Foto: Freepik

Cães e gatos são animais considerados de topo de cadeia alimentar,assim como seus parentes selvagens lobos, raposas e onças: todos são predadores. E aos predadores não é dado o direito de mostrar suas fraquezas, pois passariam a ser considerados presas no ambiente selvagem.

Apesar de não estarem nesse tipo de ambiente, os pets carregam consigo esse comportamento. É por isso que muitos animais, mesmo sofrendo de graves problemas de saúde, não demonstram essas fragilidades,sendo esse o maior desafio na medicina veterinária diagnóstica. Uma vez que o diagnóstico é correto, pode-se propor tratamentos e estabelecer protocolos, se não de cura, de controle. Também estabelecer prognósticos.

É preciso individualizar o paciente e tratá-lo como um ser único,pois muitas doenças possuem sintomas parecidos. Apesar de haver inúmeras e maravilhosas tecnologias, incluindo medicamentos e equipamentos para o tratamento das doenças de cães e gatos, nada disso será efetivo se não forem utilizadas a partir de um diagnóstico correto.
Uma simples tosse poderia ser um problema relacionado com infecção respiratória, alergia, tumores, traumas, doença cardíaca, entre outras, mas cada uma dessas patologias demanda tratamentos diferentes. De nada adianta o uso exclusivo de um xarope contra tosse para um paciente com doença cardíaca. O tratamento deve ser direcionado para a causa, não para os seus efeitos.

A sensibilidade do profissional, o olhar experiente, a capacidade de compreender a relação do animal com o seu tutor, inclusive quanto às possibilidades e formas de tratamento, influenciam decisivamente o resultado desse tratamento. Tudo começa com um bom diagnóstico, e a medicina veterinária conta com inúmeros profissionais qualificados e experientes para ajudar nessa missão.

*Paulo Henrique da Silva, Graduado em Medicina Veterinária pela Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1991). Mestre em Ciência Animal pela Universidade do Oeste Paulista (2013), Especialista em Clínica Médica e Cirúrgica em Cães e Gatos pela Universidade Federal do Paraná – Campus Palotina(2008) e em Marketing e Propaganda pela Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Cascavel (1999). Professor Celetista no Centro Universitário Dinâmica das Cataratas nas disciplinas de Patologia Clínica Veterinária e Anestesiologia Veterinária (2012-2016). Pós-graduando em Gestão Empresarial pela FGV. Atualmente trabalha como Clínico e Cirurgião Geral na PetBrazil Clínica Veterinária em Foz do Iguaçu-PR. Desenvolve atividades de Responsabilidade Técnica e manejo de cães de detecção em vários estados do Brasil. Tem experiência na rotina de atendimento de cães e gatos há 28 anos ininterruptos.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva de seus autores, não representando a opinião do veículo.
Fotografia Pet: Freepik. Fotografia Paulo Henrique – Fozcolor – Leonardo Sergel.

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião