Significado.

O dicionário Houaiss define responsabilidade como a “obrigação de responder pelas ações próprias”.

Direito. Conforme a ciência jurídica, a responsabilidade envolve dever jurídico de restabelecer dano causado, pois a ação (fazer) ou omissão (não fazer) de alguém, contrária à regra estabelecida, ofendeu, violou determinado direito.

Autorresponsabilidade. A autorresponsabilidade trata-se de capacidade pessoal para atribuir a si mesmo o controle, o dever, do que acontece em sua vida.

Opção. Esse poder de condução acerca dos eventos da vida, buscando incessantemente os efeitos positivos desejados, é uma escolha pessoal. A opção pela autorresponsabilidade demonstra atitude correta para alcançar sucesso, seja individual, grupal ou coletivo.

Exercício. Essa eleição pelo melhor e pela conservação do local em que se mora espelha faculdade concedida por lei para que se escolha corretamente entre duas ou mais maneiras de exercer certo direito ou modo de agir. É o que se pode extrair acerca da conduta individual ou social diante de epidemias.

Questão. Muito se fala sobre a responsabilidade do poder público em caso de epidemias, mas cabe indagar qual é o papel do indivíduo no contexto epidêmico. De que modo a omissão de cada um contribui para o aumento das doenças?

Definição. Epidemia é a multiplicação do número de casos de uma doença que supera a previsão esperada para a época em uma região. A epidemia é o aumento de determinado problema acima da média esperada.

Doenças. É o que está acontecendo no Brasil em relação à dengue, sarampo, febre amarela. Doenças decorrentes da sujeira mantida pelas pessoas, que cria condições propícias aos mosquitos transmissores: um comportamento irresponsável, portanto contrário à moral e à lei. Atrelada a essas doenças, ocorre agora a epidemia vinculada ao coronavírus.

Efeitos. O oposto a essa situação de irresponsabilidade é o comportamento ajuizado e comprometido com o bem-estar, com a saúde de si e do outro. Existem benefícios resultantes do cuidado: o poder de transformar as circunstâncias criadas. No caso específico das doenças, a possibilidade de acabar com elas de uma vez por todas.

Prevenção. É tão fácil cumprir o dever legal de agir corretamente, basta cada um cuidar do local em que vive, mantendo a limpeza, a conservação, a organização da moradia e de todas as áreas da cidade e região na qual mora.

Irresponsabilidade. Não ser autorresponsável leva a pessoa a atribuir aos outros e a fatores externos tudo de negativo que acontece.

Atitude. É o posicionamento pessoal rumo à eliminação de circunstâncias negativas que fará a transformação daquilo que não se deseja mais. No caso do número elevado de pessoas doentes, a mudança começa pelo exercício maduro do livre-arbítrio, “dentro de casa”, adquirindo o hábito minucioso de limpeza diária.

Adriana Rocha

Possui estágio de pós doutorado pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), é Doutorada em Direito pela UFSC e Coordenadora Admin., Educação e Pesquisa na COSMOETHOS.

Diálogos 100fronteiras

Deixe a sua opinião