No dia 14 de abril, o professor da UNILA Marcelino Teixeira Lisboa e Fátima Elizabeth Morínigo Martínez, graduada em Relações Internacionais e Integração na mesma instituição e graduanda em Turismo pela Universidade Nacional del Este, fizeram em conjunto um artigo sobre a trajetória inicial da Tríplice Fronteira, denominado “Path Dependence in the Tri-Border Area” (Trajetória dependente na Tríplice Fronteira).

Marcelino-T-Lisboa
Marcelino Lisboa. Foto: Arquivo pessoal.

O artigo analisa como essa trajetória, que teve início na década de 50, ajudou na existência de alguns elementos que definem hoje algumas das características da tríplice fronteira.

Fátima-Morínigo-foto-arquivo-pessoal
Fátima Morínigo. Foto: Arquivo pessoal

Sobre a trajetória dependente na Tríplice Fronteira

A configuração atual da Tríplice Fronteira é resultado de processos históricos que ocorreram a partir da segunda metade do século XX. A busca do Paraguai por uma saída marítima que não fosse o rio da Prata, e a necessidade de diminuir a dependência da Argentina, especialmente após a concessão de refúgio a Juan Domingo Perón, presidente deposto da nação vizinha, ajudaram a aproximar o país do Brasil.

A pesquisa foi publicada este mês no periódico acadêmico Canadian Journal of Latin American and Caribbean Studies sob o título “Path Dependence in the Tri-Border Area” (Trajetória dependente na Tríplice Fronteira).

De acordo com o artigo, a maior aproximação entre o Brasil e o Paraguai se daria nas décadas de 1950 e 1960. “Os tratados assinados no período levaram a ações concretas, dando lugar a uma nova fase na relação entre o Brasil e o Paraguai, provocando profundas mudanças na TF”, escrevem os autores, que são membros do Grupo de Pesquisa Tríplice Fronteira (GTF/UNILA).

Mapa da Tríplice Fronteira. Imagem: Marcelino T. Lisboa

O artigo tem como base teórica o institucionalismo histórico, que observa a trajetória histórica das instituições. Dentro desse escopo, a análise deu ênfase mais específica à dependência da trajetória, uma abordagem que concede importância às sequências temporais e ao desenvolvimento de eventos e processos sociais moldados por atores coletivos ao longo do tempo.

Para ler a publicação inteira do artigo, em inglês, clique aqui.

Espaço publicitário

ALEP Covid 19

Diálogos 100fronteiras

Deixe a sua opinião