Foi a primeira vez que Foz do Iguaçu sediou uma final da SapientiaOlimpíada do Futuro, promovida pelo Instituto Vertere – que é a primeira olimpíada do conhecimento a fomentar a produção de projetos que impactam de forma positiva e efetiva a sociedade civil do país.

Olimpíada do Futuro em Foz
Troféus.

INSTITUTO VERTERE

Criado em 2016, o Instituto Vertere é uma entidade jurídica sem fins lucrativos que tem por objetivo promover e democratizar o acesso às olimpíadas do conhecimento no Brasil e nos demais países com os quais mantém parcerias. A entidade aposta no poder transformador das olimpíadas como uma forma barata e eficiente de democratizar o ensino de qualidade e desenvolver o potencial de alunos e professores. Os profissionais envolvidos com o Instituto participaram na criação, desenvolvimento e execução das principais provas olímpicas do Brasil, incluindo Astronomia, Física, Biologia, Informática, Geografia, Economia, Linguística, Neurociências e Medicina.

Olimpíada do Futuro em Foz
Jurados da final.

Os projetos são desenvolvidos com base nas disciplinas estudadas em sala de aula e as ideias propostas pelos alunos foram avaliadas pelo grau de inovação, impacto socioambiental e factibilidade de implantação da proposta.

Os projetos surgiram a partir da preocupação dos alunos em resolver problemas reais com base nos 17 princípios da Organização das Nações Unidas (ONU) para sustentabilidade do planeta. As propostas foram divididas em três pilares: Ser Humano e a Vida; Ser Humano e as Ferramentas e o Ser Humano e o Próximo. Depois de passarem por diferentes etapas de planejamento, desenvolvimento e prototipagem, as equipes, formadas por alunos do Ensino Médio, elaboraram planos de negócios, sites próprios, projeções financeiras, e vídeos inspiracionais. Os trabalhos foram avaliados por um júri composto por especialistas do mercado financeiro, educadores, empresários, designers e jornalistas que, entre outros critérios, analisaram quais projetos apresentavam maior possibilidade de evolução prática.

Olimpíada do Futuro em Foz
O prefeito de Foz, Chico Brasileiro, esteve presente no evento.

Durante dois dias diversos estudantes de várias regiões do país se reuniram no Mabu Interludium Iguassu Convention para as etapas finais da olimpíada que teve como meta premiar os melhores projetos do país com base nos seguintes critérios:

1 – Relevância do problema (impacto social);

2 – Criatividade da solução;

3 – Capacidade de execução dos projetos;

4 – Capacidade de comunicação da equipe.

Ao todo dez equipes estavam entre as finalistas e, no dia 2 de dezembro, foi realizada a semifinal da competição que escolheu os cinco melhores projetos. No dia seguinte, foi realizada a final do evento e foram premiados os melhores cases divididos nas categorias: Ouro, Prata e Bronze. Sendo que uma equipe conquistou o primeiro lugar; duas equipes, o segundo; e duas equipes, o terceiro, totalizando os cinco finalistas. Foram eles:

BRONZE:

LEGADO

Líder de equipe: Sonia Medina

País: Paraguai

Proposta: O Legado tem como objetivo a realização de atividades recreativas, educacionais e econômicas no Lar de Idosos, no município de Caacupé, favorecendo os cuidados com a saúde física e mental dos idosos, proporcionando-lhes movimento, alegria, relações sociais e a elevação da autoestima, demonstrando que podem realizar atividades lucrativas.

Olimpíada do Futuro em Foz

IDIOMAPA
Líder: Gabriela dos Santos

Região: Bahia, Brasil
Proposta:
O Idiomapa é um projeto desenvolvido por jovens brasileiros que buscam disseminar as línguas e culturas presentes no Brasil, para que essas sejam integradas e conhecidas por todos. O que o Idiomapa busca é o multiculturalismo, transmitir conhecimento acadêmico e social de forma lúdica e instigante para a formação de uma sociedade mais plural. Para isso fornecerá cursos interdisciplinares, adequando-se à nova BNCC e permitindo amplas oportunidades educacionais.

PRATA:


INSTITUTO ANDAPÉ
Líder: Carolina Campos
Região: Distrito Federal, Brasil
Proposta:
Elaborar pavers com materiais que substituam as formulações do cimento atual, além de promover maior acessibilidade – tanto social quanto econômica. Além de estimular a diminuição da extração da areia lavada e da emissão de CO2 pela produção de cimento; reciclagem da borracha do pneu e do sisal; qualidade de vida com menos ilhas de calor e mais acessibilidade. Criar calçadas com teor mais ecológico pela presença de materiais recicláveis (borracha de pneu e sisal) que substituam a quantidade de cimento e areia.

Olimpíada do Futuro em Foz

SELF
Líder: Pedro Rodrigues
Região: São Paulo, Brasil
Proposta:
O projeto buscou desenvolver competências nos jovens a partir da criação de uma plataforma de desenvolvimento; formação de grupos virtuais; construção de um livro didático que poderá ser usado em escolas parceiras; tutoria de graduandos voluntários. O projeto é voltado para estudantes de Ensino Médio de todo o país. O público terá faixa etária entre 15 e 18 anos de idade; essa faixa foi estipulada considerando a recorrência de desequilíbrios emocionais do período, bem como a ideal elasticidade cerebral dos indivíduos.

Olimpíada do Futuro em Foz

OURO:

APP SORRIA
E o grande vencedor da Olimpíada do Futuro foi um grupo de cinco estudantes dos estados do Ceará, Minas Gerais e São Paulo que desenvolveram o aplicativo Sorria, com informações, consultas e tratamento fisioterápico para pacientes com paralisia facial. Entre as possibilidades do app estão a adaptação a diferentes tipos de paralisia e estágios do tratamento, a geração de relatórios instantâneos e, principalmente, a facilidade de realizar os exercícios a qualquer momento e em qualquer lugar.

Olimpíada do Futuro em Foz

Equipe STRIKE, do Colégio Bertoni, realiza recepção calorosa dos participantes da Sapientia

Para recepcionar os estudantes que vieram para a grande final da Olimpíada do Futuro em Foz do Iguaçu, os alunos do Colégio Bertoni, que fazem parte da equipe olímpica STRIKE, organizaram uma grande festa com direito a muita diversão na área da piscina do Mabu Interludium Iguassu Convention.

Festa da Strike para os alunos da Olimpíada do Futuro em Foz

Gustavo Wigman (centro), presidente do Instituto Vertere, com Fernanda Fedrigo e os jurados da final Dimas Bragagnolo (ACIFI/Sicoob), Amaury Pontieri (Grupo Bertoni) e Wilson Ohara (Sharpen Capital). 

O evento contou com a presença dos integrantes da STRIKE e das equipes participantes, além de professores.

Strike - Colégio Bertoni
Esse conteúdo foi capa invertida da edição de janeiro da Revista 100fronteiras.

 A STRIKE é uma equipe participante da FIRST Robotics Competition (FRC), formada em 2017 no Colégio Bertoni, em Foz do Iguaçu, integra o grande projeto de Inovação que embasa os itinerários formativos do Ensino Fundamental e do Novo Ensino Médio da instituição. Desde então, a equipe já teve mais de 90 integrantes e representou o Brasil em competições em Montreal, Canadá; Houston, EUA; Istambul, Turquia; e Dubai, Emirados Árabes.

Festa da Strike para os alunos da Olimpíada do Futuro em Foz
Carolina Wigman (Vertere) agradece à STRIKE pela festa. 

O FRC é uma competição de robótica de porte industrial que desafia estudantes de 14 a 18 anos a projetar, construir e programar robôs que podem chegar a 2 metros de altura e pesar até 60 kg. Todo ano, em janeiro, um novo jogo é lançado e a equipe tem poucas semanas para cumpri-lo. Ao longo da competição, empresas como Ford e GM premiam robôs que se destacam pelo seu design, robustez e capacidade de executar tarefas autônomas. Além disso, cada equipe é avaliada pelo seu potencial empreendedor ao longo do ano, e pela sua habilidade de disseminar entusiasmo por Ciência e Tecnologia. A competição acontece em apenas sete países – EUA, Canadá, China, Turquia, México, Austrália e Israel, e conta com o apoio das gigantes do mercado, como NASA, Google, Amazon, Apple, Disney e outros.

Festa da Strike para os alunos da Olimpíada do Futuro em Foz

Formada em Jornalismo na UDC e pós-graduada em Relações Internacionais Contemporâneas na Unila, atualmente é jornalista da 100fronteiras e recentemente conquistou pela 100fronteiras o primeiro lugar no 1º Prêmio Faciap de Jornalismo.

Comentários

Deixe a sua opinião