O Pronampe se tornou uma linha de crédito permanente no dia 25 de julho deste ano. E agora – um mês depois desse feito -, no dia 25/08, os 12 bancos que ofereceram empréstimos ao programa já tiveram cerca de R$21,3 bilhões em operações liberadas. Foram 221 mil MPEs beneficiadas em todo o país.

O Pronampe

O Capital de Giro Pronampe é uma linha de crédito vinculada ao Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), estabelecido pela Lei nº 13.999, de 19 de maio de 2020 e tornado permanente pela Lei Nº 14.161, de 2 de junho de 2021.

Segundo o Banco do Brasil, gestor do programa, mais de 23 mil clientes asseguraram R$ 2, bilhões apenas no primeiro dia. O Banco, que foi o primeiro a liberar as operações, relata que em 2021 o maior desembolso registrado foi de R$ 2,1 bilhões em um dia.

A linha de crédito tem o objetivo de favorecer todos os setores da economia. Na fase inicial, 54% das empresas que foram atendidas são do comércio, 31% do serviço e 15% são pequenas indústrias.

Nos últimos dois anos, a partir de março de 2020, 754 mil empresas foram apoiadas pelo crédito disponibilizado. totalizando um valor maior que R$ 200 milhões. Em junho de 2022, foi registrado o maior desembolso mensal, de R$ 7 bilhões. Em 2020 e 2021, foram liberados um total de R$ 15,2 bilhões, atendendo mais de 186 mil empresas.

Entre as empresas que oferecem apoio ao Pronampe, nota-se: Banco do Brasil S.A., Banco Daycoval S.A., Sicoob, Banrisul, BDMG, Bradesco, AILOS – Cooperativa Central de Crédito, Banco da Amazônia S.A, Caixa Econômica Federal, Santander e SICREDI. Nem todos começaram a oferecer a linha de crédito imediatamente.

O presidente Bolsonaro, em discurso na sede da Associação Comercial de São Paulo, falou sobre o sucesso do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), que tem gerado recursos para o setor do comércio também.

“Criou-se quase 3 milhões de empregos. Quem cria empregos não sou eu, é o empreendedor, o empresário o agricultor”.

Jair Bolsonaro (Agência Brasil)

Comentários

Deixe a sua opinião