O Bispo Dom Sergio de Deus Borges nasceu em Alfredo Wagner, Santa Catarina, em 1966. Vindo de uma família católica de sete irmãos, tinha o pai agricultor e a mãe professora. “Quando adolescente, em casa com a família, trabalhávamos na lavoura, e o principal cultivo era a cebola”, comenta. 

Ainda criança, entre os 11 e 12 anos de idade, recebeu o chamado vocacional: queria ser padre e dedicar-se ao serviço da Igreja. Então aos 14 anos ingressou no seminário, quando iniciou o ensino médio no seminário em Salete, Santa Catarina. Após o ensino médio, cursou Filosofia em Ponta Grossa/PR e Teologia em Londrina/PR. Concluído o curso de Teologia, recebeu a ordenação sacerdotal, em 6 de fevereiro de 1993, na cidade natal, mas com vinculação jurídico-canônica à Diocese de Cornélio Procópio/PR, onde atuou por todo o tempo em que foi sacerdote.  

Dom Sergio em uma das missas na Diocese de Foz. (Foto: Divulgação)

Ele também dedicou bastante tempo do ministério ao poder judiciário canônico, no qual foi juiz e vigário judicial (presidente) do Tribunal Eclesiástico Interdiocesano de Londrina e presidente da Sociedade Brasileira de Canonistas. Foi ainda professor e diretor do Instituto Teológico Paulo VI, em Londrina, e professor e diretor do curso de Teologia na PUC-PR, campus de Londrina. Também foi diretor do Mestrado em Direito Canônico, em Londrina.

O caminho até tornar-se bispo 

Dom Sergio frisa que ser bispo não é um projeto pessoal, é uma missão que a Igreja lhe confia a partir do exercício do ministério sacerdotal e das necessidades da missão. “Após 19 anos exercendo o sacerdócio na Diocese de Cornélio Procópio, recebi o convite para uma audiência com o senhor núncio apostólico no Brasil, onde ele disse-me que o papa Bento XVI havia me nomeado bispo. Isto aconteceu em 2012 e foi uma grande surpresa e certamente um passo de muita responsabilidade diante de Deus e junto ao povo de Deus, na Igreja”, ressalta.

A Foz do Iguaçu, ele chegou em 2019, após um convite que lhe deixou muito surpreso, pois estava trabalhando em São Paulo e recebeu o telefonema da Nunciatura informando que havia sido nomeado, pelo papa Francisco, bispo de Foz do Iguaçu. “Fiquei muito feliz com a nomeação. Já conhecia o Paraná e tinha boas notícias sobre a caminhada da Igreja em Foz do Iguaçu, principalmente o trabalho firme dos padres, religiosos e leigos. Cheguei a Foz no mês de setembro de 2019, e a posse no ofício de bispo diocesano foi no dia 7 de setembro de 2019”, relembra.

Dom Sergio informa que sua missão em Foz do Iguaçu é trabalhar para que a “palavra divina” chegue a todos os corações, para que todos possam louvar o Senhor, anunciar com alegria Sua palavra e viver intensamente a caridade em favor dos mais frágeis, incluindo os que vivem nas periferias existenciais. “Mas o belo será trabalhar para colocar novamente a família no centro da vida da Igreja e da sociedade, porque a família é o grande tesouro de uma sociedade com visão de futuro.” 

Dom Sergio de Deus Borges. (Foto: Divulgação)

Impressionado com a grandiosidade da catedral da Vila A, Dom Sergio afirma:

“Quando passo pela Avenida Paraná em direção à catedral, uma das mais belas imagens é esta belíssima igreja que se eleva ao longe entre as árvores. Apaixonei-me pelo projeto e pelo grande sonho de toda a comunidade católica de Foz do Iguaçu em construir uma catedral com tanta beleza. O projeto da catedral atende a uma dimensão muito importante da fé, já citada pelo papa Francisco, que é o cultivo do belo: ‘Anunciar Cristo significa mostrar que crer n’Ele, e segui-Lo não é algo apenas verdadeiro e justo, mas também belo, capaz de cumular a vida dum novo esplendor e duma alegria profunda, mesmo no meio das provações’”.

Dom sergio

Formada em Jornalismo na UDC e pós-graduada em Relações Internacionais Contemporâneas na Unila, atualmente é jornalista da 100fronteiras.

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião