Fevereiro foi um ótimo mês para micro e pequenos empresas (MPEs) no Paraná, sendo a segunda maior marca do Brasil com números absolutos de 22,767 mil novas vagas. Esse número representa cerca de 54,7% do total de vagas criadas no estado, com todos os tipos de empresas sendo consideradas. O levantamento desses dados foi realizado pela Sebrae, levando como base dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério da Economia.

As micro e pequenas empresas do Paraná tiveram o mês com melhor desempenho quando o assunto é a geração de novas vagas, mesmo em tempos da pandemia de covid-19. Foi feita uma comparação com os últimos doze meses e fevereiro se revelou como o melhor até agora, superando ainda outubro e novembro que haviam sido apontados como os meses mais favoráveis. 

Em Foz do Iguaçu

Na Terra das Cataratas não foi diferente; houve também um aumento de empregos nas áreas de micro e pequenas empresas e isso se deve especialmente pela pandemia. Como muitas pessoas infelizmente perderam os empregos formais, tiveram que se virar para continuar com a renda para sustentar a casa e a família, e uma solução são as micro empresas.

Para se ter uma noção, apenas no ano passado, houve um aumento de cerca de 64% de Microempreendedores Individuais (MEIs), e estudos confirmam que esse número deve continuar crescendo. Em 2020, foram realizadas também 3.082 formalizações de MEIs na cidade, uma diferença expressiva do ano de 2019, que teve 1.010.

MPEs no Paraná

No estado, o setor de serviços foi o que mais teve vagas ofertadas em fevereiro, com 34,9% (7.959), seguido pelo comércio com 28,5% (6.498) e pela indústria da transformação (6.005). Das vagas geradas em fevereiro, 83,3% delas vieram dos pequenos negócios.

“As micro e pequenas empresas sustentam, mais uma vez, a geração de empregos. Por isso, precisamos cada vez mais apoiar o segmento, com políticas públicas dedicadas, pois ainda teremos um longo caminho para fazermos a retomada econômica que passa também pelo dinamismo dos pequenos negócios”, afirma o diretor-superintendente do Sebrae/PR, Vitor Roberto Tioqueta.

Cabelereiros foram um dos setores de serviço que cresceram, mesmo na pandemia.

Um dado positivo é que, em comparação com o mesmo período do ano passado, quando a pandemia ainda não havia se disseminado pelo país, o total de vagas geradas pelos pequenos negócios teve um aumento de 71%. Nesse ano, foram gerados 17.578 postos de trabalho a mais em relação ao mesmo período de 2020.

E no Brasil?

Cerca de 611 mil empregos foram gerados no primeiro bimestre, 476,7 mil foram das micro e pequenas empresas, enquanto, que, médias e grandes empresas criaram 134,1 mil novas vagas, uma diferença de 342,6 mil. Ainda que estamos em tempos de pandemia, o ano de 2020 foi próspero para MPEs e MEIs de todo o país, e são boas as previsões para 2021.

Diálogos 100fronteiras

Deixe a sua opinião