Colégio Sesi Internacional - display portal

100fronteiras: Quem é João Morales?

João Morales: Sou iguaçuense nato, tenho 41 anos e moro na região do Três Lagoas. Tive uma infância com muita dificuldade financeira. Sou o caçula de uma família de oito filhos e comecei a trabalhar desde os 12 anos. Com isso fui conhecendo a vida fora de casa, trabalhando como vendedor ambulante.

Aos 13 enfrentei a fila da Ponte da Amizade como vendedor de bebidas. E aos 14 comecei a trabalhar como empacotador, depois office-boy e aí fui para o setor de transporte internacional de cargas. Depois para a área do comércio exterior como despachante aduaneiro e a partir de 2000 abri uma empresa familiar com meus irmãos, que temos até hoje.

100f: Como iniciou na vida política?

João: A história do porque sair candidato é mais voltada dentro do trabalho social que tenho. Sempre fui envolvido com a comunidade, desde os 14 anos, com a catequese. Também fui coordenador do Grupo de Jovens, sempre muito envolvido com o trabalho social. Então na juventude já tinha brotado essa ideia, mas por duas vezes foi adiado por um projeto ainda maior que o meu, da qual apoiei e fiz parte.

Em 2012 eu decidi sair como candidato a primeira vez, com pouco experiência, mas muita vontade. Aí em 2016 decidi sair novamente e por muito pouco não entrei, mas valeu a experiência.

No governo do Chico Brasileiro eu fui diretor de planejamento da Secretaria de Esportes, onde pude mostrar meu trabalho, angariando vários apoios que resultaram na minha eleição em 2020.

100f: Imaginava que seria eleito?

João: Eu sempre fui positivo, sempre tive essa sensação de que seria eleito. Sempre mantivemos os contatos com os eleitores e via deles essa frase “dessa vez vai” e isso me deu muita confiança e vontade de ir além e deu certo.

100f: Qual o sentimento de ter sido eleito pela primeira vez?

João: É um sentimento ímpar. Porque não tínhamos uma infraestrutura financeira alta, mas tínhamos um grupo envolvido por paixão, por amor a história que a gente tem. Então é muito gostoso, foi uma sensação de ganhar um prêmio muito grande, porque não é só a minha vontade, mas de um grupo muito grande. É uma sensação maravilhosa.

100f: Para você, qual a função do vereador?

João: A função é de extrema importância. Vejo que nós precisamos de fato estar inteirado sobre o que está acontecendo no poder público. Precisamos estar por dentro daquilo que está sendo votado, discutido, dos valores que estão sendo pagos nas obras. Temos que ter essa função de fiscalizar e essa sensibilidade de fazer projetos de leis em conjunto de acordo com a necessidade da massa, então é uma função extremamente importante.

100f: Qual será a sua postura na Câmara de Vereadores João Morales?

João: Precisamos ser justos. Acredito que oposição por oposição é falha. Temos que ver a necessidade de cada situação e trabalhar em cima da necessidade. Se for favorável a comunidade, para trazer benefícios para a comunidade, é válido estarmos apoiando e aquilo que vai contra o que acreditamos temos que ter uma postura justa.

João Morales vereador Foz
João Morales foi eleito vereador de Foz pela primeira vez.

100f: Quais projetos você pretende levar para a Câmara de Vereadores?

João: Como sou da região do Três Lagoas, temos uma grande região e temos a prainha. Mas em comparação com as outras cidades da região lindeira ao lago de Itaipu as prainhas dão certo e a do Três Lagoas não. Recebemos os royalties e não temos uma estrutura nessa prainha e vejo que temos que trabalhar em cima disso para que venha o desenvolvimento local.

Porque acredito que a partir do momento que desenvolvermos a prainha e trouxermos ela para gerar a economia para cidade, o cenário vai mudar e a frequência de pessoas começará a movimentar o comércio local, o que gerará empregos e renda para a região. E hoje o turista vem a Foz e vê as placas da prainha artificial, mas não tem estrutura para ser visitada.

Então vejo que temos uma potência, que é a prainha do Três Lagoas, e que precisa ser melhorada. Precisamos potencializar isso através da força política, com o executivo, com a Itaipu Binacional, para podermos dar uma resposta a comunidade, que espera por isso.

O segundo ponto é o comércio exterior que nunca teve uma pasta no município, nem agregada a Secretaria de Indústria e Comércio. Sendo que é a segunda potência do município. Nós temos o maior porto da América Latina em movimentação de cargas aqui em Foz, geramos uma grande porcentagem de empregos direta e indiretamente pelo comércio exterior, e nós não temos um auxílio hoje do município. E por isso vamos lutar por essa bandeira, para que pelo menos se crie uma diretoria de comércio exterior para que os assuntos pertinentes sejam discutidos nesse espaço e possamos brigar pelas demandas.

Outra classe que nos ajudou muito foram os profissionais do turismo, os donos de vans e guias de turismo que nessa pandemia foram um grupo que não foi defendido e temos que defender.

E também o esporte, como fui diretor de esportes, minha bandeira é atender as entidades, levando as demandas para o executivo.

100f: Para fechar que agradecimento gostaria de deixar?

João: A mensagem que gostaria de passar é que a gratidão é tamanha, a responsabilidade é tamanha, porque o preço da votação que tive são valores. As pessoas depositaram uma grande confiança em mim, depositaram um crédito muito grande, da qual sou responsável em dar uma boa resposta.

Então esperem de mim uma atuação coerente, bem forte, para que a gente possa dar a melhor resposta possível. Sou muito grato a cada voto que recebi, a cada pessoa que confiou e até hoje manda mensagem dizendo que confia em mim e que eu mereço. Então eu vou fazer por merecer cada voto que recebi.

leia também!

Formada em Jornalismo na UDC e pós-graduada em Relações Internacionais Contemporâneas na Unila, atualmente é jornalista da 100fronteiras e recentemente conquistou pela 100fronteiras o primeiro lugar no 1º Prêmio Faciap de Jornalismo.

Comentários

Deixe a sua opinião