100fronteiras: Quem é Alex Meyer?

Alex Meyer: Sou natural de Foz do Iguaçu, tenho 34 anos e sou da região do Porto Meira. Tive uma infância voltada para a área social, voltada aos projetos sociais da região.

Ao longo dos anos comecei a trabalhar na Organização da Sociedade Civil (OSC) – Sociedade Civil Nossa Senhora Aparecida – e ao mesmo tempo recebi a oportunidade de estudar, sou licenciado em Pedagogia, minha bandeira é voltada para a área de infância e juventude.

Também já fui presidente do Conselho Municipal da Criança e Adolescente do município de Foz do Iguaçu. Já coordenei o grupo de aprendizagem da inserção dos jovens no mercado de trabalho.

100f: Qual a sua relação com a política? Já havia se candidato antes?

Alex: Foi a primeira vez que coloquei meu nome a disposição e graças a Deus fui agraciado por ser eleito com 1451 votos. Eu nunca tive aspiração de ser político, mas a minha candidatura nasceu do coletivo.

Portanto, temos um grupo dentro da nossa área de trabalho e amigos e começamos a nos envolver com política nas eleições de 2016 e lançamos um candidato que acabou não se elegendo.

Agora nesse pleito de 2020 nós sentamos e as pessoas decidiram colocar meu nome a disposição. Refleti bastante, pois é uma grande decisão, não é fácil encarrar uma candidatura.

Conversei primeiro com a minha família, que é muito importante nesse momento, conversei também com meu presidente, pois estou há 15 anos nessa Organização que gerencia o Poliambulatório e demais projetos, conversei com outros colegas e todos deram aval.

Então no final de 2018 dei meu sim e em 2019 iniciamos o trabalho de pré-campanha e estudo.

E fomos somando peças importantes dentro desse jogo e incluindo pessoas que nos ajudaram muito ao longo dessa campanha, até chegar em 2020 e termos essa vitória nas urnas.

Todavia sempre foi uma campanha coletiva, nunca partiu do Alex, mas sim de um grupo de pessoas que acreditavam que eu era indicado a estar aí.

100f: Imaginava que seria eleito?

Alex: Nunca temos a certeza do que vai acontecer, porque a política é sempre muito imprevisível. Tivemos uma porcentagem alta de renovação dentro da Câmara de Vereadores, nunca aconteceu isso na história, então a população deu seu recado.

E eu sempre costumo ter um ditado de que se você entra perdendo psicologicamente você nunca vai conseguir, então tem que ter otimismo e visualizar que vai dar certo. Mas com o pé no chão e seriedade naquilo que você está fazendo. Quando você faz um trabalho com ética e responsabilidade é muito difícil que as não aconteçam.

Então eu tive certeza ao longo desses 15 anos no trabalho com mais de duas mil famílias e também principalmente tinha muita certeza do caráter que o Alex tem e que muitas pessoas referenciam. Então acreditava sim que nossa vitória seria possível.

Graças a Deus deu certo, primeiramente acredito muito em Deus e depois em nosso trabalho.

100f: Qual o sentimento de ter sido eleito?

Alex: Primeiro é de felicidade. Não só pela questão de vencer as urnas, mas de poder viver. A minha história é uma história de testemunho verdadeiro.

Passei 60 dias internado em decorrência da Covid-19, 27 dias entubado. E foi bem no começo da campanha. No fim eu tive só 20 dias de campanha mesmo para poder me eleger.

Claro que fiz um longo trabalho de pré-campanha com a equipe, que é muito forte. Mas de certa forma então me considero uma pessoa muito vitoriosa, porque consegui vencer essa doença terrível e também Deus nos agraciou em poder vencer nas urnas.

Então eu acredito que se eu estou aqui ainda é porque eu tenho um propósito, seja na política ou em qualquer outro segmento, e eu não cumpri meu papel aqui ainda.

Por isso agradeço todos os dias por estar vivo e agora por poder trabalhar por essa cidade que tanto amo, tanto respeito e por essa população que é tão batalhadora e que merece que tenham representantes a altura que vão fazer a diferença em prol da sociedade.

Alex Meyer
Alex Meyer foi eleito vereador de Foz pela primeira vez.

100f: E como você vê a função do vereador?

Alex: Quanto a cidadão que cobra, tem que existir essa cobrança, porque você é um representante do povo e é importante que você esteja alinhado com a população.

Tenho ciência que esse será um mandato muito difícil, tanto para o executivo quanto ao legislativo, porque estamos vivendo em uma pandemia.

Nesse ínterim, temos uma série de pessoas desempregadas e uma série de empresas que foram fechadas e isso torna tudo muito difícil. Por isso teremos um grande trabalho de retomada econômica que só será possível com o trabalho em conjunto e muito bem planejado. Eu não me vejo diferente de ninguém.

Acho que a população tem que cobrar e a imprensa tem total liberdade de estar informando a população sobre tudo o que for ocorrendo dentro do nosso legislativo. Eu me sinto preparado e como todo e qualquer vereador existirá cobranças e isso é natural. Queremos lutar para fazer um bom trabalho.

100f: Como será a sua postura na Câmara de Vereadores?

Alex: Ao longo de todo o meu trabalho a minha postura sempre foi muito séria e sempre mantenho essa postura de seriedade dentro do meu trabalho e de cobrança dentro da minha equipe também.

Não vou mudar, Alex é o que é e muitas pessoas sabem do meu jeito de ser e do meu caráter.

100f: E quais serão seus projetos?

Alex: Temos um planejamento já estruturado e eu venho de uma organização que já tem três pastas dentro dela que é saúde com o Poliambulatório. Educação, a nossa creche Centro de Educação Infantil Mãe (CEI) lá no Porto Meira e três projetos na área social que é o Centro de Atenção Integral ao Adolescente (CAIA), o Centro de Aprendizagem e Formação (CAF) e o Projeto Caminhos.

Então temos essas três grandes áreas lá dentro; saúde, educação e assistência social. Claro que vou abranger todas as áreas do munícipio, mas a minha bandeira principal é a infância e adolescência. E meus projetos são voltados a isso, porque essa moçada não é o futuro, mas sim o presente, então precisamos trabalhar muito na prevenção, pois trabalhar com esses jovens vai evitar que eles escolham maus caminhos futuramente.

Segurança pública ganha, educação ganha, saúde ganha, então todo o município ganha. Por isso, pensamos em alguns projetos como o passe livre estudantil, esporte, cultura e lazer dento dos próprios bairros e investir muito mais em cultura para esses jovens.

Também temos um projeto de fazer cursinhos pré-vestibulares, usando as estruturas que a prefeitura tem, para os jovens que não tem condições de se prepararem.

Temos projetos para a área da segurança e saúde também, mas isso tudo estamos em processo de trabalho.

100f: Que mensagem você gostaria de deixar aos iguaçuenses?

Alex: Primeiro agradecer aos 1451 votos de confiança que nós recebemos. Mas não vamos governar apenas para essas pessoas, vamos governar para toda a cidade. Podem contar com o vereador Alex Meyer.

Quero destacar que nosso gabinete e minha equipe estará a disposição de Foz do Iguaçu para o que necessitar, dentro de nossas possibilidades.

Que acreditem muito em nosso trabalho e que confiem no trabalho dos colegas também. Houve uma renovação muito grande e acredito que toda a Câmara será muito parceira para uma construção coletiva e benéfica para todos os cidadãos iguaçuenses.

E além disso, deixo bem claro a minha história de vida. Refleti muito quando estava internado e eu acredito também que isso me fez melhorar muito mais como ser humano, depois de tudo que passei, dentro desses 60 dias.

Então é um sentimento de gratidão e um desejo muito forte de trabalhar, de fazer a coisa certa para que essas pessoas do município tenham um suporte e uma crença de que vamos fazer um trabalho de muita relevância dentro desse mandato.

Leia também!

Edivaldo Alcântara vereador de Foz

Edivaldo Alcântara: vereador defenderá o transporte público de Foz

Participe do nosso grupo do Whats Clique aqui e receba as principais notícias da fronteira 100fronteiras: Quem é Edivaldo Alcântara? Edivaldo Alcântara: Eu tenho 45 anos e estou em Foz há 40 anos. Moro na invasão do Portal da Foz e pela dificuldade que nós temos com o poder público isso me incentivou a entrar […]

Formada em Jornalismo na UDC e pós-graduada em Relações Internacionais Contemporâneas na Unila, atualmente é jornalista da 100fronteiras e recentemente conquistou pela 100fronteiras o primeiro lugar no 1º Prêmio Faciap de Jornalismo.

Diálogos 100fronteiras

Deixe a sua opinião