Ciudad Del Este completa 63 anos e recebe novo prefeito

252

Ele nunca pensou em ser político. Quando mais jovem não via interesse na política, “assim como a maioria dos jovens da minha idade”, comenta Miguel Prieto. Mas se inseriu no meio disso quando entrou na faculdade de Direito e conheceu pessoas que o convidaram a fazer parte, de forma voluntária, do Grêmio Estudantil. Participou de 2007 a 2010, quando ele e um grupo de amigos decidiram fundar o Movimento Independente e disputar as eleições do Grêmio. Prieto então se candidatou e foi eleito presidente. Começou a tomar gosto pela liderança e assumir cada vez mais cargos importantes dentro da faculdade sem saber que um dia seria tão importante para Ciudad del Este.

Ele é nascido em Ciudad del Este e quando se formou o que parecia ter ficado para trás despertou no jovem esteño a vontade de fazer mais, mas dessa vez não apenas dentro da faculdade e sim nos arredores dela, mais precisamente em toda a Ciudad del Este. “O governo ia mal, a cidade estava passando por crises, e a corrupção tomando conta do município. Eu sempre ouvi que os jovens são o futuro do país, então eu e um grupo de amigos da faculdade formado por cinco pessoas decidimos fundar o Movimento Independente para atuar contra a corrupção em CDE.”

Trabalharam muito, passando todo o ano de 2015 batendo de porta em porta conhecendo os moradores e apresentando o movimento. Um trabalho que não trazia nenhum recurso financeiro aos jovens, mas que cada vez mais despertava neles e nos moradores a esperança de uma nova política em CDE. O trabalho rendeu frutos e, pelo espírito de liderança e amor pela cidade, Miguel foi escolhido para se candidatar à Câmara de Vereadores. Fez cinco mil votos e se elegeu. Com apenas um ano de mandato apresentou 150 projetos. “Minha família, que é comerciante, passou por muitas represálias do governo, e meu pai quis que eu saísse da política. Mas, apesar das dificuldades, eu resisti, pois havia possibilidade de eu ser presidente da Câmara em 2018.”

Ele era ousado, não tinha medo de dar a cara a tapa e, mesmo com as represálias que sofria por parte das oposições, não se intimidou porque o desejo de mudar CDE falava cada vez mais alto. Assim, foi preparando-se para chegar à cadeira de presidente do Legislativo municipal, conquistando o cargo em 2018. Mas Prieto queria mais. Seu maior sonho a partir daquele momento era poder transformar a cidade, e isso só seria completamente possível se ele se tornasse o prefeito. E conseguiu, em 2019, juntamente com integrantes do Partido Independente, no lugar da prefeita – que sofreu intervenção, ou seja, foi destituída do cargo sem pedir renúncia.

Miguel Prieto assumiu o mandato 2015-2020, iniciado pela prefeita cassada Sandra Zacarías McLeod.

Após isso houve novas eleições, e Miguel Prieto foi eleito, tornando-se o primeiro prefeito natural de Ciudad del Este e o mais jovem na história da cidade a assumir o cargo. “Desta vez tive total apoio dos pais, que me aconselharam a me candidatar para transformar CDE. E fui sozinho. Somos um partido independente, então não fiz acordo político e não me uni a nenhum dos dois partidos [Liberal e Colorado].” Diante de tantos fatos inéditos, o jovem, agora prefeito, teve uma enorme responsabilidade em “arrumar a casa” e colocar em prática os discursos anticorrupção.

“Quando assumi a prefeitura, a primeira coisa que fiz foi demitir 1.200 funcionários que estavam recebendo salário da prefeitura sem trabalhar. Depois demiti toda a frota da polícia municipal de uma só vez, ou seja, os 80 funcionários. E atualmente temos 80 jovens policiais membros da Marinha que cuidam das ruas e segurança de CDE. Graças a isso, hoje não temos nenhuma denúncia contra a polícia municipal.”

Havia 3.400 funcionários e restaram 2.200.

Uma nova Ciudad del Este

Muitos são os projetos em andamento neste quase um ano de mandato, e Prieto ressalta que ainda há muito o que se fazer, pois CDE é uma cidade rica e com grande potencial de desenvolvimento em várias áreas.

Entre os principais projetos, destaca-se a construção da Costanera do Lago Acaray, cujas obras foram iniciadas no final de janeiro com dinheiro próprio da prefeitura, economizado em apenas quatro meses. O projeto, que custará o equivalente a cerca de R$ 6,5 milhões, contará com ciclovia, quadra de esporte, restaurantes, hotéis, pista de skate, pista exclusiva para deficientes físicos, arborização, entre outros investimentos. “Esse projeto será um marco para CDE”, frisa o prefeito.

Além disso, a prefeitura passou a administrar o terminal rodoviário da cidade, que estava sendo gerido por uma empresa privada havia mais de 30 anos. “Apesar de sofrer muitas represálias, assumimos o terminal e agora todo o dinheiro arrecadado com a venda das passagens será destinado à saúde, pois precisamos urgentemente equipar as salas de UTIs.”

Prieto informa também que o objetivo é aumentar a quantidade de pessoas que pagam seus impostos, porque atualmente o nível de evasão é muito alto, assim chegando a 50% dos proprietários com seus impostos imobiliários pagos, ao mesmo tempo em que se busca combater a corrupção. “Queremos chegar a 50% de arrecadação tributária para então se tornar a maior economia do Paraguai.” Hoje CDE tem a segunda maior, ficando atrás apenas da capital Assunção. Para isso, ele instalou um moderno sistema de monitoramento que ajuda a evitar as fraudes na arrecadação. “Se alguém quiser manipular o sistema, somos avisados e imediatamente a pessoa é demitida do cargo.”

Outra importante ação é que o município baixou o valor unitário da merenda escolar, que estava em 12.500 guaranis, para 8.300.

63 anos

No dia 3 de fevereiro, Ciudad del Este completou 63 anos. E a cidade mais nova da Tríplice Fronteira tem muito o que comemorar, pois hoje se destaca como uma das maiores economias da América do Sul e um dos mais procurados destinos de compras. Mas, apesar desse reconhecimento, Prieto quer mais. Ele deseja criar uma identidade para CDE.

“Eu sou natural da aqui, sou esteño, e infelizmente vejo poucas pessoas da minha idade que são nascidas aqui. A fronteira é rica em diversidade, temos mais de 70 etnias e vivemos amigavelmente em comunidade. Ciudad del Este é a mais nova dentre as três cidades da fronteira e cresceu muito em pouco tempo. Hoje meu desejo é trazer uma identidade para CDE, por isso da construção da Costanera, que será um marco para a cidade e a região. Além disso, estamos nos transformando num polo educacional e queremos incentivar os jovens a estudarem aqui. Outro desejo que já estou indo atrás é criar um sistema de saneamento básico. Estive recentemente em Portugal visitando um modelo de saneamento e estou estudando viabilizá-lo em CDE, pois o que existe aqui atualmente é um crime contra o meio ambiente.”

Há projetos também para revitalizar o microcentro e transformar a avenida principal em um espaço de lazer, com arborização, flores e um calçadão. “Vou fazer de CDE a principal cidade do Paraguai, para que as pessoas queiram estar aqui, investir aqui. E para que isso aconteça de fato vou equipar a segurança dos moradores e turistas, tirando essa má visão que as pessoas têm de CDE.  A partir de março vamos aprovar um projeto de segurança com equipes policiais de qualidade. Vamos buscar melhorar a infraestrutura da cidade, trabalhando com transparência e assim tornando-se referência para outros municípios, pois há muitas cidades que estão se inspirando em nosso Movimento Independente e me procuram para saber como atuar em seus municípios, pois estão vendo que aqui está dando certo. Então, se antes eu nem sonhava em ser político, hoje fiz da política meu sonho”, finaliza.



Formada em Jornalismo (UDC) e pós-graduada em Relações Internacionais Contemporâneas (Unila), atualmente é jornalista e editora na Revista 100fronteiras.


Deixe um comentário