Colégio Sesi Internacional - display portal

A UNILA disponibiliza uma nova plataforma para a comunidade com o objetivo de preservar a memória cultural e de valorizar a produção científica, tecnológica e cultural: o Museu Digital UNILA (MUD).

O lançamento será realizado nesta quinta-feira (30), com uma transmissão ao vivo, a partir das 19h, no canal do Museu no YouTube (https://bit.ly/MUD_live).

Participam do lançamento, a historiadora Luciana Conrado Martins, especialista em Museologia e doutora em Educação pela USP; a docente do Programa de Pós-Graduação em História da UNILA Rosângela de Jesus Silva; a historiadora e mestranda em História na UNILA Loudmia Amicia Pierre-Louis; e o reitor da UNILA, Gleisson Brito.

A mediação será da professora da UNILA Ana Rita Uhle.

O MUD já pode ser visitado – acesse em https://museudigital.unila.edu.br/ – e elenca 12 coleções em diferentes áreas: Artes, Educação, História, Vida e Natureza, Tecnologias, Territórios e Exposições Curriculares.

Entre as coleções, estão a do set de filmagem do curta “Do amor pequenas coisas”, gravado em 2013 e considerado o primeiro set de filmagem escola para os alunos do curso de Cinema e Audiovisual; a mostra digital de arte “Ventanas Abiertas”, realizada no ano passado, no contexto de pandemia; “¡Eu, passarinho!”, fotos resultantes da prática de observação de pássaros na cidade; e “Memória audiovisual da UNILA”, que tem por objetivo reunir a produção de mais de 10 anos de existência da Universidade.

Difusão do conhecimento

Ligado à Pró-Reitoria de Extensão (PROEX), o Museu também tem o objetivo de auxiliar a UNILA “a cumprir o seu papel na promoção e difusão do conhecimento na América Latina e no Caribe”, diz a pró-reitora Kelly Sossmeier.

“Através dele, queremos disponibilizar um espaço para as diversas formas de manifestações artísticas e culturais da nossa comunidade, além de ser um espaço multidisciplinar, abrangendo, inclusive, acervos de instituições externas. Assim, esperamos, através da organização e difusão de coleções, contribuir científica, cultural e socialmente”, completa.

O MUD foi estruturado a partir das discussões de um grupo de trabalho encabeçado pela servidora Michele Dacas e com a colaboração de docentes de diferentes institutos, de egressos da UNILA, do setor de Tecnologia da Informação, além de colaboradores externos.

“O Museu também vai promover a ampliação do diálogo com a comunidade, porque passa a ser um espaço de memória, de difusão, além de ser fonte de pesquisa e de acesso e fruição cultural, e de intercâmbio cultural e científico.

Ele amplia a interlocução com entidades culturais e museológicas da região, do país e também internacionais”, comenta Michele.

A estruturação do MUD prevê, ainda, a criação de uma política de práticas museológicas, educativas e curatoriais, que será submetida a uma consulta à comunidade universitária e posterior encaminhamento para aprovação no Conselho Universitário (CONSUN).

Outra linha de atuação do MUD é a possibilidade do atendimento à exigência de curricularização da extensão nos cursos de graduação.

As coordenações de cursos, os Núcleos Docentes Estruturantes e os membros dos colegiados de cursos interessados em aproveitar as ações museológicas podem buscar apoio da equipe responsável para vincular suas disciplinas às exposições curriculares ou para a realização de cursos formativos e ações educativas neste campo.

Mesmo ainda em formação, o MUD já integra duas importantes redes: o Cadastro Nacional de Museus, do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram); e a Rede Brasileira de Coleções e Museus Universitários.

“Um dos objetivos do MUD é, também, a incorporação das práticas museológicas na UNILA, dada a importância que têm as coleções para as universidades públicas.

E também inserir a UNILA no campo de debates dessas redes, onde os museus universitários estão bem articulados. Com esse espaço, embora digital, a gente consegue participar desse debate”, comenta Michele.

Parcerias e acervo

Apesar de ser uma plataforma digital, um dos eixos de atuação do Museu é a convergência, possibilitando, também, a realização de mostras presenciais a partir de convênios com outros espaços na cidade e na região.

“Esse eixo de convergência prevê incluir versões presenciais de mostras digitais e versões digitais de algumas mostras físicas”, diz Michele.

O primeiro convênio que está sendo firmado é com o Museu de Arte de Cascavel (MAC), que prevê uma agenda de cooperação mútua para organização e circulação de mostras entre as duas instituições.

O MUD ingressou, ainda, no programa de doações de obras do Instituto Fayga Ostrower. São 26 quadros e outras publicações que irão integrar o patrimônio artístico da UNILA.

Duas novas exposições estão no cronograma do MUD para outubro, uma sobre a UNILA na pandemia, registros da atuação da Universidade; e outra sobre a arquitetura soviética, organizada por grupos de pesquisa de diferentes países (Argentina, Brasil, Venezuela e México).

“Essa mostra será disponibilizada virtualmente no MUD e irá circular em cada um dos países a partir da produção dos grupos envolvidos”, explica Michele.

Para integrar o acervo do MUD, as coleções serão captadas por meio de chamadas internas e externas, e o material será submetido a uma curadoria.

Outra forma de buscar novas aquisições é a parceria com entidades ou por demanda da comunidade acadêmica que tiver interesse em intermediar exposições externas.

Interessados podem entrar em contato através do e-mail [email protected]

Comentários

Deixe a sua opinião