De volta a cidade de Foz do Iguaçu (PR) – desta vez como ponto de largada – o Sertões 2022 começa a respirar. Isso porque as equipes participantes já começaram a chegar ao município e formam uma fila quilométrica para adentrar ao Charrua Parque de Exposições e Eventos. No total, são mais de 300 competidores – 40 carros, 83 UTVs e 58 motos e quadriciclos. (Em 2015, a cidade foi o local da chegada da competição)

Os motores serão ligados oficialmente no próximo dia 26 (sexta-feira), com o prólogo – tomada de tempo que define a ordem de largada para a primeira etapa e, no dia 27, a caravana se despede de Foz do Iguaçu, de onde segue para Umuarama (PR). A chegada é em Salinópolis (PA), no dia 10 de setembro.

Fotos: Kevin Castilho

E neste ano o Sertões torna-se o maior rally do mundo em uma edição histórica que comemora os 30 anos do evento e o bicentenário da independência. São 7.201 quilômetros, com 4.378 quilômetros de especiais. Além de Foz do Iguaçu, Umuarama e Salinópolis, fazem parte do roteiro: Presidente Prudente (SP), Campo Grande (MS), Costa Rica (MS), Barra do Garças (MT), São Félix do Araguaia (MT), Palmas (TO), Mateiros (TO), Bom Jesus (PI), Balsas (MA), Imperatriz (MA) e Paragominas (PA).

Uma aventura épica

A etapa mais longa será a 3ª (no dia 28) entre as cidades de Presidente Prudente (SP) e Campo Grande (MS), com 785 quilômetros. Porém, será na 5ª etapa (dia 31), que os competidores enfrentarão o maior trecho cronometrado desta edição: 526 quilômetros de aceleração máxima, entre Costa Rica (MT) e Barra do Garças (MT).   

“Uma aventura e tanto, e jamais vivida no rally nacional”, disse o piloto Gunter Hink, que acumula nove participações no Sertões. O Sertões 2022 tem gerado muitas expectativas em todos os participantes devido a sua extensão, dificuldades e número de etapas – serão 14. O que exige uma preparação intensa da máquina e de todos os integrantes da equipe. Seguiremos com uma estrutura própria, pois queremos fazer a diferença no Sertões 30 anos, destaca ele, que defende as cores da MSL Rally e conta com a navegação de Deco Muniz. A dupla vai acelerar a picape protótipo GLG-01.

Fotos: Kevin Castilho

Para obter êxito e subir ao pódio da categoria T1 FIA, a MSL Rally contará com quatro carros de apoio e quatro mecânicos, além do chefe de equipe, Giovanni Godoy, e o manager, Marcelo Mendes. Serão dois motorhomes, um caminhão cegonha, um foodtruck e gerador próprio. No total, são 21 pessoas que oferecerão suporte técnico necessário para cruzar a linha de chegada.

A GLG-01 é um projeto 100% nacional, equipada com motor Coyote de 5.000 cc V8, a gasolina, cujo ronco deixa qualquer apaixonado por automobilismo arrepiado. Tem estrutura tubular spaceframe em aço liga de cromo-molibdenio, suspensão independente nas 4 rodas, curso de 275mm duplo “A” na dianteira e Multilink na traseira, dois amortecedores King Stocks por roda, powertrain 4×4 integral SADEV de 6 velocidades, intercambiáveis e sequencial. 

Comentários

Deixe a sua opinião