A resposta de Foz do Iguaçu frente à retomada do desenvolvimento socioeconômico pós-pandemia

Num momento em que o mundo ainda assiste atônito às consequências sociais e econômicas causadas pelo avanço global do novo coronavírus, Foz do Iguaçu figura entre as centenas de municípios brasileiros diretamente atingidos pela doença que, em menos de seis meses de existência, impôs ao planeta o que se convencionou chamar de “o novo normal”.

Graças a Deus e aos cuidados sanitários administrados pela prefeitura, com apoio fundamental da grande maioria da população e do empresariado local, a cidade tem conseguido retardar a velocidade de contágio da doença dentro do seu território.

Desde o dia 18 de março, data em que foi registrado o primeiro paciente infectado pelo covid-19, Foz do Iguaçu contabilizou, até o final de maio passado,128 casos confirmados e três óbitos. Números que evidenciam o acerto da gestão capitaneada pelo prefeito Chico Brasileiro frente à missão prioritária de se salvar vidas.

Acontece que o remédio para controlar o novo coronavírus na Terra das Cataratas trouxe consigo efeitos colaterais fortes. Em paralelo às ações para a garantia do efetivo isolamento social dos iguaçuenses, tão necessário ao combate à proliferação do vírus, a cidade recebeu um duro golpe no pilar central de sua base econômica: o turismo.

Diante do fechamento das fronteiras com Paraguai e Argentina, o cancelamento e a suspensão de milhares de passeios e estadas em hotéis,pousadas e atrativos, Foz do Iguaçu encerrou o primeiro quadrimestre deste ano com 12.132 demissões, frente a 8.375 admissões. A conta revela um saldo negativo de 3.757 vagas de emprego.

Divulgado pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) na última quarta-feira (27), o levantamento aponta que o desempenho ruim não foi exclusividade de Foz do Iguaçu, mas se repetiu também praticamente em todas as outras cidades do país.
A análise dos dados revela ainda que o maior volume de dispensas ocorreu entre os meses de março e abril, consequência direta da crise provocada pela pandemia. Os setores mais afetados foram o comércio de rua e o de prestação de serviços, hotéis, bares e restaurantes.

Para responder aos desafios impostos por este “novo normal”, já que ainda não temos perspectiva concreta de reabertura de nossas fronteiras, tampouco ideia de quando haverá vacina para essa doença, a união de diferentes setores que integram o poder público local resultou no programa “Acelera Foz”. A medida vem como antídoto aos efeitos colaterais já mencionados neste artigo.

Fundamentada em sete eixos e com a união de oito instituições parceiras, a iniciativa irá garantir uma nova fase de crescimento ordenado da economia da cidade e região.Com base em obras estruturantes, em um Plano Estratégico de Marketing para Foz do Iguaçu, na Retomada Econômica do Turismo, Educação e Qualificação Empreendedora, no Incentivo à Inovação e Atração de Investimentos, no Apoio à Produção e Comercialização e na realização políticas públicas efetivas, a expectativa é que dez mil empregos sejam gerados em médio prazo.

O programa tem a coordenação estratégica da Prefeitura de Foz do Iguaçu, Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), Itaipu Binacional, Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Sebrae, Programa Oeste em Desenvolvimento, Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu (ACIFI) e Conselho Municipal de Turismo (Comtur).

A estimativa é a de que sejam investidos inicialmente mais de R$ 22 milhões. Com o apoio de outros investidores, cerca de R$ 435 milhões deverão ser injetados para movimentar a economia local nos próximos três anos.
Todo esse dinheiro será alocado em diversas frentes, como na construção da nova ponte entre Brasil e Paraguai, na ampliação da pista de pouso e decolagem do Aeroporto Internacional Foz/Cataratas, no Mercado Municipal, na futura revitalização do Gramadão, em ciclovias e em estudos para a duplicação da Rodovia das Cataratas, entre outras.

Enquanto representantes do poder público, importante destacar que estamos cientes dos desafios colocados e preparados para reestruturar a base econômica de nossa cidade.

Mais que compartilharmos dados que levam à desesperança, acreditamos na resiliência de nossa gente e na capacidade de reinvenção de nosso povo. O futuro não demora, e em Foz do Iguaçu ele já começou.

*Pedro Rodrigues é jornalista e gestor público, atual diretor de Desenvolvimento Socioeconômico e Integração Regional na Prefeitura de Foz do Iguaçu.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva de seus autores, não representando a opinião do veículo.
Fotografia de Foz do Iguaçu: Lilian Grellmann/100fronteiras / Fotografia Pedro Rodrigues: Jean Carlos.

Comentários

Deixe a sua opinião