Ponta Porã (MS), está imunizando toda sua população acima dos 18 anos contra a Covid 19, com a vacina de dose única da Janssen, por ser uma cidade que faz divisa com o Paraguai. Ou seja, é uma cidade fronteiriça.

São três pontos de vacinação, e os moradores devem apresentar documentos legais: RG, CPF, Cartão do SUS e comprovante de residência.

O Paraguai fica a uma rua de distância da cidade brasileira, e o município está bem rigoroso com documentações, atestem que a pessoa reside na cidade. Além de toda a documentação, é obrigatório apresentar um vínculo de comprovante com o município.

Pode-se comprovar com: título de eleitor; carteira de trabalho; contrato de aluguel; cadastro de usuário em algum programa social do município.

E Foz, como fica diante disso?

A cidade de Foz do Iguaçu além de ser uma cidade de fronteira tem como sua maior fonte de renda econômica o turismo. As Cataratas do Iguaçu, Parque Nacional das Aves, Hidrelétrica de Itapu, são atrações conhecidas mundialmente, entre várias outras.

Todavia, o município ainda não pode não tem acesso as vacinações da mesma forma que na cidade de Ponta Porã.

A Secretaria de Estado da Saúde solicitou ao Ministério da Saúde um lote adicional de vacinas para atender a região de fronteiras no Paraná. Cerca de 90 mil doses foram pedidas para acelerar a imunização nos municípios de Foz do Iguaçu, Barracão, Guaíra e Santo Antônio do Sudoeste.

Este ofício foi entregue ao secretário-executivo do MS, Rodrigo Otávio Moreira da Cruz, nesta quarta-feira (7), assinado pelo secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

rodrigo-otávio-moreira-da-cruz
Secretário-executivo Rodrigo Otávio Moreira da cruz (Foto:Ricardo Botelho/Minfra)

O Estado apresentou um pedido para que as vacinas direcionadas para os municípios sejam consideradas já nos próximos lotes.

O prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro, disse que um levantamento feito pelo Consulado do Paraguai indicou que pelo menos 98 mil brasileiros moram no país vizinho. “Há um grande contingente de pessoas e por isso temos que olhar de forma diferenciada neste assunto. Importante este apoio da Secretaria de Estado da Saúde nas tratativas”, disse o prefeito.

O secretário-executivo do Ministério da Saúde ainda falou, sobre a sensibilidade do ministro Queiroga em vista da situação, e que está avaliando sobre o assunto.

De acordo com o Ministério da Saúde, o assunto das fronteiras vai ganhar um olhar diferenciado pela pasta e já está sendo solicitado um levantamento da realidade regional, com a regularidade e maior previsibilidade de entregas de vacinas aos Estados .

Penso não ser uma pessoa que saiba, mas que busca o conhecimento

Comentários

Deixe a sua opinião