Em parceria com a Vigilância Epidemiológica, HMCC usará 500 desses testes em pacientes com problemas respiratórios graves.
A partir da confirmação de transmissão comunitária da covid-19 em Foz do Iguaçu, o Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC) disponibilizou 500 exames de PCR-Real Time para que sejam realizados nos pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), e não apenas nos suspeitos de contágio com o novo coronavírus. A testagem está sendo definida em parceria com a Vigilância Epidemiológica. De acordo com o diretor-superintendente do hospital, Fernando Cossa, “isso irá contribuir com o município na tomada de decisão sobre a reabertura gradativa do comércio”.
O Laboratório de Saúde Única do Centro de Medicina Tropical do HMCC já fez mais de 40 exames por PCR, até esta segunda-feira (13). O hospital comprou 4 mil testes para a população de Foz do Iguaçu e região – destes, 2 mil já chegaram. Os exames de PCR estão à disposição dos pacientes internados no Costa Cavalcanti e no Hospital Municipal Padre Germano Lauck, além dos casos notificados como suspeitos na região e, agora, também para pacientes com problemas respiratórios graves. O HMCC tem capacidade para fazer, por dia, até 480 exames PCR. O hospital estuda também o tratamento com plasma convalescente dos pacientes com covid-19, um protocolo que já é usado pelo Hospital Albert Einstein, de São Paulo (SP), um dos maiores centros de referência médica do mundo. Como não há máquina de plasmaférese disponível para venda no mercado, o HMCC está tentando fazer um comodato (empréstimo gratuito) para obter o equipamento. A máquina remove o plasma com anticorpos do paciente curado, e após a confecção, esse material pode ser injetado nos pacientes graves, propiciando mais um tratamento adjuvante no combate à covid-19. Atualmente, o HMCC tem utilizado hidroxicloroquina em combinação com azitromicina nos três pacientes internados com a covid-19, bem como tratamento adjuvante com imunomoduladores. O diretor técnico do hospital, Dr. Rodrigo Romaninni, explica que toda a metodologia implantada no HMCC contra a covid-19 é baseada nos protocolos da Organização Mundial de Saúde, do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) e do Hospital Albert Einstein, referência na América Latina.
“A boa notícia é que os pacientes têm reagido bem ao tratamento”, diz o médico. Ele conta que, no domingo de Páscoa (12), alguns pacientes já puderam receber a visita de seus familiares. “Foi um momento bastante emocionante para todos nós. A evolução do quadro clínico deles tem sido bastante positiva.”
O HMCC mantém uma ala exclusiva para o internamento de pacientes com a doença. São 27 leitos, 15 só na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 12 de semi-intensiva. O hospital também administra um fundo emergencial de aproximadamente R$ 15 milhões. São recursos da usina de Itaipu voltados à reestruturação da instituição e para ajudar Foz do Iguaçu e municípios vizinhos no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. Foto: Débora Black/HMCC.

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião