Sabemos que pelo momento atual muitas empresas tiveram de demitir funcionários. Um exemplo disso é o nosso vizinho Paraguai. Segundo o Ministério do Trabalho, Emprego e Seguridade Social (MTESS), oito mil pessoas perderam o emprego, desde o início da quarentena, por conta da pandemia de covid-19, enquanto o país guarani registra, ainda, mais de 65 mil pedidos de suspensão de empregos para mais de cinco mil empresas.

Em Foz do Iguaçu, a situação atual levou, infelizmente, o tradicional Parque das Aves a ter de demitir metade da equipe – que era de 250 pessoas. Para a unidade, além de funcionários, a equipe é uma comunidade, uma família. Em conversa exclusiva com a 100fronteiras, Carmel Croukamp, CEO do Parque das Aves, ressalta: “Cultivamos esse sentimento de família ao longo dos anos. O pessoal que trabalha aqui trabalha com uma missão, um carinho, acreditando no objetivo central que é a conservação, resgate e abrigo de aves”.

Paloma Bosso, diretora técnica do Parque das Aves

O parque pode até ser de propriedade privada, mas, pelo menos para mim, esta jornalista que aqui escreve, e acredito que para muitas outras pessoas que moram em Foz do Iguaçu, é de propriedade sentimental. Afinal sempre que as pessoas chegam à cidade e perguntam o que conhecer além das Cataratas do Iguaçu, um dos principais locais, se não o primeiro, que vêm à mente é indicar o Parque das Aves. É ou pelo menos deveria ser um orgulho indicar esse lugar.

Foto de toda a comunidade do Parque das Aves

Conversei com a Carmel por meio de um aplicativo de chamada de áudio. Senti na voz dela alguém bem baqueada pelo ocorrido, mas com esperanças no futuro. “É muito necessário pensar em comunidade, Annie”, disse-me ela. Fui entender o porquê disso conforme fomos falando pelo aparelho celular – afinal por aqui – na 100fronteiras – e por lá – no parque – a maioria continua em isolamento social por conta da pandemia.

Carmel conta que para trabalhar com preservação e conservação é necessário envolver as pessoas, a equipe, assim como o público em geral. Diz também que o meio ambiente é vital para os seres humanos, pois sem ele não existe a saúde das pessoas e vice-versa, sendo preciso cuidar e preservar.

Um momento difícil

A CEO e sua mãe, Anna Croukamp – uma das fundadoras do local –, foram aos poucos comunicando aos colaboradores sobre o que estava acontecendo na conjuntura atual. As duas gravaram vídeos para preparar a equipe durante o processo, sem saber sobre o que se sucederia, até esse período de demissão: “Nós fizemos questão de ter uma transparência com eles durante todo o período, e também nosso grupo de gerente de cada setor estava explicando o que estava acontecendo”.

Anna Croukamp, fundadora do Parque das Aves, e Carmel Croukamp, diretora geral. Foto: Annie Grellmann

Porém, apesar de enxugarem os gastos ao máximo – até mesmo na hora de apagar as luzes –, a pandemia não deixou outra escolha a não ser tomar uma grande e, claro, triste decisão: “Temos um oceano muito grande para cruzar durante esta tempestade e agora precisamos pensar e enfrentar a realidade, aceitar que o caminho para frente é muito longo. Tomar uma decisão responsável e não arriscar. Não podemos comprometer nossa capacidade de cuidar de aproximadamente 1.300 aves”.

Era hora de agir depressa, para continuar cuidando desses seres vivos que dependem exclusivamente do trabalho de preservação e conservação. “Nós sabemos que através do governo estadual e federal poderíamos pegar dinheiro emprestado, porém um empréstimo não sabemos quando vamos poder pagar de volta. Na nossa leitura da situação específica, isso traria maior insegurança e risco. E isso pode lidar com a vida das aves”, frisa Carmel, falando que o custo anual do Parque das Aves é de aproximadamente R$ 38 milhões.

Carmila Martins, Coordenadora do Departamento de Educação Ambiental

O até logo

Todo mundo aqui e fora, estamos com crise de choro a cada hora, porém estamos com muita fé de que todos juntos vamos conseguir. Não é um momento de desespero, mas de planejamento.” Mesmo com dor no peito, chegou o momento que tiveram de comunicar o afastamento por tempo indefinido da instituição. Confira a carta na íntegra publicada em uma rede social.

Para isso, e para não deixar a comunidade à deriva, o fundo emergencial que o parque juntou ao longo dos anos irá continuar ajudando a comunidade pelos próximos meses com um cartão Nutricard de cesta básica mensal, plano de saúde e também apoio psicológico individual e em grupo.

“Poderemos nos próximos meses ter um período de abre e fecha. Mas não trará minimamente o público que precisamos para nos sustentar, nem equipe, nem as aves. Precisamos ser realistas. A retomada, realisticamente, que poderemos abrir com um público mínimo, mas que voltaremos acredito que é somente a partir de setembro, novembro, conforme a previsão com outros países.”

Diz ainda que irá fazer o possível para contratar todos de volta o mais rápido possível. Quando as vagas abrirem novamente, se eles estiverem disponíveis, voltarão para a empresa imediatamente.

“O sentimento de solidariedade da equipe que saiu, conosco, foi enorme. Somos muito gratos a eles. Tem sido uma lição em humildade o quanto que na verdade esta comunidade está dando essa força enorme para nós. Com certeza tudo que conquistamos devemos a eles. Estamos fazendo tudo que podemos para cuidar e manter, porque eles merecem isso. Sempre soubemos que tínhamos uma comunidade forte, mas está sendo surpreendente”, finaliza Croukamp.

Ligia Oliva, chefe da Divisão de Veterinária, examinando um urutau

Projetos paralelos

O Parque das Aves irá lançar uma loja on-line em maio. Não apenas uma loja com suvenires, mas de produtos sustentáveis que foram desenvolvidos ao longo de dois anos. “Uma fonte de renda importante, o ingresso nunca pagou todos os nossos custos, inclusive pelo investimento em conservação, que foram sempre grandes”, fala Carmel sobre as vendas na loja.

Já no website do parque, você pode fazer uma doação para ajudar especificamente em custos associados com os resgates, recuperação de animais e despesas adicionais de veterinários. Afinal o Parque das Aves conta com projetos de conservação em diferentes estados. Todo o dinheiro arrecadado irá para uma conta específica, e o parque irá publicar todos os meses no portal de transparência quanto foi obtido e quanto foi gasto.

Depoimentos:

Comentários

Deixe a sua opinião