Com a participação de representantes de 22 países, o primeiro Simpósio Global de Soluções Sustentáveis para Água e Energia, realizado em parceria pela Itaipu Binacional e o Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas (Undesa), chegou ao fim nesta quarta-feira (15) com uma mensagem de esperança.

“Vimos soluções em água e energia que não estão só no papel, estão sendo implementadas. Isso nos mostra como somos capazes de alcançar um desenvolvimento sustentável”, afirmou o líder da Equipe de Energia Sustentável da Undesa, Minoru Takada.

O objetivo do Simpósio foi compartilhar e explorar, com especialistas e representantes de entes públicos e privados, as melhores práticas em relação ao uso sustentável dos recursos.

Os debates aconteceram em Foz do Iguaçu (Brasil) e em Hernandárias (Paraguai) e trataram de mudanças climáticas, conservação e aproveitamento com base em novas tecnologias, entre outros temas, em consonância com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.

Ao final do evento, Martin Niemetz, especialista em Desenvolvimento Sustentável da Undesa, apresentou uma minuta com as conclusões do encontro.

Entre os 10 pontos constantes da carta, é possível destacar o consenso entre os países participantes (além de Brasil e Paraguai, Argélia, Bolívia, Emirados Árabes Unidos, Equador, Espanha, Estados Unidos, Etiópia, Filipinas Gana, Guatemala, Índia, Líbano, Nepal, Omã, Paquistão, Quénia,  Sudão, Suíça, Tajiquistão e Tunísia) sobre a necessidade de sinergia para a cooperação na mitigação de problemas climáticos; fortalecimento de políticas de longo prazo para as questões envolvendo água e energia; e concentração de esforços e recursos financeiros para ampliar e acelerar o investimento em soluções inovadoras, como hidrogênio verde, por exemplo. O relatório final do encontro deverá ser apresentado nos próximos dias.

Na visão do diretor de Coordenação brasileiro da Itaipu, Luiz Felipe Carbonell, é possível contribuir ainda mais para o debate global nas questões de interesse comum.

“Pudemos ver exemplos bem-sucedidos de manejo de territórios e de água. Essas iniciativas são fundamentais para estabelecermos estratégias para ultrapassar possíveis crises”, apontou. Segundo ele, é papel da Itaipu Binacional fornecer apoio para os que os dois países possam cumprir as metas globais.

Já o diretor de Coordenação paraguaio de Itaipu, Gustavo Ovelar, reforçou a importância da cooperação entre a empresa e a Undesa, fortalecida por meio do Simpósio, na busca por ferramentas que possam auxiliar o incentivo às políticas públicas vinculadas às soluções sustentáveis para água e energia.

Parceria

Itaipu Binacional e Undesa fundaram, em 2018, a Rede Global para Soluções Sustentáveis de Água e Energia. A proposta é compartilhar boas práticas e experiências com instituições e governos de todo o mundo, a fim de conectar as metas dos ODS 6 (água) e 7 (energia) aos demais que compõem a Agenda 2030 das Nações Unidas. Atualmente, a Rede já conta com 23 membros de todo o planeta.

A Itaipu

Com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, tendo produzido, desde 1984, 2,8 bilhões de MWh. Em 2021, a hidrelétrica foi responsável pelo abastecimento de 8,4% de toda a energia consumida pelo Brasil e 85,5% do Paraguai.

Comentários

Deixe a sua opinião