O ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Augusto Nardes fez uma visita técnica nesta sexta-feira (8) ao Refúgio Biológico Bela Vista (RBV), mantido pela Itaipu Binacional em Foz do Iguaçu (PR), e conheceu alguns dos projetos para a proteção da biodiversidade e preservação dos recursos hídricos desenvolvidos pela empresa na região.

O objetivo é aproveitar a experiência da Itaipu para a proposta de uma auditoria mundial sobre desenvolvimento sustentável e mudança climática, com indicadores das Nações Unidas (ONU), que será lançada em novembro, no Rio de Janeiro, durante o congresso da Organização Internacional das Entidades Fiscalizadoras Superiores (Intosai). No evento, o TCU vai assumir a presidência da entidade, que reúne 195 países.

Nardes foi recebido no Centro de Recepção de Visitantes (CRV) de Itaipu pelo diretor-geral brasileiro, almirante Anatalicio Risden Junior, e plantou uma muda de jabuticabeira no Bosque dos Visitantes. Em seguida, seguiu para a visita ao Refúgio Biológico acompanhado pelo superintendente de Gestão Ambiental da empresa, Ariel Scheffer da Silva. O secretário do TCU no Paraná, Luiz Gustavo Gomes Andreoli, estava presente.

O convite para a visita foi feito durante a Expo 2020 Dubai, que terminou no dia 31 de março, nos Emirados Árabes. O ministro fez uma palestra no evento, sobre a proposta de auditoria, e visitou a exposição de Itaipu no Pavilhão Brasil. “Nós somos um dos países que têm a maior reserva de água doce do planeta. E essa água tem que ser cuidada. Podemos mostrar o exemplo de Itaipu, que é uma grande aliada e pode nos ajudar a defender esse tema em nível mundial”, afirmou.

Nardes disse que o levantamento de dados sobre desenvolvimento sustentável já tem o aval das Nações Unidas e que o Brasil tem todas as condições de liderar o movimento. “Eu espero que na próxima Expo, que será em Osaka (no Japão, em 2025), esses indicadores de governança estejam prontos e que possamos mostrar ao mundo o quanto nós temos de capacidade de produzir água, preservar água, e produzir alimentos decorrentes desse recurso”, disse.

Reserva da biosfera

As ações de Itaipu na área de influência do reservatório mostram como é possível conciliar os princípios do desenvolvimento sustentável e geração de energia limpa e renovável. A empresa protege mais de 100 mil hectares de Mata Atlântica, em ambas as margens do reservatório, que se estende por 170 km de fronteira entre Brasil e Paraguai. Somente na margem brasileira, plantou mais de 24 milhões de árvores desde 1979.

As áreas protegidas pela binacional têm o status de Reserva da Biosfera, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). A Fundação SOS Mata Atlântica indica que a empresa é a principal responsável pela regeneração desse bioma no Paraná, chegando a quase 30% da recuperação observada no Estado nos últimos 30 anos.

A Itaipu

Com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, tendo produzido, desde 1984, 2,8 bilhões de MWh. A hidrelétrica é responsável pelo abastecimento de aproximadamente 8% de toda a energia consumida pelo Brasil e aproximadamente 85% do Paraguai.

Comentários

Deixe a sua opinião