Elas participaram do Projeto Empreendendo Esperança e Solidariedade, apoiado pelo Programa Força Voluntária da Itaipu Binacional e desenvolvido pela Cáritas

As longas caminhadas de Zulma Ramos, 47 anos, até o Curso de Corte e Costura eram repletas de questionamentos. O sol forte e as dificuldades de locomoção com as filhas gêmeas ainda pequenas a desmotivavam a continuar. Porém, a persistência a levou, juntamente com suas 13 colegas de turma, à conquista do sonhado diploma. Após três meses de curso, o que era dúvida se transformou em motivo de orgulho para Zulma quando ela assistiu ao desfile de modas das lingeries feitas com as técnicas aprendidas na capacitação.

As confecções puderam ser vistas na última terça-feira (26) na passarela montada no Centro Universitário UDC Monjolo para a formatura das alunas do curso de corte e costura com foco na fabricação de lingeries. Elas participaram do Projeto Empreendendo Esperança e Solidariedade, apoiado pelo Programa Força Voluntária da Itaipu Binacional e desenvolvido pela Cáritas, por meio do Projeto Anjo Gabriel.

“Não consigo nem explicar a minha felicidade. Jamais imaginei que um dia eu fosse receber um diploma de corte e costura. A partir de agora, vou poder ajudar na renda da minha casa com o meu próprio trabalho”, afirmou Zulma.

Autonomia financeira 

O desfile, feito em parceria com o Curso de Design de Moda do Centro Universitário UDC, coroou toda a trajetória de 14 mulheres que antes se encontravam em situação de vulnerabilidade social e agora já podem ingressar no mercado de trabalho com uma qualificação profissional.

“Nosso objetivo com o projeto foi capacitar essas mulheres e estimular o empreendedorismo para que elas ganhem autonomia. Com ele, nós também trabalhamos a autoestima e as condições psicológicas”, ressalta Jéssica Maciel, integrante da equipe gestora do Programa Força Voluntária de Itaipu.

Os reflexos dessa independência financeira foram vistos antes mesmo da formatura. Uma das alunas já conseguiu emprego com carteira assinada e outras três estão trabalhando em casa com máquinas próprias. Uma delas é a Zulma.

“Com o meu trabalho, eu não passo mais necessidade. Estou fazendo as lingeries em casa, costurando para outras pessoas e no meu lar não falta mais nada”, celebrou a formanda. “Daqui a um ano eu me vejo ainda mais profissional. Quem sabe até sendo professora de algum curso sobre corte e costura de lingerie. Eu sinto muito orgulho de mim e quero pensar cada vez mais alto.”

Banco de Projetos

O Projeto Anjo Gabriel, que é desenvolvido pela Cáritas de Foz do Iguaçu, foi selecionado na 13ª Edição do Banco de Projetos do Programa Força Voluntária da Itaipu. As iniciativas contempladas ganham um aporte financeiro para desenvolver as ações. O diferencial do Banco de Projetos, é que, para serem indicadas, os projetos das ONGs precisam ter a participação de um empregado da usina.

A equipe voluntária desse ano foi composta ainda pelos profissionais da Itaipu Kleber Vanolli, da Superintendência de Gestão Ambiental, que também foi o líder do grupo, e Cíntia Bena, da Divisão de Educação Ambiental.

 

Comentários

Deixe a sua opinião