O anúncio foi feito nesta quarta-feira (29), por meio de coletiva de imprensa. O Ministro da Saúde Pública do Paraguay, Julio Mazzoleni, disse que essa medida é “absolutamente” necessária

O ministro explicou que o departamento de Alto Paraná tem mais de 1.600 casos confirmados, isso significa, 40% das infecções no país guarani, sendo que destas, 80% estão concentradas em Ciudad del Este.

Nesse contexto, afirmou que a medida restritiva se estenderá a princípio por duas semanas, após esse prazo, passará por uma avaliação.

ministro-euclides-acevedo
Foto: Assessoria.

Ele afirmou ainda, que o sistema de saúde, apesar de triplicar em termos de capacidade, está muito saturado. Com isso, muitos pacientes tiveram que ser transferidos para a capital do país, Assunção, por conta disso decidiram retornar à quarentena total.

Setores isentos no Paraguay

Segundo a ministra da Indústria e Comércio, Liz Cramer, a operação de toda cadeia logística está garantida para as seguintes áreas: importação de alimentos, produtos farmacêuticos e exportação de combustíveis. Assim como o transporte de mercadorias e o desenvolvimento de obras civis sob rigorosas medidas sanitárias.

“Eles também continuarão atividades financeiras e de seguros, serviços e tratamento de resíduos, atendimento público em um valor mínimo, mídia, pecuária, pesca, setor agroindustrial e suas respectivas cadeias, entre outras, seria a estrita quarentena com a incorporação de o que chamamos de fase 1”

Liz Cramer

ministra-liz-cramer-paraguay
Foto: Assessoria.

Controles durante a quarentena

O ministro do Interior, Euclides Acevedo, anunciou que as forças armadas, a polícia e o Ministério Público paraguaio, iniciarão operações de controles em todo o estado do Alto Paraná.

“Estaremos presentes nas ruas não apenas para monitorar, mas para acompanhar os cidadãos conscientes e responsáveis, aqueles que não querem cumprir o mandato do governo terão que ir ao Ministério Público. Nossa presença será educada, mas firme ”, afirmou.

Fonte: Ip.gov.py

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião