Depois de quatro dias de evento, o Parque Tecnológico Itaipu Brasil (PTI-BR) volta pra Foz do Iguaçu com sentimento de dever cumprido.

Participando do Rio Innovation Week, maior evento de inovação e tecnologia da América Latina, o PTI-BR pôde demonstrar o que vêm desenvolvendo, e analisar em quais temáticas outras organizações têm pendido esforços.

Conectando-se com players do varejo, empreendedorismo e inovação – empreendedores, investidores, executivos e representantes do governo, o Parque levou ao RIW suas tecnologias voltadas às Cidades Inteligentes, bem como as startups de seu ecossistema que trabalham com inovações para as mais diferentes áreas.

De acordo com o diretor superintendente do PTI, general Eduardo Garrido, foram dias de compartilhamento de experiências e conhecimentos.

“Ao conhecermos novas e diferentes ideias, fomos convidados a repensar em estratégias para os negócios”, conta. “Entendemos que o caminho que estamos trilhamos com foco no bem-estar da sociedade têm sido assertivo”.

Além do espaço Sociedade 5.0 que uniu de as inovações que possibilitam maior qualidade de vida para o cidadão, em especial as cidades inteligentes, o Rio Innovation Week, contou ainda com os espaços Conecta e o AgroRio Tech.

Para Josiane Gonçalves da Silva, CEO da startup Daga Agrinavi, incubada no Parque Tecnológico, foi uma oportunidade de expandir networking. “Voltamos com novas ideias e novos parceiros. Participar do RIW a convite do PTI, para nós, é sinônimo de evolução na história de nossa empresa”, comenta a CEO.

O interesse por entender o papel de um parque tecnológico também foi um dos motivos pelos quais os visitantes se sentissem atraídos pelo stand do PTI. Para Garrido, foi possível mostrar o que o único parque tecnológico da região Oeste do Paraná têm feito.

“Objetivamos proporcionar qualidade de vida para o cidadão, e é o que mostramos para todos que vieram conhecer a série de tecnologias que nosso ecossistema desenvolve”, comenta.

E nesta mesma linha, o diretor de negócios e inovação do PTI, Rodrigo Regis, comentou sobre a importância das conexões.

“Nosso papel como parque tecnológico é propiciar momentos que conectam, e aqui pudemos fazer isso entre startups e investidores, nossos centros de competência e outras instituições que desenvolvem tecnologias”, afirma Regis. “Riqueza e bem-estar está diretamente ligado em aumentar PIB e distribuir renda, e isso tem a ver com o que fomentamos, que é o empreendedorismo”.

Conforme afirma Sammy Wladsen, CEO da Maker Soluções, startup também incubada no Parque Tecnológico Itaipu, participar do RIW foi “uma virada de página no sentido de construção de nossa marca. Conseguimos captar clientes, expor produtos ao mercado, consolidar visibilidade”.

Energia em pauta: inovação para o setor energético

Outra temática importante abordada pelo RIW, durante o Energy Hub Summit 2022, foi a questão energética. Quem ministrou palestra em painel sobre “Transição energética e Novas fontes de Energia Moderação”, foi o diretor técnico do Parque, Rafael Deitos. Durante sua fala, Deitos apresentou algumas das soluções que o Parque têm desenvolvido no decorrer de seus 10 anos de estudos em hidrogênio, baterias e energias.

“No final de 2021 o PTI começou a trabalhar em uma frente interessante que é: além de trabalhar com as tecnologias, olhar para o mercado, a indústria do hidrogênio. O Brasil tem potencial imenso para servir ao mercado interno e ser um ator para a descarbonização global”, diz Deitos.

Comentários

Deixe a sua opinião