Como melhorar a comunicação de pais e filhos durante o confinamento em casa

Neste período em que está todo mundo em casa, os conflitos familiares têm aumentado consideravelmente, pois são gerações diferentes convivendo em um mesmo ambiente.

Se você é pai, mãe ou filho, impossível não ter presenciado ou vivido algum conflito familiar em casa, correto? Por isso nós convidamos a psicóloga Samara Fernandes para nos dar dicas de como podemos passar por este período, tornando-o mais tranquilo e até de grande aprendizagem mútua. Junte a família e desfrute esta matéria.

Muitos pais, devido à correria do dia a dia, não possuem uma rotina de conversa com seus filhos. E um ponto importante da condição que enfrentamos é justamente essa, a necessidade que os pais estão tendo de se aproximar e querer aprofundar a relação entre eles. É importante ressaltar que faz parte do momento percebermos muitas necessidades às quais antes não prestávamos atenção, e a carência afetiva está entre elas.
As crianças manifestam esse desejo mais que qualquer um, e não apenas no confinamento. Elas necessitam da validação emocional das pessoas que amam, para se sentir felizes. Uma maneira muito interessante de abordar seus filhos é buscar algo de que eles gostem e realizar essa tarefa de forma despretensiosa, apenas como um passatempo.  Quando a atividade estiver em andamento, o pai deve procurar iniciar um diálogo, de maneira leve. Samara comenta que:

“Estudos mostram que quando estamos fazendo uma atividade que realmente gostamos nos tornamos mais receptivos afetivamente, abertos a trocas e menos reativos a rejeitar algo que consideramos ruim. Buscar perguntas abertas (como está se sentindo hoje?) e que não afirmem ou acusem algum erro”.

As crianças necessitam da validação, sentir que são aceitas e não punidas por serem como são. Então, quanto mais os pais se mostrarem realmente interessados em conhecer sem querer mudá-las, mais abertas a um bom relacionamento elas estarão.

Discuti com meu filho, e agora?
Buscar sempre perguntar-se: eu perdi o controle ou realmente estamos tendo uma dificuldade de nos entender? Faço este tipo de pergunta, porque em muitos dos conflitos que temos a resposta está em não querer ouvir o que o outro tem a dizer, nem se colocar no lugar dele. Os pais devem levar em conta que os filhos são imaturos para algumas compreensões que os adultos conseguem ter. Exigir que a criança ou adolescente tenha a compreensão de um adulto é o que torna essa conversa desvantajosa.
Quando houver discussões, busque refletir sobre o que ocorreu, respondendo de forma racional a si e buscando fazê-lo quando a tensão da discussão já esteja baixando. Volte propondo a ideia de conversar, e não apenas exigindo uma conversa. Se houve erro de ambas as partes, conte com detalhes o que você pensa a respeito, como se sente e o que acha que deve ser mudado. Não inicie acusando o erro de seu filho e julgando-o por fazer as coisas erradas; apenas mostre seu ponto de vista. Não se sentir condenado por algo é o que abre espaço para um diálogo sem mágoas e voltado a soluções.

Como aproveitar o tempo com seu filho
A rotina é algo extremamente importante não só para filhos, mas para pais, para todos. Nós precisamos da organização diária para manter a saúde mental e a clareza de funcionamento. Dentro dessa rotina elabore espaços para a obrigação, intercalando com a diversão. Coloque os períodos de diversão próximo ao período em que os pais estejam livres de afazeres e possam participar mesmo que de um modo mais espectador, sempre estando presente e buscando mostrar-se interessado ao que está acontecendo.
Procure contar coisas do seu dia a dia, mostrando que você se importa em compartilhar isso com ele, sugerindo ajudar nos afazeres domésticos, assim o pai proporciona ao filho não apenas a presença, mas a solicitação de ajuda para manter o ambiente organizado.

A importância da comunicação pai x filho
A comunicação é de extrema importância entre pais e filhos, principalmente em se tratando de confinamento. As crianças são as que menos compreendem essa condição devido à falta de discernimento e à dificuldade para esperar. O brincar com outras crianças é o elixir do seu desenvolvimento, e neste momento elas estão sendo impedidas disso. Para nós adultos já é difícil nos manter bem, então imagine para elas. É preciso que os pais compreendem também que geralmente a dificuldade de entender o que estão sentindo começa a manifestar o mau comportamento nas crianças. Não querem comer, dormir, tomar banho ou ajudar em casa. Muitas têm pesadelos e inclusive adoecem. Sentar e buscar entender o que eles sentem é importante, disponibilizar atenção e carinho os faz sentir-se acolhidos. Mesmo que o adulto não entenda, lembre: criança não precisa da sua explicação, e sim do seu sentimento. Fale que tudo isso irá passar, que é apenas uma nuvem negra no céu, que todos estamos passando por isso, mas em breve voltaremos à rotina. Estar presente e mostrar-se não apenas física, mas emocionalmente, é o que fará toda a diferença.

Como continuar essa aproximação
Evite gritos, entenda que os gritos separam as pessoas, não ensinam e assustam. Geralmente não nos lembramos dos erros dos nossos pais, mas nos lembramos dos gritos.
Pais, compreendam que vocês também estão absorvendo essa experiência e que também possuem dificuldades de gerenciar seus sentimentos de frustração, inclusive por não conseguir satisfazer as necessidades do seu filho no momento. Permitam-se sentir-se frustrados, mas separem o que é seu do que é do outro, para não entrar em discussões desnecessárias.
Este período está mostrando o quanto precisávamos prestar mais atenção a coisas tão simples e que em um momento que não tivemos opção precisamos obrigatoriamente parar e ver. Perceba que a dificuldade de comunicação que se aflorou na quarentena é apenas reflexo da falta que houve antes, e uma segunda oportunidade para melhorar isso. Sairemos melhores. Não se puna e não puna os maus sentimentos que aparecem de todas as formas, aliás, eles são compreensíveis e esperados neste momento. Não se cobre tanto e não cobre atitudes exemplares dentro de casa. A cobrança neste momento leva a uma pressão interna que não irá melhorar em nada a situação.

E, por fim, quando se esquecer de tudo isso, lembre-se de que o que nunca falha é o amor. Ame e permita-se ser amado.

 

Colaboração: Samara Fernandes 

Newsletter

Ama a tríplice fronteira tanto quanto nós? Assine a newsletter 100fronteiras e receba conteúdo exclusivo. Seu apoio aprimora nosso trabalho para que possamos ajudar a aprofundar sua conexão com Ciudad del Este, Foz do Iguaçu e Puerto Iguazú enquanto investimos no futuro do jornalismo local.

Participe da comunidade 100fronteiras

Apoiando o jornalismo local, você valoriza a sua cidade, seu estado e a integração dos três países. Nossa equipe está diariamente trazendo notícias da fronteira, apresentando novos lugares, histórias. Assinando você receberá conteúdos e promoções exclusivas.

Entre em nosso grupo do Whatsapp. Apoie a mídia local!

Nos encontramos lá, até mais!



Deixe a sua opinião