para os jovens, por exemplo, que podem enxergar outras oportunidades para além do agro. O Grupo SWA tem tornado, a partir do oeste do Paraná, o estado como o quinto maior fornecedor de TI no Brasil. Mas, junto com a Assespro-PR (associação das empresas do setor), temos como meta sermos o terceiro”, projeta.


SWA, 16 anos
O empreendimento que nasceu como projeto universitário é hoje um grupo composto pela SWA ERP Jacad, Neocred e Matheus Soluções, todas soluções em TI para o mercado de educação. Alguns dados e números:

  • 1º de outubro é data de aniversário;
  • Rafael Pagani, ao lado de Leandro Scalabrin desde a origem, é sócio do Grupo SWA;
  • 155 instituições de ensino clientes, em 22 unidades da federação do país;
  • 32 instituições se tornaram clientes neste ano, crescimento de 30% no portfólio;
  • 500 mil estudantes e 40 mil professores utilizam a tecnologia ERP Jacad;
  • Faturamento do grupo em 2021: R$ 7 milhões, sendo R$ 4,1 milhões só do ERP Jacad e Neocred, e R$ 2,9 milhões da Matheus Soluções, adquirida naquele ano;
  • 93% de crescimento no faturamento no primeiro semestre de 2022 comparado a igual período do ano passado;
  • R$ 10 milhões é a projeção de faturamento do grupo para 2022;
  • 60% foi a ampliação nos quadros de pessoal neste ano, em relação ao número de funcionários em dezembro de 2021.

Comentários

Deixe a sua opinião